Acesso a locais para a prática de atividade física entre usuários de Unidades Básicas de Saúde

Autores

  • Eduardo Ribes Kohn Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9072-4536
  • Vitor Häfele Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Fernando Vinholes Siqueira Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2899-3062

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0259

Palavras-chave:

Atividade motora, Atenção primária à saúde, Adultos

Resumo

O objetivo desse estudo foi descrever a prevalência de acesso a locais para a prática de atividade física (AF) por usuários de Unidade Básica de Saúde (UBS) da zona urbana da cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul. Foi realizado um estudo de delineamento transversal, de base populacional comunitária, com usuários de 18 anos ou mais, que alguma vez tenham recebido aconselhamento para a prática de AF na UBS e que estivessem aguardando atendimento na sala de espera da UBS. Foram coletadas variáveis socioeconômicas, demográficas, comportamentais, de saúde e de acesso a AF. O desfecho, acesso a algum local para prática de AF, foi operacionalizado pela seguinte pergunta: “Após o aconselhamento para a prática de atividade física, o(a) Sr(a) teve acesso a algum local em que fosse possível realizar atividade física?”. Foram entrevistados 248 usuários em 31 UBS visitadas. A prevalência de acesso a locais para a prática de AF foi de 52,8%, sendo os locais públicos os mais acessados (63,4%). Entre quem não teve acesso, 46,2% não procuraram por um local e 29,2% relataram não existir local público adequado. Concluímos que apesar dos usuários de UBS considerarem a AF como importante para a saúde e apesar de ter recebido aconselhamento para a prática de AF, pouco mais da metade dos entrevistados teve acesso a locais de prática de AF. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gomes GAO, Papini CB, Nakamura PM, Teixeira IP, Kokubun E. Barreiras para prática de atividade física entre mulheres atendidas na Atenção Básica de Saúde. Rev Bras de Ciênc Esporte. 2019;41(3):263-70.

Queiroga MR, Ferreira SA, Boneti MD, Tartaruga MP, Coutinho SS, Cavazzoto TG. Caracterização do ambiente físico e prática de atividades físicas em unidades básicas de saúde de Guarapuava, Paraná, 2011-2012. Epidemiol Serv Saude. 2016;25(4):827-36.

Silva IC, Knuth AG, Mielke GI, Loch MR. Promoção de atividade física e as políticas públicas no combate às desigualdades: reflexões a partir da Lei dos Cuidados Inversos e Hipótese da Equidade Inversa. Cad. Saúde Pública. 2020;36(6):1-10.

Silva IC, Mielke GI, Nunes BP, Böhm AW, Blanke AO, Nachtigall MS, et al. Espaços públicos de lazer: distribuição, qualidade e adequação à prática de atividade física. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(1):82.

Häfele V, Siqueira FV. Aconselhamento para atividade física e mudança de comportamento em Unidades Básicas de Saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(6):581-92.

IBGE. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência. 2021. Disponível em:< https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/rs/pelotas.html> [2021 Novembro].

IBGE. Urbanização de vias públicas: Censo Demográfico 2010. 2010. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/pelotas/panorama> [2021 Novembro].

Brasil, Ministério da Saúde. Avaliação de efetividade de programas de educação física no Brasil. Brasília; 2013. [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 182 p. Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/avaliacao_efetividade_programas_atividade_fisica.pdf> [2021 Novembro].

WHO, World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/handle/10665/63854>. [2020 Agosto].

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saude. 2012;6(2):5-18.

WHO, World Health Organization. Physical Activity Guidelines for Americans – 2nd edition. Disponível em: < https://health.gov/sites/default/files/201909/Physical_Activity_Guidelines_2nd_edition_Presentation.pdf>. [2020 Agosto].

Warburton DER, Bredin SSD. Health benefits of physical activity: a systematic review of current systematic reviews. Current Opinion in Cardiology. 2017;32(0):1-16.

Dart H, Nguyen N, Colditz GA. Physical activity and chronic disease prevention. Springer. 2016;163-79.

Hallal PC, Reis RS, Parra DC, Hoehner C, Brownson RC, Simões EJ. Association between perceived environmental attributes and physical activity among adults in Recife, Brazil. J Phys Act Health. 2010;7(2):213-22.

Hino AAF, Rech CR, Gonçalves PB, Reis RS. Acessibilidade a espaços públicos de lazer e atividade física em adultos de Curitiba, Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2019; 35(12):1-12.

Guibu IA, Moraes JC, Junior AAG, Costa EA, Acurcio FA, Costa KS, et al. Características principais dos usuários dos serviços de atenção primária à saúde no Brasil. Rev Saude Publica. 2017;51(2):1-13.

Siqueira FV, Nahas MV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, et al. Aconselhamento para a prática de atividade física como estratégia de educação à saúde. Cad. Saúde Pública. 2019;25(1):203-13.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde 2019: Percepção do estado de saúde, estilos de vida, doenças crônicas e saúde bucal. Brasil e grandes regiões / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. 113p. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101764.pdf> [2021 Novembro].

Silva M, Cashman S, Kunte P, Candib LM. Improving population health through integration of primary care and public health: providing access to physical activity for community health center patients. Am J Public Health, 2012;102(11):56-612.

Trapé AA, Marques RFR, Lizzi EAS, Yoshimura FE, Franco LJ, Zago AS. Associação entre condições demográficas e socioeconômicas com a prática de exercícios e aptidão física em participantes de projetos comunitários com idade acima de 50 anos em Ribeirão Preto, São Paulo. Rev Bras de Epidemiol. 2017;20(2):355-67.

Mielke GI, Malta DC. Avaliação e futuro do Programa Academia da Saúde. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2020;25:e014.

Salvo D, Sarmiento OL, Reis RS, Hino AAF, Bolivar MA, Lamoine PB, et al. Where Latin Americans are physically active, and why does it matter? Findings from the IPEN-adult study in Bogota, Colombia; Cuernavaca, Mexico; and Curitiba, Brazil. Prev Med. 2017;103:1-17.

Downloads

Publicado

2022-06-01

Como Citar

1.
Kohn ER, Häfele V, Siqueira FV. Acesso a locais para a prática de atividade física entre usuários de Unidades Básicas de Saúde. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 1º de junho de 2022 [citado 1º de outubro de 2022];27:1-9. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14508

Edição

Seção

Artigos Originais