Atividade física objetiva em jovens com espinha bífida: um protocolo de revisão sistemática

Autores

  • Daisy Souza Santos Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Departamento de Ciências da Saúde, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1428-2008
  • Ana Cláudia Mattiello-Sverzut Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Departamento de Ciências da Saúde, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4181-0718
  • Ana Clara Magalhães Franzoni Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Departamento de Ciências da Saúde, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6074-7742
  • Jeffer Eidi Sasaki Universidade do Triângulo Mineiro, Departamento de Ciências do Esporte, Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2083-4104
  • Fabio Bertapelli Bertapelli Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Departamento de Ciências da Saúde, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2238-3842

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.28e0317

Palavras-chave:

Crianças, Adolescentes, Inatividade física, Acelerometria

Resumo

Atividade física (AF) diária associa-se a melhora do estado de saúde de jovens. Evidências indicam que crianças com espinha bífida (EB) estão em risco para inatividade física. Este artigo apresenta um protocolo de revisão sistemática que propõe avaliar níveis de AF objetiva diária em crianças e adolescentes com EB. Este protocolo foi desenvolvido seguindo o Preferred Reporting Items for Systematic Review and Meta-Analysis Protocols (PRISMA-P) 2015. A revisão foi registrada no International Prospective Register of Systematic Reviews (PROSPERO, CRD42022349920). Os critérios de inclusão baseiam-se em artigos originais: 1) publicados em revistas com revisão por pares; 2) que avaliem AF objetiva diária em crianças e adolescentes com EB; e 3) que utilizem monitores para avaliação da AF (ex: acelerômetros). Palavras-chave foram baseadas no MeSH e literatura existente. As seguintes bases de dados serão utilizadas como fontes de informação: PubMed, Embase, SPORTDiscus, LILACS, CINAHL, Scopus, PsycINFO e Web of Science. Os seguintes dados serão extraídos: características do estudo e da amostra, variáveis de AF (protocolos de medição e pontos de corte de classificação de AF) e resultados dos níveis de AF. A qualidade dos estudos será avaliada com o Standard Quality Assessment Criteria for Evaluating Primary Research Papers from a Variety of Fields (ERA). A busca e seleção dos estudos, extração de dados e avaliação de qualidade serão realizadas por dois revisores independentes. Espera-se que a revisão forneça evidências para auxiliar na prevenção e tratamento de inatividade física e guiar futuras pesquisas sobre AF objetiva em crianças e adolescentes com EB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Copp AJ, Adzick NS, Chitty LS, Fletcher JM, Holmbeck GN, Shaw GM. Spina bifida. Nat Rev Dis Prim. 2015;(30)1:15007.

Atta CA, Fiest KM, Frolkis AD, Jette N, Pringsheim T, St Germaine-Smith C, et al. Global birth prevalence of spina bifida by folic acid fortification status: a systematic review and meta-analysis. Am J Public Health. 2016;106(1):e24–34.

Rose BM, Holmbeck GN. Attention and executive functions in adolescents with spina bifida. J Pediatr Psychol. 2007;32(8):983–94.

Leonardi-Figueiredo MM, Queiroz Davoli GB, Avi AE, Crescêncio JC, Moura-Tonello SC, Manso PH, et al. Cardiac autonomic modulation of heart rate recovery in children with spina bifida. Int J Sports Med. 2021;42(12):1113–21.

Widman LM, McDonald CM, Abresch RT. Effectiveness of an upper extremity exercise device integrated with computer gaming for aerobic training in adolescents with spinal cord dysfunction. J Spinal Cord Med. 2006;29(4):363–70.

Mita K, Akataki K, Itoh K, Ono Y, Ishida N, Oki T. Assessment of obesity of children with spina bifida. Dev Med Child Neurol. 1993;35(4):305–11.

Bowman RM, McLone DG, Grant JA, Tomita T, Ito JA. Spina bifida outcome: a 25-year prospective. Pediatr Neurosurg. 2001;34(3):114–20.

Claridge EA, Bloemen MAT, Rook RA, Obeid J, Timmons BW, Takken T, et al. Physical activity and sedentary behaviour in children with spina bifida. Dev Med Child Neurol. 2019;61(12):1400–7.

Bull FC, Al-Ansari SS, Biddle S, Borodulin K, Buman MP, Cardon G, et al. World health organization 2020 guidelines on physical activity and sedentary behaviour. Br J Sports Med. 2020;54(24):1451–62.

Guthold R, Stevens GA, Riley LM, Bull FC. Global trends in insufficient physical activity among adolescents: a pooled analysis of 298 population-based surveys with 1·6 million participants. Lancet Child Adolesc Health. 2020;4(1):23–35.

Elmesmari R, Reilly JJ, Martin A, Paton JY. Accelerometer measured levels of moderate-to-vigorous intensity physical activity and sedentary time in children and adolescents with chronic disease: a systematic review and meta-analysis. PLoS One. 2017;12(6):e0179429.

Crytzer TM, Dicianno BE, Kapoor R. Physical activity, exercise, and health-related measures of fitness in adults with spina bifida: a review of the literature. PM R. 2013;5(12):1051–62.

Moher D, Shamseer L, Clarke M, Ghersi D, Liberati A, Petticrew M, et al. Preferred reporting items for systematic review and meta-analysis protocols ( PRISMA-P ) 2015 statement. Syst Rev. 2015;4(1):1.

Amir-Behghadami M, Janati A. Population, intervention, comparison, outcomes and study (PICOS) design as a framework to formulate eligibility criteria in systematic reviews. Emerg Med J. 2020;37(6):387.

Sasaki J, Coutinho A, Santos C, Bertuol C, Minatto G, Berria J, et al. Orientações para utilização de acelerômetros no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(2):110–26.

Kmet LM, Lee RC, Cook LS. Standard quality assessment criteria for evaluating primary research papers from a variety of fields. Alberta Heritage Foundation for Medical Research; 2004. Disponível em: <https://era.library.ualberta.ca/items/48b9b989-c221-4df6-9e35-af782082280e> [2023 Fevereiro].

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Departamento de Promoção da Saúde. Guia de atividade física para a população brasileira. Brasilia: Ministério da Saúde; 2021. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_atividade_fisica_populacao_brasileira.pdf> [2023 Fevereiro].

Downloads

Publicado

2024-01-09

Como Citar

1.
Santos DS, Mattiello-Sverzut AC, Franzoni ACM, Sasaki JE, Bertapelli FB. Atividade física objetiva em jovens com espinha bífida: um protocolo de revisão sistemática. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 9º de janeiro de 2024 [citado 3º de março de 2024];28:1-5. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/15087

Edição

Seção

Protocolos de estudos em atividade física e saúde