Efeitos do ensino por problemas sobre a atividade física e aptidão física em escolares

  • Ademir Testa Junior Faculdades Integradas de Jaú, Departamento de Educação Física, Jaú, São Paulo, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-0801-2482
  • Idico Luiz Pellegrinotti Universidade Metodista de Piracicaba, Departamento de Pós-graduação em Ciências no Movimento Humano, Piracicaba, São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: Exercício físico, Aptidão física, Ensino, Estilo de vida, Sedentário, Resolução de problema

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar as mudanças na atividade física e aptidão física após aulas de Educação Física escolar fundamentadas no ensino por resolução de problemas. Participaram da pesquisa, dois grupos (G1 n = 33 e G2 n=35) compostos por jovens com 17 anos de idade. Os integrantes do G1 e do G2 participaram de aulas sobre conteúdo da aptidão física, por meio da metodologia baseada na resolução de problemas, durante 20 aulas. Os integrantes do G1 tiveram as aulas predominantemente teóricas; para o G2, as aulas foram predominantemente práticas. A bateria de testes de aptidão física da PROESP-BR e o International Physical Activity Questionnaire (IPAQ-versão curta) foram utilizados antes e após a intervenção. A quantidade de participantes muito ativos aumentou 21,2% no G1 e não sofreu alterações no G2 (31,4%). Houve diferença significante (p < 0,05) entre momentos (pré vs pós) no G1, na flexibilidade e força abdominal, e efeito pequeno para a flexibilidade, velocidade e força abdominal. No G2 observou-se diferença significante e efeito pequeno para flexibilidade, resistência e velocidade. Concluiu-se que as duas intervenções didáticas promoveram alteração no nível de atividade física, mas o efeito foi maior nos escolares do G1. O nível de aptidão física foi maior após as intervenções no G1 e no G2. O estudo revelou a importância de se promover a disseminação dos saberes e valores sobre a vida fisicamente ativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademir Testa Junior, Faculdades Integradas de Jaú, Departamento de Educação Física, Jaú, São Paulo, Brasil.

Doutor em Ciências do Movimento Humano (Bolsista Capes), Mestre em Educação, Especialista em Psicopedagogia Educacional e Clínica, Especialista em Educação Física Escolar, Graduado em Licenciatura Plena em Educação Física e Graduado em Pedagogia. Docente do curso de Bacharelado em Educação Física das Faculdades Integradas de Jaú (FIJ) e da Faculdade Orígenes Lessa (FACOL). Delegado do Conselho Regional de Educação Física (CREF4/SP). Palestrante do CREF4/SP e da Óbios Vita Consultoria Empresarial e Acessibilidade. Atuou como docente substituto no departamento de Educação Física da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP/Bauru). Atuou como coordenador do curso de Bacharelado em Educação Física das Faculdades Integradas de Jaú. Atuou como docente dos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física das Faculdades Integradas Padre Albino (FIPA). Atuou como coordenador de pesquisa do curso de Bacharelado em Educação Física das FIPA. Atuou como membro da Comissão de Ética no Uso de Animais das FIPA (CEUA). Atuou como revisor da Revista Praxis Educativa (ISSN:1809-4309), Revista Científica das FIJ (ISSN:1806-5597) e Revista Lecturas: Educación Fisica y deportes (1514-3465). Editor da revista MotriSaúde. Membro do Comité de Ética e Pesquisa das FIJ. Membro do Grupo de Pesquisa em Ciências da Performance Humana (UNIMEP). Elaborador e revisor de itens do INEP - ENADE/MEC em 2016, 2017 e 2019. Avaliador de cursos superiores do Guia do Estudante da editora Abril em 2017, 2018 e 2019. Avaliador de cursos MEC - in loco (BASis). Professor de Educação Básica II - Educação Física da Rede Estadual Paulista de Ensino, e também da rede pública de ensino do município de Jaú. Vencedor do PRÊMIO EDUCADOR NOTA 10 da Fundação Victor Civita em 2009, com o projeto "Movimento, Saúde e Qualidade de Vida: a Educação Física na escola". Autor dos livros: Educação Física escolar: educação para a saúde na perspectiva da resolução de problemas. Educação Física escolar: modelo de resolução de problemas, sedentarismo e aptidão física. Filosofia Cotidiana: reflexões para a vida. Membro do Panathlon Club Jaú.

Referências

Silva RCR, Malina RM. Nível de atividade física em adolescentes do município de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2000;16(4):1091-7.

Farias Junior JC. Prevalência e fatores de influência para inatividade física em adolescentes. R Bras Ci e Mov. 2006;14(1):63-70.

Silva DAS, Silva RJS. Associação entre prática de atividade física com consumo de frutas, verduras e legumes em adolescentes do Nordeste do Brasil. Rev Paul de Pediatr. 2015;33(2):167-73.

Guthold R, Stevens GA, Riley LM, Bull FC. Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1· 9 million participants. The Lancet Global Health. 2018;6(10):1077-86.

Mura G, Rocha NB, Helmich I, Budde H, Machado S, Wegner M, et al. Physical activity interventions in schools for improving lifestyle in European countries. Clin Pract Epidemiol Ment Health. 2015;11(Suppl 1 M5):77-101.

Knopp D, Prat IA, Azevedo MR. Intervenções escolares de médio e longo prazo para promoção de atividade física: Revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19(2):142–52.

Neira MG. Educação física: desenvolvendo competências. 3. ed. São Paulo: Phorte, 2009.

Testa Junior A, Zuliani SRQA. Metodologia basada en la resolución de problemas aplicada a las classes de Educación Física en la pespectiva de la Educación para la salud. Dissertação de mestrado (Programa de pós-graduação em Educação). Universidad Del Salvador, Buenos Aires, Argentina, 2012.

Rauner A, Jekauc D, Mess F, Schmidt S, Woll A. Tracking physical activity in different settings from late childhood to early adulthood in Germany: the MoMo longitudinal study. BMC Public Health. 2015;15(1):391.

Pozo JI. A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. São Paulo: Artmed, 1994.

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, Braggion G. Questinário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6(2):05-18.

Charro MA, Bacurau RFP, Navarro F, Pontes Junior, FL. Manual de Avaliação Física. São Paulo: Phorte, 2010.

Gaya ACA, Gaya AR. Projeto esporte Brasil: manual de testes e avaliação. Porto Alegre: UFRGS, 2016.

Hopkins WG, Marshall SW, Batterham AM, Hanin J. Progressive statistics for studies in sports medicine and exercise science. Med Sci Sports Exerc. 2009;41(1):3-13.

Liz CM, Crocetta TB, Silveira Viana M, Brandt R, Andrade A. Aderência à prática de exercícios físicos em academias de ginástica. Motriz. 2010;16(1):181-8.

Curran T, Standage M. Psychological Needs and the Quality of Student Engagement in Physical Education: Teachers as Key Facilitators. J Teach Phys Educ. 2017;36(3):262–76.

Farias WLS, Freitas JFF, Iwamoto V, Levandoski G, Leonardi TJ. Educação Física escolar nos anos finais do ensino fundamental e a prática de atividades físicas fora da escola. Rev de Educ do Vale do São Francisco. 2017;7(12):163-76.

Oliveira AAB. Metodologias emergentes no ensino da educação física. Rev da Educ Fís. UEM. 1997;1(8):21-7.

Petroski EL, Pelegrini A. Associação entre o estilo de vida dos pais e a composição corporal dos filhos adolescentes. Rev Paul Pediatr. 2009; 27(1):48-52.

Rexen CT, Ersboll AK, Moller NC, Klakk H, Wedderkopp N, Andersen LB. Effects of extra school‐based physical education on overall physical fitness development–the CHAMPS study DK. Scand. J. Med. Sci. Sports. 2015,25(5):706-15.

Mello JB, Mello JHP, Vian F, Gaya AR, Gaya AC. A. Associação da aptidão cardiorrespiratória de adolescentes com a atividade física e a estrutura pedagógica da educação física escolar. Rev Bras Ciênc Esporte. 2019;41(4):367-75.

Silva RB, Matias TS, Viana MDS, Andrade A. Relação da prática de exercícios físicos e fatores associados às regulações motivacionais de adolescentes brasileiros. Motri. 2012;8(2):8-21.

Publicado
19-08-2019
Seção
Artigos Originais