Efeito da substituição do tempo de tela e atividades físicas no lazer na percepção positiva de saúde de universitários

  • Thiago Ferreira Sousa Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Centro de Formação de Professores. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Amargosa, Bahia, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-9846-9661
  • Mariana da Silva Ferreira Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2054-2179
  • Gerleison Ribeiro Barros Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5122-8625
  • Gildeene Silva Farias Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2810-2925
Palavras-chave: Atividade motora, Tempo de tela, Nível de saúde, Estudantes, Estudos transversais

Resumo

O objetivo deste estudo foi estimar o impacto da substituição do tempo de prática de atividades físicas no lazer e comportamentos sedentários sobre a autoavaliação positiva da saúde em universitários de uma instituição de ensino superior do estado da Bahia. Foram realizados dois inquéritos repetidos com universitários de uma mesma instituição nos anos de 2012 e 2014. A autoavaliação positiva de saúde foi o desfecho deste estudo. O tempo por dia despendido em 17 modalidades e o tempo no total de atividades físicas no lazer, mais quatro comportamentos sedentários de tela e tempo de tela no total foram padronizados por uma constante de 30 minutos. O modelo de substituição isotemporal foi empregado por meio da estimativa do Odds Ratio (OR), via regressão logística binaria. O nível de significância foi de 5%. Houve a participação de 1.085 e 1.041 universitários nos anos de 2012 e 2014, respectivamente. Observou-se maiores chances de percepção positiva da saúde ao realocar o tempo de uso de computador em pesquisas para a prática de futebol, lutas, corrida em esteira e musculação. De modo geral, maiores chances de autoavaliação positiva da saúde foram mostrados ao realocar 30 minutos por dia do tempo de tela no total para o tempo de prática de atividades físicas no lazer no total (OR = 1,14; IC95%: 1,10–1,18). Conclui-se que substituir pelo menos 30 minutos por dia de uso de computador em pesquisas para a prática de atividades físicas no lazer, maximiza a autoavaliação positiva do nível de saúde em universitários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Ferreira Sousa, Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Centro de Formação de Professores. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Amargosa, Bahia, Brasil.

Natural de Itabuna, Bahia. Possui graduação em Licenciatura plena em Educação Física pela Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, Bahia (2007), mestrado (2010) e doutorado (2014) em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, na área de atividade física relacionada à saúde. Atualmente é docente do magistério superior da Universidade Federal do Triângulo Mineiro e colaborador do Grupo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde da Universidade Estadual de Santa Cruz. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: atividade física, excesso de peso corporal, estudos transversais e universitários.

Referências

Pavão ALB, Werneck GL, Campos MR. Autoavaliação do estado de saúde e a associação com fatores sociodemográficos, hábitos de vida e morbidade na população: um inquérito nacional. Cad Saúde Pública. 2013;29(4):723–34.

Schnittker J, Bacark V. The increasing predictive validity of self-rated health. Plos One. 2014;9(1):e84933.

Sousa TF, Fonseca S, Barbosa AR. Regular and negative self-rated health in students from a public university from Northeastern, Brazil: prevalence and associated factors. Acta Scientiarum Health Sci. 2014;36(2):185–94.

Franco DC, Dias MS, Sousa TF. Percepção negativa de saúde e fatores associados em acadêmicos de Educação Física. ABCS Health Sci. 2018;43(3):163–8.

El Ansari W, Stock C. Explaining the gender difference in self-rated health among university students in Egypt. Women Health. 2016;56(7):1–14.

Knol LL, Robb CA, McKinley EM, Wood M. food insecurity, self-rated health, and obesity among college students. Am J Health Educ. 2017;48(4):248–55.

Lourenço CLM, Sousa TF, Nahas MV. Prática de atividades físicas no lazer como discriminador da autoavaliação positiva de saúde. Arq Ciênc Esporte. 2015;2(1):33–6.

Meneguci J, Santos DAT, Silva RB, Santos RG, Sasaki JE, Tribess S, et al. Comportamento sedentário: conceito, implicações fisiológicas e os procedimentos de avaliação. Motricidade. 2015;11(1):160–74.

Costigan SA, Barnett L, Plotnikoff RC, Lubans DR. The health indicators associated with screen-based sedentary behavior among adolescent girls: a systematic review. J Adolesc Health. 2013;52(4):382–92.

Prince SA, Reed JL, McFetridge C, Tremblay MS, Reid RD. Correlates of sedentary behaviour in adults: a systematic review. Obes Rev. 2017;18(8):915–35.

Ekblom-Bak E, Ekblom Ö, Bergström G, Börjesson M. Isotemporal substitution of sedentary time by physical activity of different intensities and bout lengths, and its associations with metabolic risk. Eur J Prev Cardiol. 2016;23(9):967–74.

Dohrn I-M, Kwak L, Oja Pekka, Sjostrom M, Hagstromer M. Replacing sedentary time with physical activity: a 15-year follow-up of mortality in a national cohort. Clin Epidem. 2018;10(1):179–86.

Vanhees L, De Sutter J, Geladas N, Doyle F, Prescott E, Cornelissen V, et al. Importance of characteristics and modalities of physical activity and exercise in defining the benefits to cardiovascular health within the general population: recommendations from the EACPR (Part I). Eur J Prev Cardiol. 2012;19(4):670–86.

Grgic J, Dumuid D, Bengoechea EG, Shrestha N, Bauman A, Olds T, et al. Health outcomes associated with reallocations of time between sleep, sedentary behaviour, and physical activity: a systematic scoping review of isotemporal substitution studies. Int. J Behav Nutr Phys Act. 2018;15(1):69.

Deliens T, Deforche B, Bourdeaudhuij I, Clarys P. Determinants of physical activity and sedentary behaviour in university students: a qualitative study using focus group discussions. BMC Public Health. 2015;15:201.

Sousa TF. Inatividade física em universitários brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Bras Ciênc Saúde. 2011;9(29):47–55.

Franco DC, Ferraz NL, Sousa TF. Sedentary behavior among university students: a systematic review. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2019;21:e56485.

Sousa TF, Fonseca SA, José HPM, Nahas MV. Estudo MONISA: características e aspectos metodológicos. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(4):904–7.

Luiz RR, Magnanini MF. A lógica da determinação do tamanho da amostra em investigações epidemiológicas. Cad Saúde Colet. 2000;8(2):9–28.

Sousa TF, Fonseca SA, José HPM, Nahas MV. Validade e reprodutibilidade do questionário Indicadores de Saúde e Qualidade de Vida de Acadêmicos (Isaq-A). Arq Ciênc Esporte. 2013;1(1):21–30.

Mekary RA, Willett WC, Hu FB, Ding EL. Isotemporal substitution paradigm for physical activity epidemiology and weight change. Am J Epidemiol. 2009;170(4):519–27.

Mekary RA, Lucas M, Pan A, Okereke OI, Willett WC, Hu FB, et al. Isotemporal substitution analysis for physical activity, television watching, and risk of depression. Am J Epidemiol. 2013;178(3):474–83.

Sousa TF. Atividades físicas praticadas no lazer por universitários de uma instituição pública do nordeste do Brasil. Rev Bras Ativ Física Saúde. 2012;17(2):125–31.

Murphy MH, Carlin A, Woods C, Nevill A, Macdonncha C, Ferguson K. et al. Active students are healthier and happier than their inactive peers: the results of a large representative cross-sectional study of university students in Ireland. J Phys Act Health. 2018;15(10):737–46.

Andrade RD, Felden ÉPG, Teixeira CS, Pelegrinil A. Sono, percepção de saúde e atividade física em adolescentes universitários. Adolesc Saude. 2017;14(4):150–6.

Freire LM, Dalamaria T, Cunha MA, Souza OF. Self-rated health in university students from rio branco in the Western Brazilian Amazon. Health. 2014;6(16):2245–49.

Colley RC, Michaud I, Garriguet D. Reallocating time between sleep, sedentary and active behaviours: Associations with obesity and health in Canadian adults. Health Rep. 2018;29(4):3-13.

Lameirão AP. O Controle metodológico como meio para assegurar a credibilidade de uma pesquisa de survey. Pensamento Plural. 2014;7(14):41–63.

Sousa TF, Farias GS, Franco DC. Self-reported of sedentary behavior by ISAQ-A questionnaire for application in undergraduate: analysis of reliability and concurrent validity. Rev Bras Ciênc Mov. No prelo 2020.

Stamatakis E, Rogers K, Ding D, Berrigan D, Chau J, Hamer M, et al. All-cause mortality effects of replacing sedentary time with physical activity and sleeping using an isotemporal substitution model: a prospective study of 201,129 mid-aged and older adults. Int J Behav Nutr Phys Act. 2015;12:121.

Publicado
26-03-2020
Seção
Artigos Originais