Inserção de profissionais de educação física no Sistema Único de Saúde: análise temporal (2007-2021)

Autores

  • Rinelly Pazinato Dutra Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal do Rio Grande, Grupo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde Pública, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal do Rio Grande, Grupo de Estudos em Saúde Coletiva dos Ecossistemas Costeiros e Marítimos, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9902-2052
  • Vanise dos Santos Ferreira Viero Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal do Rio Grande, Grupo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde Pública, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7780-3595
  • Alan Goularte Knuth Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal do Rio Grande, Grupo de Estudos em Saúde Coletiva dos Ecossistemas Costeiros e Marítimos, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2030-5747

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.28e0296

Palavras-chave:

Sistema Único de Saúde, Educação física e treinamento, Atividade física, Sistema de registros

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi descrever e analisar a série temporal da inserção de profissionais de educação física (PEF) no Sistema Único de Saúde (SUS) no período de 2007 a 2021, bem como apresentar a distribuição por regiões e estados de profissionais no território brasileiro. Trata-se de um estudo descritivo e de série temporal que utilizou dados secundários oriundos do sistema de consultas do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNES). Analisou-se o quantitativo de PEF no SUS nas cinco regiões e nos vinte e seis estados e no Distrito Federal entre 2007 e 2021 e realizou-se a análise temporal para verificar a distribuição dos PEF nas regiões brasileiras. Os resultados apontam para um crescimento no número de PEF entre 2007 (n = 22) e 2020 (n = 7.560) em todo o país. Em 2021 observa-se uma redução de 2,8% no quantitativo de PEF. Entre as regiões, os maiores quantitativos foram observados nas regiões Nordeste e Sudeste, enquanto nos estados a maior concentração foi em Minas Gerais, seguido de São Paulo, Pernambuco, Bahia e Rio Grande do Sul. Observou-se uma tendência crescente de PEF nas regiões Norte e Sul. Conclui-se que o quantitativo de PEF atuantes no SUS teve um crescimento expressivo durante o período analisado, sendo fruto das políticas públicas e programas voltados à promoção da atividade física constituídos ao longo do tempo. Apesar disso, há importantes disparidades geográficas que não devem ser desconsideradas, reforçando a necessidade de estratégias coletivas e investimentos em políticas públicas que fomentem a inserção dos PEF na rede assistencial e de fortalecimento do SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: Anexo I da Portaria de Consolidação no 2, de 28 de setembro de 2017, que consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do SUS. Brasília; Ministério da Saúde. 2018. p. 40. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude.pdf > [2021 outubro].

Malta DC, Silva MMA, Albuquerque GM, Lima CM, Cavalcante T, Jaime PC, et al. A implementação das prioridades da Política Nacional de Promoção da Saúde, um balanço, 2006 a 2014. Ciênc. Saúde Colet. 2014;19(11):4301–12. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.07732014

Almeida ER, Medina MG. The genesis of the Family Health Support Center (NASF) in the primary healthcare agenda in Brazil. Cad Saude Publica. 2021;37(10). DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00310820

Carvalho FFB, Nogueira JAD. Práticas corporais e atividades físicas na perspectiva da promoção da saúde na atenção básica. Ciênc. Saúde Colet. 2016;21(6):1829–38. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.07482016

Xavier D, Knuth A. Mapeamento da Educação Física em programas de Residência Multiprofissional em Saúde no sul do Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde.2016;21(6):551–60. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.21n6p551-560

Wachs F, Branco A, Resumo F. Educação Física Em Centros De Atenção Psicossocial. Rev Bras Ciênc Esporte. 2009;31(1):93–107.

Brasil, Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais/Conselho Federal de Educação Física. Resolução no 391, de 26 de agosto de 2020. Brasília; Diário Oficial da União. 2020. Disponível em: < https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-391-de-26-de-agosto-de-2020-274726255> [2021 dezembro].

Warburton DER, Bredin SSD. Health benefits of physical activity. Curr Opin Cardiol. 2017 Sep;32(5):541–56. DOI: https://doi.org/10.1097/HCO.0000000000000437

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2021 : vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico : estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados. 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/publicacoes-svs/vigitel/vigitel-brasil-2021-estimativas-sobre-frequencia-e-distribuicao-sociodemografica-de-fatores-de-risco-e-protecao-para-doencas-cronicas/>[2022 novembro].

Knuth AG, Antunes PC. Práticas corporais/atividades físicas demarcadas como privilégio e não escolha: análise à luz das desigualdades brasileiras. Saúde Soc. 2021;30(2):1–11. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902021200363

Carvalho FFB de, Almeida ER, Loch MR, Knuth AG. As práticas corporais e atividades físicas na gestão tripartite do SUS: estrutura organizacional, financiamento e oferta. Cien Saude Colet. 2022;27(6):2163–74. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232022276.15242021

Brasil, Ministério do Trabalho. Classificação Brasileira de Ocupações (CBO): 2241: Profissionais da educação física [Internet]. 2017. Disponível em: <http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/pesquisas/BuscaPorCodigo.jsf> [2021 novembro]

Pelissari MR. CNES como instrumento de gestão e sua importância no planejamento das ações em saúde. Rev Saúde Pública do Paraná. 2019;2(1):159–65. DOI: https://doi.org/10.32811/25954482-2019v2n1p159

Carvalho MN, Gil CRR, Costa EMOD, Sakai MH, Leite SN. Necessidade e dinâmica da força de trabalho na Atenção Básica de Saúde no Brasil. Cien Saude Colet [Internet]. 2018;23(1):295–302. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018231.08702015

Silva PSC. Physical Education Professionals in the Unified Health System: an analysis of the brazilian registry of health institutions between 2013 and 2017 Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde. 2019;23:1–8. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.23e0050

Silva DB, Sixel TRS, Medeiros AA, Schmitt ACB. Força de trabalho de Profissionais de Educação Física na Atenção Primária à Saúde. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde. 2022;27:1–9. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0240

Vieira LA, Caldas LC, Lemos EC, Malhão TA, Carvalho FFB. Análise temporal da inserção de Profissionais e Residentes de Educação Física no Sistema Único de Saúde de 2009 a 2021. Cien Saude Colet [Internet]. 2022. Disponível em <http://cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/analise-temporal-da-insercao-de-profissionais-e-residentes-de-educacao-fisica-no-sistema-unico-de-saude-de-2009-a-2021/18515?id=18515&id=18515>. [2022 novembro]

Antunes JLF, Cardoso MRA. Uso da análise de séries temporais em estudos epidemiológicos. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015;24(3):565–76. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000300024

Bueno AX. A educação física na saúde: reflexões acerca do fazer da profissão no SUS. In: Wachs F, Almeida UR, Brandão FFF, (Org.). Educação Física e Saúde Coletiva: Cenários, experiências e artefatos culturais. Editora Rede UNIDA; 2016.

Skowronski M. Do Programa Agita São Paulo ao Programa Academia da Saúde: programas públicos envolvendo práticas corporais/atividade física para a promoção da saúde [Trabalho de Conclusão de Curso]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2014.

Becker L, Gonçalves P, Reis R. Programas de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 2016;21(2):110. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.21n2p110-122

Ferreira RW, Caputo EL, Häfele CA, Jerônimo JS, Florindo AA, Knuth AG, et al. Acesso aos programas públicos de atividade física no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Cad Saude Publica. 2019;35(2):1–13. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00008618

Brocardo D, Andrade CLT de, Fausto MCR, Lima SML. Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf): panorama nacional a partir de dados do PMAQ. Saúde em Debate. 2018;42(spe1):130–44. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s109

Brasil, Ministério da Saúde, Saúde., Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Panorama nacional de implementação do Programa Academia da Saúde: monitoramento do Programa Academia da Saúde: Ciclo 2017. Brasília; Ministério da Saúde. 2018. p. 60. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/panorama_academia_saude_monitoramento_programa.pdf > [2022 janeiro].

Vasconcelos KLE. Perfil e distribuição dos postos de trabalho dos profissionais de Educação Física nos serviços públicos de saúde [Trabalho de conclusão de curso]. Universidade Federal de Pernambuco; 2019.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria No 2.979, de 12 de novembro de 2019. Institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília; Diário Oficial da União. 2019. Disponível em: <https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.979-de-12-de-novembro-de-2019-227652180> [2022 janeiro].

Brasil, Ministério da Saúde, Secretária da Atenção Primária à Saúde, Departamento de Saúde da Família. Nota Técnica no 3/2020-DESF/SAPS/MS. Brasília, DF. 2020. Disponível em: < https://www.conasems.org.br/wp-content/uploads/2020/01/NT-NASF-AB-e-Previne-Brasil-1.pdf > [2022 janeiro].

Worldometer. Countries where COVID-19 has spread [Internet]. 2022. Disponível em: [2022 janeiro]

Brasil. Emenda Constitucional no 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília; Diário Oficial da União. 2016. Disponível em: <https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/21295527/do1-2016-12-16-emenda-constitucional-n-95-21295459 > [2022 janeiro].

Araújo Vieira L, Carvalho FFB de. As práticas corporais e atividades físicas nos 15 anos da política nacional de promoção da saúde: a defesa da equidade em um contexto de austeridade. Pensar a Prática. 2021 Nov 5;24. DOI: https://doi.org/10.5216/rpp.v24.68737

Rodrigues J, Ferreira D, Silva P, Caminha I, Farias Junior J. Inserção e atuação do profissional de educação física na atenção básica à saúde: revisão sistemática. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde. 2013 Feb;18(1):5–15. DOI: https://doi.org/10.12820/2317-1634.2013v18n1p5

Santos S, Benedetti TRB. Cenário de implantação do Núcleo de Apoio a Saúde da Família e a inserção do profissional de Educação Física. Rev. Bras. Ativ. Fis. Saúde. Pelotas/RS. 2012;17(3):188–94.

Downloads

Publicado

2023-05-09

Como Citar

1.
Dutra RP, Viero V dos SF, Knuth AG. Inserção de profissionais de educação física no Sistema Único de Saúde: análise temporal (2007-2021). Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 9º de maio de 2023 [citado 16º de junho de 2024];28:1-9. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14856

Edição

Seção

Artigos Originais