Atividades Físicas e Esportivas: desenvolvimento do modelo lógico do Projeto Vida Ativa Pelotas, Rio Grande do Sul

Autores

  • Giulia Salaberry Leite Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7480-8710
  • Katia Denise Costa Berni Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Federal de Pelotas, Secretaria de Educação e Desporto, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • José Antônio Bicca Ribeiro Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Inacio Crochemore-Silva Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5390-8360

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0254

Palavras-chave:

Atividades de lazer, Promoção da saúde, Avaliação de programas e projetos de saúde, Atividade motora

Resumo

O objetivo deste estudo foi desenvolver o modelo lógico do Projeto Vida Ativa (PVA), Pelotas, Rio Grande do Sul. O modelo foi realizado com uma abordagem prospectiva e optou-se por delimitar como marco temporal o ano de 2019, refletindo um período pré-pandemia de Covid-19 e um momento de consolidação recente do programa. Foram conduzidas entrevistas semiestruturadas com a coordenação do projeto, além da análise de documentos. O projeto é uma política de governo, desenvolvida desde 2013, financiado e executado pela prefeitura municipal. O PVA tem como objetivo melhorar a qualidade de vida de crianças, jovens, adultos e idosos, em situação de vulnerabilidade social promovendo Atividades Físicas e Esportivas recreativas, aeróbicas, de resistência entre outros, além de eventos aos finais de semana e feriados. O modelo lógico possibilitou a sistematização de informações, demarcando objetivos, insumos, atividades desenvolvidas, produtos e resultados à curto e a longo prazo. Futuros estudos podem utilizar estas informações para avaliar os componentes do projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional - Movimento é Vida: Atividades Físicas e Esportivas para Todas as Pessoas: 2017. – Brasília: PNUD, 2017. 392 p.

Secretária Especial do Esporte, 2017. Programas e Ações. Disponível em: <http://arquivo.esporte.gov.br/> [Maio 2021].

Ministério da Saúde. Política nacional de promoção da saúde. Brasília, DF. 2010.

World Health Organization. Global action plan on physical activity 2018-2030: more active people for a healthier world. Geneva: World Health Organization; 2018.

Berni, K; Quevedo, L. Projeto Vida Ativa: Pelotas em movimento. E-book, Amazon.Pelotas, 2017. 48p.

U.S. Department of Health and Human Services. Physical Activity Evaluation Handbook. Atlanta, GA. EUA. U.S. Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention; 2002.

W.K. Kellogg Foundation. Logic Model Development Guide: Using Logic Models to Bring Together Planning, Evaluation, and Action. 2004.

Bardin, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 10 de julho de 2020. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/rs/pelotas.html>[ Setembro 2021].

Cerri NC, Arthur AC, Vieira LM, Silva AEF, Baba CT, Dias JP et al. Programa de caminhada em Unidades de Saúde da Família em um contexto de alta vulnerabilidade social. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2017;22(1):100-05.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia de Atividade Física para a População Brasileira [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Departamento de Promoção da Saúde.Brasília: Ministério da Saúde, 2021. 54 p.: il.

Souza EMD. Evaluation methods in health promotion programmes: the description of a triangulation in Brazil. Cienc Saúde Colet. 2010;15(5):2521-32.

Barros CR, Cezaretto A, Salvador EP, Santos CT, Catania AS, Fereira SRG. Implementação de programa estruturado de hábitos de vida saudáveis para redução de risco cardiometabólico. Arq Bras Endocrinol Metab. 2013,57(1):7-18.

Downloads

Publicado

2022-05-24

Como Citar

1.
Leite GS, Berni KDC, Ribeiro JAB, Crochemore-Silva I. Atividades Físicas e Esportivas: desenvolvimento do modelo lógico do Projeto Vida Ativa Pelotas, Rio Grande do Sul. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 24º de maio de 2022 [citado 26º de junho de 2022];27:1-6. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14754

Edição

Seção

Do Diagnóstico à Ação: Experiências em Promoção de Atividade Física e Saúde