Comparação de avaliação de medidas indiretas e associação com medida subjetiva de capacidade aeróbia

Autores

  • Rubian Diego Andrade Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis, São José, Santa Catarina, Brasil. Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde e do Esporte, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0338-230X
  • Iedo José da Silva Junior Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis, São José, Santa Catarina, Brasil.
  • Luciane Pereira Nascimento Hackl Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis, São José, Santa Catarina, Brasil.
  • Sabrina Fernandes de Azevedo Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis, São José, Santa Catarina, Brasil. Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde e do Esporte, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6782-2151
  • Diego Grasel Barbosa Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde e do Esporte, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5543-5445
  • Érico Pereira Gomes Felden Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde e do Esporte, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6924-122X

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0261

Palavras-chave:

Avaliação desempenho; Consumo de oxigênio; Testes de aptidão física; Valores de referência

Resumo

Este estudo teve como objetivo comparar a avaliação da resistência aeróbia avaliada pelos testes de McArdle e Conconi e associar as medidas indiretas com a percepção subjetiva por meio da Escala de Capacidade Percebida (ECP). Foram recrutados 29 participantes, 17 homens e 12 mulheres, com idades iguais ou maiores de 18 anos da região de São José, Santa Catarina. Após os recrutamentos foram analisados variáveis como sexo, idade, estatura, massa corporal, frequência cardíaca e esforço físico por meio dos testes de banco de McArdle e Conconi, além da capacidade percebida por meio da ECP. A média da pontuação da ECP foi de 9,72 (DP = 1,60). O Índice de Correlação Intraclasse entre os dois testes foi considerando excelente (r = 0,939; p < 0,001). Além disso, ambas análises apresentaram associação com a variável desfecho. No entanto, o poder explicativo da Regressão Linear,  considerando como variável independente o VO2max a partir do deste de McArdle foi maior (45,3%). Assim, recomenta-se a utilização da tabela de referência deste teste para identificação do VO2máx a partir da percepção subjetiva pela ECP. Desta forma, a ECP pode ser uma ferramenta valiosa na avaliação, prescrição de exercícios e em estudos epidemiológicos por sua fácil e rápida aplicabilidade em adultos ativos fisicamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

American College of Sports Medicine. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness, and flexibility in healthy adults. Med Sci Sports Exerc.1998;30(6):975-91.

American College of Sports Medicine. Diretrizes de ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. Rio Janeiro: Guanabara Koogan; 2003.

Gonçalves, LHT, Silva, AHD, Mazo, GZ, Benedetti, TRB, Santos, SMAD, Marques, S. et al. O idoso institucionalizado: avaliação da capacidade funcional e aptidão física. Cad. Saúde Pública. 2010;26:1738-46.

Rocha, AC, Guedes Junior, DP. Avaliação física para treinamento personalizado, academias e esportes: uma abordagem didática, prática e atual. São Paulo: Phorte, 2013.

Mascarenhas ALM, Fernandes, RCP. Aptidão física e trabalho físico pesado: como interagem para a ocorrência de distúrbio musculoesquelético. Cad. Saúde Pública. 2014;30(10):2187-98.

Fernandes FJ. A prática da avaliação física. 2° ed. Rio de Janeiro: Shape. 2003.

Santos AS. Estimar a capacidade aeróbica através do teste de 2400 metros e velocidade crítica após oito semanas de treinamento aeróbico em militares da polícia militar de minas gerais. Rev Bras Med Esporte. 2012;6(34):410-7.

Mcardle WD, Katch FI, Katch VL. Fisiologia do Exercício. 6° ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

Pollock MJ, Wilmore JH. Exercícios na saúde e na doença: avaliação e prescrição para prevenção e reabilitação. 2ª ed. Rio de Janeiro: Medsi. 1993.

Zagatto AM, Silva CW, Moraes WM. O uso de máscara contra gases na determinação dos testes de velocidade crítica, 12 minutos, wingate e RAST. Rev Educ Fís. 2007;139:4-12.

Hoehner CM, Handy SL, Yan Y, Blair SN, Berrigan D. Association between neighborhood walkability, cardiorespiratory fitness and body-mass index. Soc. Sci & Med. 2011;73(12):1707-16.

Benetti M, Araujo, CLPD, Santos RZD. Aptidão cardiorrespiratória e qualidade de vida pós-infarto em diferentes intensidades de exercício. Arq Bras Cardiol. 2010;95(3):399-404.

Gualano B, Tinucci T. Sedentarismo, exercício físico e doenças crônicas. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2011;25:37-43.

Lavie CJ, Arena R, Swift DL, Johannsen NM, Sui X, Lee DC, et al. Exercise and the cardiovascular system: clinical science and cardiovascular outcomes. Circ Res. 2015;117(2):207-19.

Kokkinos P, Myers J, Franklin B, Narayan P, Lavie CJ, Faselis C, et al. Cardiorespiratory fitness and health outcomes: a call to standardize fitness categories. In Mayo Clinic Proceedings. 2018;93(3):333-6.

16. Garber CE, Blissmer B, Deschenes, MR, Franklin BA, Lamonte MJ, Lee, I M, et al. American College of Sports Medicine position stand. Quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal, and neuromotor fitness in apparently healthy adults: guidance for prescribing exercise. Med Sci Sports Exerc. Indianapolis. 2011;43(7):1334-59.

Zarpellon MG, Huber da Silva A, Takase GL, Bertoldo BT, Claudino R, Zanon Benetti M. Aptidão física de idosos institucionalizados: um estudo interinstitucional. Conscientiae Saúde. 2011;10(3):473-9.

Wisén AG, Farazdaghi RG, Wohlfart B. A novel rating scale to predict maximal exercise capacity. Eur J Appl Physiol. 2002;87:350-7.

Maranhão Neto GA, Leon ACMPD, Farinatti PDTV. Equivalência transcultural de três escalas utilizadas para estimar a aptidão cardiorrespiratória: estudo em idosos. Cad. Saúde Pública. 2008;24(11):2499-510.

Jackson AS, Blair SN, Mahar MT, Wier LT, Ross RM, Stuteville JE. Prediction of functional aerobic capacity without exercise testing. Med Sci Sports Exerc. 1990;22(6):863-70.

Whaley MH, Kaminsky LA, Dwyer GB,Getchell LH. Failure of predicted VO2máx to discriminate physical fitness in epidemiological studies. Med Sci Sports Exerc. 1995;27(1):85-91.

Ross R, Blair SN, Arena R, Igreja TS, Després JP, Franklin BA, et al. Importância da avaliação da aptidão cardiorrespiratória na prática clínica: um caso de aptidão como um sinal vital clínico: uma declaração científica da American Heart Association. Circulation. 2016;136(24):85-91.

Sacomori C, Porto IDP, Cardoso FL, Sperandio FF. Associação entre aptidão cardiorrespiratória percebida e função do assoalho pélvico em mulheres. Rev. Bras. Cienc. Esporte. 20016;38(4):321-27.

American College of Sports Medicine. Manual do ACSM para avaliação da aptidão física relacionada à saúde. 3° ed. Rio de Janeiro Grupo: Guanabara Koogan, 2011.

Conconi F, Ferrari M, Ziglio PG, Droghetti, P, & Codeca L. Determination of the anaerobic threshold by a noninvasive field test in runners. J Appl Physio. 1982;52(4):869-73.

Nascimento EMF, Lima Silva AE, Bertuzzi RCM, Dal’Molin KMAP, Pires FDO. Caracterização da curva da frequência cardíaca durante teste incremental máximo em esteira. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2011;13(4):285-91.

Meira CEV, Andrade RD. Atividade física no lazer, capacidade aeróbia percebida e bem-estar subjetivo de acadêmicos de educação física em diferentes fases do curso. Cad. Educ. Fís. Esporte. 2019;17(1):13-21.

Benassi R, Borges de Araujo AH, Fontes CAS, Gonçalves LCO, Oliveira ALB. Análise comparativa entre os protocolos de banco e equação preditiva para avaliação indireta do consumo máximo de oxigênio (vo2máx), e suas aplicações práticas. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2013;41(7):484-93.

Bertuzzi MCR, Kiss MAPD, Pires FO, Nascimento EMF, Silva AEL. Caracterização da curva da frequência cardíaca durante teste incremental máximo em esteira. Rev. Bras. Cineantropom. Desempenho Hum. 2011;14(4):285-91.

Andrade CHS, Cianci RG, Malaguti C, Dal Corso S. O uso de testes do degrau para a avaliação da capacidade de exercício em indivíduos saudáveis e pacientes com doenças pulmonares crônicas. J. bras. pneumol. 2012;38(1):116-24.

Downloads

Publicado

2022-07-12

Como Citar

1.
Andrade RD, Silva Junior IJ da, Hackl LPN, Azevedo SF de, Barbosa DG, Felden Érico PG. Comparação de avaliação de medidas indiretas e associação com medida subjetiva de capacidade aeróbia. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 12º de julho de 2022 [citado 3º de dezembro de 2022];27:1-7. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14178

Edição

Seção

Artigos Originais