Validade Preliminar da Escala Perfil do Estilo de Vida Individual para uso online em tempos de distanciamento social

Autores

  • Sueyla Ferreira da Silva dos Santos Universidade Federal do Amazonas, Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia, Parintins, Amazonas, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0575-4277
  • Thiago Ferreira de Sousa Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Formação de Professores, Amargosa, Bahia, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9846-9661
  • Silvio Aparecido Fonseca Universidade Estadual de Santa Cruz, Departamento de Saúde, Ilhéus, Bahia, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9903-6905
  • Mauro Virgílio Gomes de Barros Universidade de Pernambuco, Departamento de Educação Física, Recife, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3165-0965
  • Gildeene Silva Farias Faculdade Estácio de Teresina, Departamento de Educação Física, Teresina, Piauí. https://orcid.org/0000-0003-2810-2925
  • Markus Vinicius Nahas Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0210

Palavras-chave:

Reprodutibilidade dos testes, Estilo de vida, Adultos, Isolamento Social, Pandemia, COVID-19

Resumo

Este estudo teve como objetivo estimar a validade de conteúdo e o nível de reprodutibilidade da escala “Perfil do Estilo de Vida Individual” em tempos de distanciamento social. Os itens da escala original proposta por Nahas, Barros e Francalacci, foram modificados para avaliar o estilo de vida de adultos, de forma online, durante o período distanciamento social, a exemplo, a pandemia da COVID-19. As 15 questões contemplaram comportamentos recomendados por especialistas em saúde durante a pandemia, mantendo-se os cinco domínios originais propostos na versão inicial: alimentação saudável, atividade física, controle do estresse, relacionamentos e comportamentos preventivos. Foram avaliadas a adequação e pertinência por meio do julgamento de especialistas (n = 38) e, posteriormente, os profissionais e estudantes (n = 71) de Instituições de Ensino Superior (IES) avaliaram a clareza dos itens. A reprodutibilidade foi estimada via coeficiente Kappa. O nível de significância adotado foi de 5%. A validade de conteúdo mostrou valores médios de adequação, pertinência e clareza de 92,4%, 87,1% e 78,7%, respectivamente. Participaram na etapa de reprodutibilidade 83 estudantes e profissionais de IES e o nível de concordância variou de 0,358 referente ao item “G” (Procuro ocupar a maior parte do meu dia com atividades interessantes) a 0,626 relativo ao item “N” (Mantenho o distanciamento físico e uso máscara sempre que preciso sair). Conclui-se que a escala “Perfil do Estilo de Vida Individual” em tempos de distanciamento social apresentou satisfatória validade de conteúdo e os níveis de reprodutibilidade podem ser considerados aceitáveis para escalas desta natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Freitas ARR, Napimoga M, Donalisio MR. Análise da gravidade da pandemia de Covid-19. Epidemiol. Serv. Saúde. 2020;29(2). ):e2020119.
2. Couto MT, Barbieri CLA, Matos CCSA. Considerações sobre o impacto da COVID-19 na relação indivíduo-sociedade: da hesitação vacinal ao clamor por uma vacina. Preprint. 2020.
3. Malta DC, Szwarcwald CL, Barros MBA, Gomes CS, Machado ÍE, Souza Júnior PRB, et al. The COVID-19 Pandemic and changes in adult Brazilian lifestyles: a cross-sectional study, 2020. Epidemiol Serv. Saúde. 2020. 29(4).
4. Balanzá-Martínez V, Atienza-Carbonell B, Kapczinski F, Boni RB. Lifestyle behaviours during the COVID-19 - time to connect. Acta Psychiatr Scand. maio de 2020;141(5):399–400.
5. Pereira MD, Oliveira LC, Costa CFT, Bezerra CMO, Pereira MD, Santos CKA. A pandemia de COVID-19, o isolamento social, consequências na saúde mental e estratégias de enfrentamento: uma revisão integrativa. Res Soc Dev. 2020;9(7):e652974548–e652974548
6. Sousa TF, Santos SFS, Farias GS, Brandão AC, Chaves AO, Mussi FC, et al. Grupos de pesquisa brasileiros com ênfase na pandemia da covid-19. Rev Interfaces Saúde Humanas E Tecnol.2020;8(3):621-629–629.
7. Coeli CM, Lima LD, Carvalho MS. Boas práticas na condução e relato de estudos baseados em websurveys. Cad Saúde Pública. 2020;36(7).
8. Boni RBD. Websurveys nos tempos de COVID-19. Cad Saúde Pública 2020;36(7).
9. Silveira PM, Borgatto AF, Andrade DF, Both J, Nascimento JV. Escala de avaliação do perfil do estilo de vida por meio da teoria da resposta ao item. Rev Educ Física UEM. 2015;26(4):519–27.
10. Both J, Borgatto AF, Nascimento JV, Sonoo CN, Lemos CAF, Nahas MV. Validação da escala “perfil do estilo de vida individual”. Rev Bras Atividade Física Saúde. 2008;13(1):5–14.
11. Nahas MV, Barros MVG, Francalacci V. O pentáculo do bem-estar - base conceitual para avaliação do estilo de vida de indivíduos ou grupos. Rev Bras Atividade Física Saúde. 2000;5(2):48–59.
12. Reichenheim ME, Moraes CL. Pillars for assessing validity in epidemiological studies. Rev Bras Epidemiol. 1998;1(2):131–48.
13. Reichenheim ME, Moraes CL. Operacionalização de adaptação transcultural de instrumentos de aferição usados em epidemiologia. Rev Saúde Pública. 2007;41(4):665–73.
14. Nahas MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida. 7ª ed. Londrina: Midograf 2017.
15. Crestani AH, Moraes AB, Souza APR. Validação de conteúdo: clareza/pertinência, fidedignidade e consistência interna de sinais enunciativos de aquisição da linguagem. CoDAS. 2017;29(4).
16. Landis JR, Koch GG. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. 1977;33(1):159–74.
17. Santos SG. Métodos e Técnicas de Pesquisa Quantitativa Aplicada à Educação Física. 1º ed. Florianópolis: Tribo ilha, 2011.
18. Sousa TF, Fonseca SA, José HPM, Nahas MV. Validade e reprodutibilidade do questionário Indicadores de Saúde e Qualidade de Vida de Acadêmicos (Isaq-A). Arq Ciênc Esporte. 2013;1(1).
19. Nahas MV, Rabacow FM, Pereira SV, Borgatto AF. Reprodutibilidade de uma escala para avaliar a percepção dos trabalhadores quanto ao ambiente e às condições de trabalho. Rev Bras Saúde Ocupacional. 2009;34(120):179–83.
20. Acter T, Uddin N, Das J, Akhter A, Choudhury TR, Kim S. Evolution of severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) as coronavirus disease 2019 (COVID-19) pandemic: A global health emergency. Sci Total Environ. 2020;730:138996.
21. Souza CDF, Paiva JPS, Leal TC, Silva LF, Santos LG, Souza CDF, et al. Evolução espaçotemporal da letalidade por COVID-19 no Brasil, 2020. J Bras Pneumol. 2020;46(4).
22. Aquino EML, Silveira IH, Pescarini JM, Aquino R, Souza-Filho JA, Rocha AS, et al. Social distancing measures to control the COVID-19 pandemic: potential impacts and challenges in Brazil. Ciênc Amp Saúde Coletiva. 2020;25:2423–46.
23. Molina M del CB, Benseñor IM, Cardoso LO, Velasquez-Melendez G, Drehmer M, Pereira TSS, et al. Reprodutibilidade e validade relativa do Questionário de Frequência Alimentar do ELSA-Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(2):379–89.
24. Moreira AD, Claro RM, Felisbino-Mendes MS, Velasquez-Melendez G. Validade e reprodutibilidade de inquérito telefônico de atividade física no Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(1):136–46.
25. Dumith SC. Physical activity in Brazil: a systematic review. Cad Saúde Pública. 2009;25:S415–26.
26. Hallal PC, Dumith SC, Bastos JP, Reichert FF, Siqueira FV, Azevedo MR. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física no Brasil: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2007;41(3):453–60.
27. Silva TA, Vasconcelos SML. Procedimentos metodológicos empregados em questionários de frequência alimentar elaborados no Brasil: uma revisão sistemática. Rev Nutr. 2012;25(6):785–97.

Downloads

Publicado

2021-07-14

Como Citar

1.
Santos SF da S dos, Sousa TF de, Fonseca SA, Barros MVG de, Farias GS, Nahas MV. Validade Preliminar da Escala Perfil do Estilo de Vida Individual para uso online em tempos de distanciamento social. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 14º de julho de 2021 [citado 27º de novembro de 2021];26:1-10. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14582

Edição

Seção

Artigos Originais