Fatores associados ao conhecimento de locais públicos de esporte e lazer nas capitais brasileiras

Autores

  • Paula Agrizzi Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Nutrição, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5765-1881
  • Thalia Eloisa Pereira Sousa Dourado Universidade Federal de Mato Grosso, Faculdade de Nutrição, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5022-5011
  • Juliana Ilídio da Silva Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Saúde Coletiva, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.
  • Amanda Cristina de Souza Andrade Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Saúde Coletiva, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3366-4423

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0201

Palavras-chave:

Saúde urbana, Inquérito, Desigualdades, Locais públicos de lazer

Resumo

O objetivo foi avaliar o conhecimento sobre locais públicos de esporte e lazer nas capitais brasileiras e sua relação com fatores sociodemográficos e do ambiente urbano. Estudo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde, edição no ano de 2013, inquérito de base domiciliar, representativo da população adulta residente em todas as capitais do Brasil. A variável de desfecho foi conhecimento sobre locais públicos de esporte e lazer. As variáveis de exposição foram sexo, faixa etária, escolaridade e Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU), que avalia as condições coletivas de vida na cidade por meio dos dados do Censo Demográfico de 2010. Realizou-se análise bivariada através do teste Qui-quadrado e correlação de Pearson. Dos 27.017 entrevistados, 56,6% (IC95%: 55,1 - 58,1) relataram conhecer locais públicos de esporte e lazer, sendo maior entre homens (58,2% vs 55,3%) e mais escolarizados (45,5% de 0 a 4; 49,2% de 5 a 8; 55,2% de 9 a 11; 68,2% de 12 anos ou mais). Não foi observada diferença entre as faixas etárias. Foi observada correlação positiva entre proporção de conhecimento e IBEU (r = 0,709; p < 0,05). As capitais com melhores indicadores de conhecimento e do ambiente urbano foram Vitória, Brasília, Goiânia e Curitiba. Diante disso, a melhoria e criação de espaços públicos de lazer deve considerar as desigualdades na sua distribuição em relação ao ambiente e as características sociodemográficas da população, para contribuir para a promoção da atividade física e, consequentemente, para melhorar a saúde e equidade social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cohen DA, McKenzie TL, Sehgal A, Williamson S, Golinelli D, Lurie N. Contribution of public parks to physical activity. Am J Public Health. 2007;97(3):509-14.

Florindo AA, Barrozo LV, Cabral-Miranda W, Rodrigues EQ, Turrell G, Goldbaum M, et al. Public open spaces and leisure-time walking in Brazilian adults. Int J Environ Res Public Health. 2017;14(6):553.

Hino AAF, Rech CR, Gonçalves PB, Reis RS. Acessibilidade a espaços públicos de lazer e atividade física em adultos de Curitiba, Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública. 2019;35(12):e00020719.

Fermino RC, Reis RS, Cassou ACN. Fatores individuais e ambientais associados ao uso de parques e praças por adultos de Curitiba-PR, Brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2012;14(4):377-89.

Silva IJO, Alexandre MG, Ravagnani FCP, Silva JVP, Coelho-Ravagnani CF. Atividade física: espaços e condições ambientais para sua prática em uma capital brasileira. R Bras Ci e Mov. 2014;22(3):53-62.

McCormack GR, Rock M, Toohey AM, Hignell D. Characteristics of urban parks associated with park use and physical activity: A review of qualitative research. Health Place. 2010;16(4):712-26.

Fermino RC, Reis RS. Variáveis individuais, ambientais e sociais associadas com o uso de espaços públicos abertos para a prática de atividade física: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(5):523-35.

Silva MC, Silva AB, Amorim TEC. Condições de espaços públicos destinados à prática de atividades físicas na cidade de Pelotas/RS/Brasil. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2012;17(1):28-32.

Manta SW, Reis RS, Benedetti TRB, Rech CR. Public open spaces and physical activity: disparities of resources in Florianópolis. Rev Saúde Pública. 2019;53:112.

Silva EAPC, Silva PPC, Oliveira LS, Santos ARM, Rechia S, Freitas CMSM. Percepção da qualidade do ambiente e vivências em espaços públicos de lazer. Rev Bras Cienc Esporte. 2016;38(3):251-58.

Bedimo-Rung AL, Mowen AJ, Cohen DA. The significance of parks to physical activity and public health: a conceptual model. Am J Prev Med. 2005;28(2):159-68.

Bauman AE, Reis RS, Sallis JF, Wells JC, Loos RJF, Martin BW. Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? Lancet. 2012;380:258-71.

Boclin KLS, Faerstein E, De Leon ACMP. Características contextuais de vizinhança e atividade física de lazer: Estudo Pró-Saúde. Rev Saúde Pública. 2014;48(2):249-57.

Sallis JF, Bowles HR, Bauman A, Ainsworth BE, Bull FC, Craig CL, et al. Neighborhood environments and physical activity among adults in 11 countries. Am J Prev Med. 2009;36(6):484-90.

Moura R, Oliveira S, Pêgo B. Escalas da urbanização brasileira. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea, 2018.

Pereira RHM, Braga CKV, Serra B, Nadalin VG. Desigualdades socioespaciais de acesso a oportunidades nas cidades brasileiras. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea, 2019.

Observatório das Metrópoles. IBEU MUNICIPAL: Índice de Bem-Estar Urbano dos municípios brasileiros. 2016. [citado em 2019 nov 6]. Disponível em: http://observatoriodasmetropoles.net.br/download/ibeumunicipal_2016.pdf&gt.

Leite C, Acosta C, Herling T, Barrozo L, Saldiva P. Indicadores de desigualdade para financiamento urbano de cidades saudáveis. Estud Av. 2019;33(97):37-60.

Figueiredo GLA, Martins CHG, Damasceno JL, Castro GGD, Mainegra AB, Akerman, M. Direito à cidade, direito à saúde: quais interconexões? Ciênc Saúde Colet. 2017;22(12):3821-830.

Ribeiro MCSA, Barata RB. Saúde: vulnerabilidade social, vizinhança e atividade física. Cad Metrópole. 2016;18(36):401-20.

Szwarcwald CL, Malta DC, Pereira CA, Vieira MLFP, Conde WL, Souza Júnior PRB, et al. Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil: concepção e metodologia de aplicação. Cien Saude Colet. 2014;19(2):333-42.

Observatório das Metrópoles. Dados. 2014. [citado em 2019 nov 6]. Disponível em: https://ibeu.observatoriodasmetropoles.net.br/dados/

Callegari-Jacques SM. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed; 2003.

SEMEIA. Parques do Brasil: Percepções da População. 2020. [citado em 2020 mai 10]. Disponível em: http://www.semeia.org.br/arquivos/2020_PercepcoesdaPopulacao_V6.pdf

Sakata FG, Gonçalves FM. Um novo conceito para parque urbano no Brasil do século XXI. Paisag Ambiente: Ensaios. 2019;30(43):e155785.

Fermino RC, Hallal PC, Reis RS. Frequência de uso de parques e prática de atividades físicas em adultos de Curitiba, Brasil. Rev Bras Med Esporte. 2017;23(4):264-70.

Malta DC, Andrade SSA, Santos MAS, Rodrigues GBA, Mielke GI. Tendências dos indicadores de atividade física em adultos: Conjunto de capitais do Brasil 2006-2013. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2015;20(2):141-51.

IPEA. Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça – 1995 a 2015. 2015. [citado em 2020 jun 15]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/170306_retrato_das_desigualdades_de_genero_raca.pdf

Lee RE, Mama SK, Adamus-Leach HJ, Soltero EG. Contribution of neighborhood income and access to quality physical activity resources to physical activity in ethnic minority women over time. Am J Health Promot. 2015;29(4):210-16.

Salvo D, Sarmiento OL, Reis RS, Hino AAF, Bolivar MA, Lemoine PD, et al. Where Latin Americans are physically active, and why does it matter? Findings from the IPEN-adult study in Bogota, Colombia; Cuernavaca, Mexico; and Curitiba, Brazil. Prev Med. 2017;103:S27-S33.

Downloads

Publicado

2021-05-24

Como Citar

1.
Agrizzi P, Dourado TEPS, Silva JI da, Andrade AC de S. Fatores associados ao conhecimento de locais públicos de esporte e lazer nas capitais brasileiras. Rev Bras Ativ Fís Saúde [Internet]. 24º de maio de 2021 [citado 25º de junho de 2021];26:1-8. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14445

Edição

Seção

Artigos Originais