Acesso às práticas corporais/atividade física durante o ciclo da vida: relato de idosas aposentadas

Autores

  • Yuri Atamanczuk de Oliveira Universidade Estadual de Londrina, Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Londrina, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5285-177X
  • André Ulian Dall Evedove Fundação Oswaldo Cruz, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1674-746X
  • Mathias Roberto Loch Universidade Estadual de Londrina, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Londrina, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2680-4686

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.28e0294

Palavras-chave:

Saúde da mulher, Envelhecimento, Atividade motora, Perspectiva de gênero, Comportamento de saúde

Resumo

O objetivo foi verificar o acesso às práticas corporais/atividade física (PCAF) ao longo da vida de idosas aposentadas participantes de um grupo de PCAF. Trata-se de um estudo qualitativo com 16 mulheres idosas com idade entre 65 a 75 anos, selecionadas por conveniência, participantes de um grupo de PCAF de uma Unidade Básica de Saúde de Londrina, Paraná. As informações foram coletadas a partir de entrevistas com roteiro semiestruturado, conduzidas individualmente pelo profissional responsável pelo grupo. Os dados foram analisados por elementos da análise de conteúdo pelo sistema de categorias. Três categorias de análise foram consideradas: infância/adolescência; idade adulta; e terceira idade. Na infância/adolescência as mulheres relataram que não tiveram incentivo de seus pais, bem como não tiveram educação física na escola. Na fase adulta, a falta de tempo e de incentivo dos parceiros, além do desconhecimento de atividades ofertadas foram relatadas pelas mulheres. Somente a partir da terceira idade, especialmente após a aposentadoria, com a melhora da condição financeira e com o fato de terem maior tempo livre, as mulheres indicaram uma melhora no acesso, inclusive com a possibilidade da participação no grupo de PCAF. Em geral os resultados revelaram a dificuldade do acesso dessas mulheres às PCAF ao longo de suas vidas e reforçam a importância de ações e políticas públicas que busquem aumentar o incentivo e o acesso as PCAF ao longo da vida das mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carvalho FFB, Guerra PH, Loch MR. Potencialidades e desafios das práticas corporais e atividades físicas no cuidado e promoção da saúde. Motriv. 2020;32(63):1-19.

Malta DC, Silva MMA, Amorim RCA, Rodrigues GBA, Silva TS, Jaime PC. Política Nacional de Promoção da Saúde, descrição da implementação do eixo atividade física e práticas corporais, 2006 a 2014. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19(3):286-99.

Brasil. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Costa TB, Neri AL. Fatores associados às atividades física e social em amostra de idosos brasileiros: dados do Estudo FIBRA. Rev Bras Epidemiol. 2019;22:e190022.

Sousa NFS, Lima MG, Cesar CLG, Barros MBA. Envelhecimento ativo: prevalência e diferenças de gênero e idade em estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2018; 34(11):e00173317.

Mielke GI, Silva ICM, Kolbe-Alexander T, Brown W. Shifting the physical inactivity curve worldwide by closing the gender gap. Sports Med. 2018;48(2):481-9.

Silva ICM, Mielke GI, Bertoldi AD, Arrais PSD, Luiza VL, Mengue SS, Hallal PC. Overall and Leisure-Time Physical Activity Among Brazilian Adults: National Survey Based on the Global Physical Activity Questionnaire. J Phys Act Health. 2018;15(3):212-8.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Relatório de desenvolvimento humano do Brasil: Movimento é vida: atividades físicas e esportivas para todas as pessoas: 2017. Brasília: PNUD, 2017.

Loch MR, Rodrigues CG, Teixeira DC. E os homens? E os que moram longe? E os mais jovens? Perfil dos usuários de programas de atividade física oferecidos pelas unidades básicas de saúde de Londrina-PR. Rev Bras Ciênc Esporte. 2013;35(4):947-61.

Ferreira RW, Caputo EL, Häfele CA, Jerônimo JS, Florindo AA, Knuth AG, et al. Acesso aos programas públicos de atividade física no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Cad Saúde Pública. 2019;35(2):e00008618.

Morosini MVGC, Fonseca AF, Baptista TWF. Previne Brasil, Agência de Desenvolvimento da Atenção Primária e Carteira de Serviços: radicalização da política de privatização da atenção básica? Cad. Saúde Pública. 2020;36(9):e00040220.

Melo EA, Mendonça MHM, Oliveira JR, Andrade GCL. Mudanças na Política Nacional de Atenção Básica: entre retrocessos e desafios. Saúde debate. 2018;42(1):38-51.

Arber S. Comparing inequalities in women’s and men’s health: Britain in the 1990s. Soc Sci Med. 1997;44(6):773-87.

Minayo MCS. O desafio da pesquisa social. In: Minayo MCS (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. São Paulo: Editora Vozes; 2016, p.20.

Londrina. Portal da Prefeitura de Londrina. 2018. Disponível em: http://www.londrina.pr.gov.br/londrina-em-dados-2018-ano-base-2017. Acesso em: 22 nov.2020.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: educação. Brasilia: IBGE, 2019.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Guia de Atividade Física para a População Brasileira. Brasília: MS, 2021.

Silva TAA. Condição juvenil, desigualdades de gênero e processos de exclusão nas aulas de educação física escolar. Civitas, Rev Ciênc. 2021; 21(2):344-54.

Auad D, Corsino L. Feminismos, interseccionalidades e consubstancialidades na Educação Física Escolar. Rev Estud Fem. 2018;26(1):e42585.

Lovato N, Loch M, González AB, Lopes MLS. Assiduidade a programas de atividade física oferecidas por Unidades Básicas de Saúde: o discurso de participantes muito e pouco assíduos. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(2):184-92.

Pimentel JO, Loch MR. “Melhor idade”? Será mesmo? A velhice segundo idosas participantes de um grupo de atividade física. Rev Bras Ativ Fís. 2020;25:1-7.

Polo MCE, Matias TS, Tavares GH, Papini CB. Antecedentes motivacionais para a prática de atividade física na atenção primária à saúde. Movimento. 2020;26:e26082.

Neri AL. Feminização da velhice. In: Neri AL (Org). Idosos no Brasil: Vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, Edições Sesc; 2007, p.46-63.

Marra AV, Brito VGP, Oliveira MRCT, Dias BOSV. Imaginário, subjetividade e aposentadoria feminina. BBR. 2011;8(2):119-37.

Silva ICM, Knuth AG, Mielke GI, Loch MR. Promoção de atividade física e as políticas públicas no combate às desigualdades: reflexões a partir da Lei dos Cuidados Inversos e Hipótese da Equidade Inversa. Cad Saúde Pública. 2020;36(6):e00155119.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 2.979, de 12 de novembro de 2019. Institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, por meio da alteração da Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017. Diário Oficial da União 13 nov 2019;Seção 1.

Silva ICM; Restrepo-Mendez MC; Costa JC, Ewerling F, Hellwig F, Ferreia LZ, et al. Mensuração de desigualdades sociais em saúde: conceitos e abordagens metodológicas no contexto brasileiro. Epidemiol Serv Saúde. 2018;27(1):e000100017.

Barata RB. Como e porque as desigualdades sociais fazem mal à saúde? Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009.

Moura RR, Sopko C. Desigualdade social e de gênero: a inserção da mulher no trabalho e a dupla jornada frente ao processo de catadores no Brasil. Caderno Espaço Feminino. 2018;31(1):226-42.

Downloads

Publicado

2023-03-31

Como Citar

1.
Oliveira YA de, Evedove AUD, Loch MR. Acesso às práticas corporais/atividade física durante o ciclo da vida: relato de idosas aposentadas. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 31º de março de 2023 [citado 3º de março de 2024];28:1-7. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14813

Edição

Seção

Artigos Originais