Characterization of the physical education environment and practice in public schools

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0187

Palavras-chave:

School environment, Physical infrastructure, Physical education at school

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar o ambiente escolar disponível para o ensino e a prática de educação física em escolas públicas de ensino fundamental. Trata-se de estudo transversal com amostra aleatória e estratificada. Foi realizada uma avaliação do inventário e realizadas entrevistas com os diretores de 12 escolas de Fortaleza, Ceará, Brasil. Os dados obtidos foram categorizados como: disponibilidade e frequência das aulas, desenvolvimento de atividades no recreio, atividades extracurriculares oferecidas, instalações e acesso às mesmas. Os dados foram analisados através das frequências absolutas e relativas descritivas. Os resultados mostraram que todas as escolas envolvidas no estudo oferecem duas aulas de educação física por semana. Nenhuma das escolas desenvolve atividades recreativas durante o recreio. Os dados mostraram que 75% das escolas participantes do estudo oferecem atividades extracurriculares gratuitas. Entre elas, o futsal foi a opção mais popular (58,3%). Além disso, 75% das escolas possuíam instalações esportivas internas, enquanto algumas escolas não dispunham de espaço adequado para realizar as aulas. No grupo de escolas com instalações, 90% possuíam traves e 70% tinham pelo menos um tipo de marcação para esportes no piso, como futsal, basquete ou vôlei. Apenas uma escola possuía uma sala de recreação, pátio e horta. Concluímos que os resultados apontam para uma direção favorável ao ensino e à prática da educação física nas escolas. Nós discutimos como um ambiente adequado nas escolas ajuda os alunos a fazer melhores escolhas de estilo de vida e fornece ao professor a oportunidade de desenvolver completamente suas aulas e promover a saúde dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Hugo Gonzalez, Universidade Federal do Ceará, Instituto de Educação Física e Esportes, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Graduado em Licenciatura Plena em Educação Física (1995). Especialização em atividades aquáticas UNOPAR (2000), mestre em Ciências do Movimento Humano pela UFRGS (2008). Doutor em Saúde Pública na Universidade Federal do Ceará (2017). Atualmente é docente do Instituto de Educação Física e Esportes da Universidade Federal do Ceará. Docente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Universidade Federal do Ceará (UFC).Coordenador do programa de extensão universitária Esporte Educacional e Qualidade de Vida em Crianças e Adolescentes, que atende jovens de 11 a 17 anos em situação de vulnerabilidade. Coordenador do projeto de extensão Yoga na UFC. Líder do grupo de estudo multidisciplinar Promoção da Saúde e Pedagogia do Esporte para jovens na Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase na Promoção da Saúde de crianças e adolescentes, atuando principalmente nos seguintes temas: pedagogia do esporte, atividade física, esporte educacional e epidemiologia da atividade física. Autor de vários artigos e livros.

Marcela de Castro Ferracioli-Gama, Universidade Federal do Ceará

Graduação em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista / Bauru (2005). Mestrado em Ciências da Motricidade Humana na Universidade Estadual Paulista / Rio Claro (2009). Doutorado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias na Universidade Estadual Paulista / Rio Claro (2015). Docente do curso de Educação Física do Instituto de Educação Física e Esportes da Universidade Federal do Ceará. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia e Funcionalidade da Universidade Federal do Ceará. Coordenadora do Laboratório de Avaliação e Intervenção Motora (LAVIM). Membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Comportamento Motor (2018-2020). Experiência na área de Educação Física, com ênfase em Aprendizagem Motora, Coordenação e Controle Motor, Desenvolvimento Motor e seus transtornos e Natação.

Luzia Vanessa Alves de Lima, Universidade Federal do Ceará, Instituto de Educação Física e Esportes, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Graduanda em Educação Física - Bacharelado UFC. Graduada em Gestão Desportiva e de Lazer pelo Instituto Federal do Ceará - Reitoria (2010). Graduada em Licenciatura Educação Física do Instituto de Educação Física e Esportes da Universidade Federal do Ceará (2016). Tem experiencia no ensino fundamental I e II, em hidroginástica para gestantes e na iniciação esportiva de esportes coletivos, mais especificamente futsal.

Ítalo Nunes Braga, Universidade Federal do Ceará, Instituto de Educação Física e Esportes, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Graduado em Educação Física - Licenciatura pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Atualmente trabalha como professor de Educação Física nas Escolas Municipais Henriqueta Galeno, Lireda Facó e Viviane Benevides. Também ministra aulas de natação para crianças e adolescentes em condomínio. Tem experiência nas áreas de esportes coletivos, educação física escolar, natação, musculação, treinamento esportivo e hidroginástica.

Thereza Maria Magalhães Moreira, Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências da Saúde, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Enfermeira e Advogada. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq-nível 1A. Pós-Doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre e Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora Associada da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Docente da Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) da UECE nos Programas: 1)Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde; 2)Saúde Coletiva; 3) Mestrado Profissional Gestão em Saúde. Líder do Grupo de Pesquisa Epidemiologia, Cuidado em Cronicidade e Enfermagem-GRUPECCE-CNPq. Consultora Ad hoc de vários periódicos. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem, saúde pública-coletiva, tecnologias, doenças crônicas (hipertensão e diabetes) e adesão terapêutica. 

Márcia Maria Tavares Machado, Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Medicina, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Sanitarista. Professora Associado II, do Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Medicina/UFC. Pro-reitora de Extensão Universitária da Universidade Federal, de 2012 a 2019; Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (1985), Mestrado em Saúde Pública pelo Departamento de Saúde Comunitária da UFC (1999), Doutorado em Enfermagem em Saúde Comunitária UFC (2006) e Pós-Doutorado na Harvard School of Public Health (2011). Coordenou o Banco de Leite Humano da Maternidade Escola Assis Chateaubriand de 1988-1997. Atuou como membro efetivo do Comitê Nacional de Aleitamento Materno (AM) do Ministério da Saúde de 1989-2005. É Professora Associada no Doutorado e Mestrado em Saúde Coletiva da UFC, Mestrado Profissional em Saúde Materno Infantil. Professora da graduação-disciplina Saúde Comunitária (ABS4). Exerceu o cargo de Vice-Coordenadora do Mestrado Acadêmico em Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina - UFC(2009-2010).Tutora do PET Saúde e Coordenadora do Projeto de Extensão Universitária Liga Saude da Família/UFC e do Projeto Conhecendo a Extensão da UFC. Desenvolve diversos projetos de pesquisa na Área Temática: Saúde da Mulher, Criança e Adolescente, Desenvolvimento Infantil em crianças de 0 a 10 anos; Nutrição Infantil; Saúde Coletiva e Avaliação de Programas e Serviços em Atenção básica de saúde. Consultora da Rede Norte-Nordeste de Saúde Perinatal, vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil. Possui convênios de parceria com pesquisadores do Departament of Nutrition; Society Human Development and Health, and Global Health and Police, of Harvard School of Public Healthl; Karolinska Institutet, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade Federal de São Paulo (USP). Possui convenio de parceria com as Universidades Americanas: Harvard School of Public Health, University of Massachutess (Departament of Nurse), Northeastern University (Boston, MA) and The College of New Jersey. Publicou 91 artigos em periódicos nacionais e internacionais; autora de 18 capítulos de livros e 6 livros publicados. Orientações e co-orientações concluídas: Pós-Doutorado: (3); Doutores (8) e Mestres (21). Coordenou o Collaborative Course Public HealthHarvard/ Brazil, janeiro de 2013, 2016 e 2018, realizado em Fortaleza-CE, com a participação de 15 pós-graduandos da Harvard School of Public Health e 15 pos-graduandos de Universidades brasileiras, e presença de professores da HSPH. Participou como convidada da David Rockfeller Center for Latin American Studies (DRCLAS) do II Curso de Liderança em Desenvolvimento Infantil, realizado na Harvard. Participou como Assessora para a implantação do Plano Municipal para a Primeira Infância do Município de Fortaleza, aprovado pela Câmara de Vereadores em junho de 2014. Realizou trabalhos de consultoria em Luanda (Angola) em 2012 e Ministrou aulas no Programa de Pós graduação Ciência para o Desenvolvimento, em Praia, Cabo Verde em 2014 e 2015.Membro Consultor do GT de Saúde da Rede Nacional da Primeira Infância. Coordenadora de Projeto de Intervenção em Crianças que vivem em situação de alta vulnerabilidade, Programa Frontiers of Innovation (CDC/Harvard), Núcleo de ciência para a Primeira Infância (NCPI). Coordenadora do Comitê de Arboviroses da Universidade Federal do Ceará.

Referências

Mélo EN, Barros M, Hardman C, Siqueira M, Wanderlei Júnior R, Oliveira E. Associação entre o ambiente da escola de educação infantil e o nível de atividade física de crianças pré-escolares. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(1):53-62.

Altavilla G, Di Tore PA. Physical education during the first school cycle: a brief social psych pedagogical summary. J Phys Educ. 2016;16(2):340-4.

Bonamino A, Lima NCM. Aspectos da gestão escolar e efeitos no desempenho dos alunos dos anos iniciais do ensino fundamental. In Martins AM et al. (eds.). Políticas e gestão da educação: desafios em tempos de mudanças. Campinas: Autores Associados. 2013, p. 92-117.

Tani G, Basso L, Silveira SR, Correia WR, Corrêa UC. O ensino de habilidades motoras esportivas na escola e o esporte de alto rendimento: discurso, realidade e possibilidades. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2013;27(3):507-18.

Duarte J, Gargiulo C, Moreno M. School infrastructure and learning in Latin American elementary education: an analysis based on the SERCE. [s.l.]: Inter-American Development Bank, Education Division (SCL/EDU). 2011.

Silva AAP, Lopes AAS, Prado CV, Hino AAF, Reis RS. Características do ambiente físico e organizacional para a prática de atividade física nas escolas de Curitiba, Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2018;23:e0027.

Fortaleza. Prefeitura Municipal. Rede de ensino: ensino fundamental. 2019. Retrieved from <http://educacao.fortaleza.ce.gov.br/index.php/rede-de-ensino/ensino-fundamental>.

Tenório MCM, Tassitano RM, Lima MC. Conhecendo o ambiente escolar para as aulas de Educação Física: existe diferença entre as escolas? Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2012;17(4):307-13.

Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes: matrícula 2016. Fortaleza. 2015. Retrieved from <http://www.sme.fortaleza.ce.gov.br/educacao/files/2015/DIRETRIZES_ MATRICULA_2015_16_01.pdf&gt.>

Brasil, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão, Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Brasília: MEC, SEB, DICEI. 2013.

Prazeres Filho A, Mendonça G, Souza Neto JM, Tassitano RM, Silva ABP, Farias Júnior JC. Attendance in Physical Education classes and associated factors among high school students. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24:e0083.

Magalhães CHF, Martineli TAP. Soluções formais no enfrentamento dos problemas da prática escolar: o estranhamento dos professores de educação física escolar. Motrivivência. 2011; 36:214-35.

Brasil, Ministério da Educação. Notas estatísticas censo escolar 2016. Brasília: MEC. 2017.

Dias AF, Lemes VB, Brand C, Mello JB, Gaya AR, Gaya ACA. Associação entre estrutura da escola com a atividade física na aula de educação física e no recreio. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2017;19(2):164-73.

Fortaleza. Plano Municipal da Educação de Fortaleza (2015 – 2025). Diário Oficial do Município nº15.549. 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde escolar. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016.

Aljuhani O, Sandercock G. Contribution of physical education to the daily physical activity of schoolchildren in Saudi Arabia. Int J Environ Res Publ Health. 2019;16(13):1–12.

Khorana P, Koch PA, Trent R, Gray HL, Wolf RL, Contento IR. The effects of wellness in the schools (WITS) on physical activity during recess in New York City public schools. Phys Activ Health. 2019;3(1):117-26.

Stapp AC, Karr JK. Effect of recess on fifth-grade students' time on-task in an elementary classroom. Int Electron J Elem Educ. 2018;10(4):449-56.

Mota J, Silva P, Santos MP, Ribeiro JC, Oliveira J, Duarte JA. Physical activity and school recess time: differences between the sexes and the relationship between children’s playground physical activity and habitual physical activity. J Sports Sci. 2005;23(3):269-75.

Haapala HL, Hirvensalo MH, Laine K, Laakso L, Hakonen H, Lintunen T, Tammelin TH. Differences in physical activity at recess and school-related social factors in four Finnish lower secondary schools. Health Educ Res. 2017;32(6):499-512.

Morton KL, Atkin AJ, Corder K, Suhrcke M, Van Sluijs EMF. The school environment and adolescent physical activity and sedentary behaviour: A mixed-studies systematic review. Obes Rev. 2016;17(2):142-58.

Balyer A, Gunduz Y. Effects of structured extracurricular facilities on students’ academic and social development. Procedia - Social and Behavioral Sciences. 2012; 46:4803-7.

Shulruf B, Tumen S, Tolley H. Extracurricular activities in school, do they matter? Child Youth Serv Rev. 2008;30(4):418-26.

Alves FR. Fatores motivacionais para a prática do Futsal em adolescentes entre 11 e 17 anos. Rev Bras Futsal Futebol. 2015;7(27):579-85.

Batista MDSA, Mondini L, Jaime PC. Ações do Programa Saúde na Escola e da alimentação escolar na prevenção do excesso de peso infantil: experiência no município de Itapevi, São Paulo, Brasil, 2014. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(3):569-78.

Prado CV, Farias Júnior JCD, Czestschuk B, Hino AAF, Reis RS. Physical activity opportunities in public and private schools from Curitiba, Brazil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2018;20(3):290-9.

Mota MM, Torres AL, Alves BO, Ferreira HS. Physical education in school: physical spaces and materials in a public school in Fortaleza. Motricidade. 2017;13(S1):70-5.

Rufino LGB, Benites LC, Souza Neto S. Os desafios para o desenvolvimento do trabalho docente na perspectiva de professores de educação física. Corporescência. 2017;21(3):55-65.

Rutten C, Boen F, Seghers J. How school social and physical environments relate to autonomous motivation in physical education: The mediating role of need satisfaction. J Teach Phys Educ. 2012;31(3):216-30.

Downloads

Publicado

2021-03-26

Como Citar

1.
Gonzalez RH, Ferracioli-Gama M de C, Lima LVA de, Braga Ítalo N, Moreira TMM, Machado MMT. Characterization of the physical education environment and practice in public schools. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 26º de março de 2021 [citado 4º de dezembro de 2021];26:1-7. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14304

Edição

Seção

Artigos Originais