Inserção dos Cuidados Paliativos na formação dos profissionais de educação física

Autores

  • Breno Augusto Bormann de Souza Filho Escola Nacional de Saúde Pública, Departamento de Epidemiologia, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1700-8688
  • Érika Fernandes Tritany Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7099-4800
  • William Serrano Smethurst Universidade de Pernambuco, Departamento de Educação Física, Recife, Pernambuco, Brasil.
  • Mauro Virgilio Gomes de Barros Universidade de Pernambuco, Departamento de Educação Física, Recife, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3165-0965

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0184

Palavras-chave:

Cuidados paliativos, Capacitação de recursos humanos em saúde, Capacitação professional, Currículo

Resumo

A recente Resolução nº 391 do Conselho Federal de Educação Física, de agosto de 2020, estimulou o debate acerca da ampliação do horizonte de atuação do Profissional de Educação Física (PEF) no Brasil, ao definir sua atuação em contextos hospitalares, em atividades relacionadas às áreas de atividades físicas e exercício físico, destinados a promoção, prevenção, proteção, educação, intervenção, recuperação, reabilitação, tratamento e Cuidados Paliativos. Nesse sentido, é importante que os PEF adquiram, ao longo de sua formação, conhecimentos e práticas relacionados aos Cuidados Paliativos (CP). Entretanto, são observadas lacunas na formação profissional e ausência de orientações na Diretriz Curricular Nacional sobre competências, habilidades e atitudes, no que tange a cuidados durante o percurso das doenças, cuidados de fim de vida, luto, e aspectos conceituais dos CP na formação básica do PEF. Assim, este artigo discute a importância da atuação do PEF nos CP, bem como a inclusão de conteúdos próprios à área dos CP em componentes curriculares da formação em Educação Física. Propõe-se, assim, ampliar e qualificar a atuação do PEF, e melhorar a qualidade da assistência prestada a pacientes, e seus familiares, em CP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Breno Augusto Bormann de Souza Filho, Escola Nacional de Saúde Pública, Departamento de Epidemiologia, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Bacharel em Educação Física - ASCES. Pós-graduado em Reabilitação Cardiopulmonar e Metabólica - UPE-ESEF. Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso - IMIP. Pós-graduado em Oncologia Multidisciplinar - FPS/IMIP. Pós-graduado em Neurociências, Esporte e Atividade Física - UFRJ. Mestrado Profissional em Cuidados Paliativos - IMIP. Aperfeiçoamento em Cuidados Paliativos - Instituto Paliar. Técnico de atletismo nível 2 credenciado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro. Membro pesquisador do Comitê Paralímpico Brasileiro/Academia Paralímpica Brasileira CPB/APB. Doutorando em Epidemiologia em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da FioCruz/RJ.

Referências

1. Gómez-Batiste X, Connor S. Building integrated palliative care programs and services. Worldwide Hospice Palliative Care Alliance; 2017.
2. WHO. Integrating palliative care and symptom relief into the response to humanitarian emergencies and crises: a WHO Guide. Geneva: World Health Organization; 2018.
3. Tiberini R, Richardson H. Rehabilitative Palliative Care: A Challenge for the 21st Century. Hospice UK; 2015.
4. Comissão Intergestores Tripartite. Resolução no 41, de 31 de outubro de 2018. 2018 p. 1.
5. BRASIL. Resolução no 287 de 08 de outubro de 1998. 1998.
6. Conselho Federal de Educação Física. Resolução no 391, de 26 de agosto de 2020. Seç. 1 2020 p. 400.
7. Boulay SD, Rankin M. Cicely Saunders: the founder of the modern Hospice Movement. United Kingdom: Hodder & Stoughton; 2007.
8. Davies E, Higginson IJ. The Solid Facts: Palliative care. Copenhagen: World Health Organization; 2004. 32 p.
9. WHO. Cancer pain relief and palliative care. Geneva: World Health Organization; 1990.
10. WHO. Cancer pain refief and palliative care report. Geneva: World Health Organization; 2002.
11. Cherny NI, Fallon M, Kaasa S, Portenoy RK, Currow D, organizadores. Oxford textbook of Palliative Medicine. Fifth edition. Oxford: Oxford University Press; 2015. 1254 p.
12. Franklin DJ, Cheville AL. Medical Rehabilitation and the Palliative Care Patient. In: Oxford Textbook of Palliative Medicine. 5o ed Oxford University Press; 2015. p. 1–31.
13. Gamondi C, Larkin P, Paine S, European Association for Palliative Care. Core competencies in palliative care: an EAPC White Paper on palliative care education. European Journal of Palliative Care. 2013;20(2):86–145.
14. dos Santos AFJ, Ferreira EAL, Guirro ÚB do P. Atlas dos Cuidados Paliativos no Brasil 2019. Academia Nacional de Cuidados Paliativos; 2020.
15. BRASIL. Resolução no 6, de 18 dezembro de 2018. Seç. 1 2018 p. 48–9.

Downloads

Publicado

2021-03-27

Como Citar

1.
Souza Filho BAB de, Tritany Érika F, Smethurst WS, Gomes de Barros MV. Inserção dos Cuidados Paliativos na formação dos profissionais de educação física. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 27º de março de 2021 [citado 27º de novembro de 2021];26:1-6. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14444

Edição

Seção

Ensaios Teóricos em Atividade Física e Saúde