Validade das medidas do tempo sentado do questionário IPAQ-versão curta em universitários brasileiros

Autores

  • Dayana Chaves Franco Centro Universitário de Maringá, Curso de Educação Física, Maringá, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5806-4045
  • Gildeene Silva Farias Faculdade Estácio de Teresina, Curso de Educação Física, Teresina, Piauí, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2810-2925
  • Andreia Pelegrini Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde e do Esporte, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
  • Jair Sindra Virtuoso Junior Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Departamento de Ciências do Esporte, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.
  • Thiago Ferreira de Sousa Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Formação de Professores, Amargosa, Bahia, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9846-9661

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0223

Palavras-chave:

Comportamento sedentário, Estudantes, estudos de validação

Resumo

Os objetivos deste estudo foram estimar o nível de reprodutibilidade das medidas do tempo sentado do questionário International Physical Activity Questionnaire (IPAQ-versão curta) e analisar a validade concorrente dessas medidas em relação ao tempo sedentário mensurado pelo acelerômetro em universitários. Realizou-se um estudo correlacional com amostra de 61 universitários de uma instituição do ensino superior de Minas Gerais, Brasil, que autopreencheram as medidas do tempo sentado do IPAQ, intercalados por dois momentos diferentes para fins da análise de reprodutibilidade, e usaram o acelerômetro para estimativa do tempo sedentário e emprego como padrão ouro na análise de validade concorrente. Empregou-se as análises de correlação, via coeficiente de correlação intraclasse (CCI) e gráfico de dispersão de Bland-Altman, para analisar a concordância. O nível de significância adotado foi de 5%. A média de idade foi de 21,54 anos e 62,3% foram do sexo feminino. A reprodutibilidade do tempo sentado durante um dia de semana foi moderada (CCI = 0,51; p < 0,01), enquanto em um dia do final de semana foi baixa (CCI = 0,30; p = 0,01). As diferenças médias entre o tempo sentado pelo IPAQ e o tempo sedentário pelo acelerômetro, em um dia da semana foi de -51 minutos e em um dia do final de semana foi de -64,7 minutos. Conclui-se que houve correlações e concordâncias satisfatórias tanto na reprodutibilidade quanto na comparação com a medida critério (acelerômetro) das medidas do tempo sentado mensurado pelo IPAQ para aplicação em universitários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Dunstan DW, Dogra S, Carter SE, Owen N. Sit less and move more for cardiovascular health: emerging insights and opportunities. Nat Rev Cardiol [journal on the internet]. 2021 [cited 2021 Jul 15]. Available from: https://doi.org/10.1038/s41569-021-00547-y

Saunders TJ, McIsaac T, Douillette K, Gaulton N, Hunter S, Rhodes RE et al. Sedentary behaviour and health in adults: an overview of systematic reviews. Appl Physiol Nutr Metab. 2020;45(10):S197-S217.

Martínez-Ramos E, Beltran AM, Martín-Borràs C, Lasaosa-Medina L, Real J, Trujillo JM et al. Patterns of sedentary behavior in overweight and moderately obese users of the Catalan primary-health care system. PLoS ONE. 2018;13(1):e0190750.

Pozo-Cruz B, Alfonso-Rosa RM, McGregor D, Chastin SF, Palarea-Albaladejo J, del Pozo-Cruz J. Sedentary behaviour is associated with depression symptoms: compositional data analysis from a representative sample of 3233 US adults and older adults assessed with accelerometers. J Affect Disord. 2020;265(6):59-62.

Ku PW, Steptoe A, Liao Y, Hsueh MC, Chen LJ. A cut-off of daily sedentary time and all-cause mortality in adults: a meta-regression analysis involving more than 1 million participants. BMC Med. 2018;16(74):16-74.

Meneguci J, Santos DAT, Silva RB, Santos RG, Sasaki JE, Tribess S, et al. Comportamento sedentário: conceito, implicações fisiológicas e os procedimentos de avaliação. Motri. 2015;11(1):160-74.

Prince SA, Melvin A, Roberts KC, Butler GP, Thompson W. Sedentary behaviour surveillance in Canada: trends, challenges and lessons learned. Int J Behav Nutr Phys Act. 2020;17(1):34.

Silva Filho RCS, Lemes TMMA, Sasaki JE, Gordia AP, Andaki ACR. Comportamento sedentário em adolescentes brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2020;25:e0139.

Franco DC, Ferraz NL, Sousa TF. Comportamento sedentário em universitários: uma revisão sistemática. Rev Bras Cineantropom Hum. 2019;21:e56485.

Warren LM, Ekelund U, Besson H, Mezzani A, Geladas N, Vanhees L. Assessment of physical activity - a review of methodologies with reference to epidemiological research: a report of the exercise physiology section of the European Association of Cardiovascular Prevention and Rehabilitation. Eur J Cardiovasc Prev Rehabil. 2010;17(2):127-39.

Tremblay MS, Aubert S, Barnes JD, Saunders TJ, Carson V, Latimer-Cheung AE, et al. Terminology Consensus Project Participants. Sedentary behavior research network (SBRN) - Terminology Consensus Project process and outcome. Int J Behav Nutr Phys Act. 2017;14(1):75.

Guedes DP, Lopes CC; Guedes JERP. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física em adolescentes. Rev Bras Med Esporte. 2005;36(1):79-97.

Craig CL, Marshall AL, Sjostrom M, Bauman AE, Booth ML, Ainsworth BE et al. International physical activity questionnaire: 12-country reliability and vality. Med Sci Sports Exerc. 2003;35(8):1381-5.

Hallal PC, Victora CG. Reliability and validity of the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ). Med Sci Sports Exerc. 2004;36(3):556.

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras de Ativ Fis Saúde. 2001;6(2):5-18.

Benedetti TB, Antunes PC, Rodrigues-Añez CR, Mazo GZ, Petroski EL. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em homens idosos. Rev Bras Med Esporte. 2007;13(1):11-6.

Arango-Vélez EF, Echavarría-Rodríguez AM, Aguilar-González FA, Patiño-Villada FA. Validación de dos cuestionarios para evaluar el nivel de actividad física y el tiempo sedentario en una comunidad universitaria de Colombia. Rev Salud Pública. 2020;38(1):e334156.

Sousa TF. Inatividade física em universitários brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Bras Ciênc Saúde. 2011;9(29):47-55.

Lourenço CLM, Sousa TF, Fonseca SA, Virtuoso Junior JS, Barbosa AR. Comportamento sedentário em estudantes universitários. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(1):67-77.

Prat IA, Viñolas EC, Cañas JCM, Wasley DA, Puig-Ribera A. From secondary school to university: associations between sport participation and total and domain-specific sedentary behaviours in Spanish students. Eur J Pediatr. 2020:179(10):1635-45.

Tavares CC, Cornélio, MPM; Nardelli GG, Gaudenci EM, Haas VJ, Pedrosa LAK. Saúde e qualidade de vida de universitários da área da saúde. Rev Fam Ciclos Vida Saúde Contexto Soc. 2019;7(1):53-64.

Healy GN, Clark BK, Winkler EA, Gardiner PA, Brown WJ, Matthews CE. Measurement of Adults’ Sedentary Time in Population-Based Studies. Am J Prev Med. 2011;41(2):216-27.

Rosenberger ME, Haskell WL, Albinali F, Mota S, Nawyn J, Intille S. Estimating activity and sedentary behavior fron an accelerometer on the hip or wrist. Med Sci Sports Exerc. 2013;45(5):964-75.

Freedson PS, Melanson E, Sirard J. Calibration of the Computer Science and Applications, Inc. accelerometer. Med Sci Sports Exerc. 1998;30(5):777-81.

Broeck JV, Cunningham SA, Eeckels R, Herbst K. Data cleaning: detecting, diagnosing, and editing data abnormalities. PLoS Med. 2005;2(10):966-70.

Ministério da Educação do Brasil. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Tabela de áreas de conhecimento/avaliação. Brasília: Ministério da Educação do Brasil; 2017.

Bland JM, Altman DG. Statistical methods for assessing agreement between two methods of clinical measurement. Lancet. 1986;1(8476):307-10.

Mukaka MM. Statistics Corner: A guide to appropriate use of correlation coefficient in medical research. Malawi Med J. 2012;24(3):69-71.

Bakker EA, Hartman YAW, Hopman MTE, Hopkins ND, Graves LEF, Dunstan DW et al. Validity and reliability of subjective methods to assess sedentary behaviour in adults: a systematic review and meta-analysis. Int J Behav Nutr Phys Act. 2020;17(1):75.

Sousa TF, Farias GS, Franco DC. Self-reported of sedentary behavior by isaq-a questionnaire for application in undergraduate: analysis of reliability and concurrent validity. Rev Bras Ciênc Mov. 2020;28(1):155-61.

Downloads

Publicado

2021-10-07

Como Citar

1.
Franco DC, Farias GS, Pelegrini A, Virtuoso Junior JS, Sousa TF de. Validade das medidas do tempo sentado do questionário IPAQ-versão curta em universitários brasileiros. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 7º de outubro de 2021 [citado 27º de novembro de 2021];26:1-9. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14538

Edição

Seção

Artigos Originais