Alterações na antropometria e na qualidade de vida relacionada à saúde após um programa de exercícios aquáticos em crianças com sobrepeso e obesidade

Palavras-chave: Obesidade pediátrica, Exercício, Qualidade de vida

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar as alterações, após um programa de exercícios aquáticos, dos parâmetros antropométricos e de qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) em crianças com sobrepeso ou obesidade. Trata-se de um ensaio clínico não-randomizado e controlado realizado na cidade de Uberaba, Minas Gerais com participação de 33 crianças com média de idade de 9,10 ± 1,00 anos, de ambos os sexos. As crianças foram alocadas em grupo controle (GC, n = 21) e grupo experimental (GE, n = 12). O GE realizou 21 semanas de exercícios aquáticos de caráter aeróbio recreativo, 54 sessões de 60 minutos cada. No baseline e pós-intervenção, foram avaliados massa corporal, estatura, IMC e QVRS por meio do Questionário Pediátrico de Qualidade de Vida (Pedsql versão 4.0). Observou-se efeito significativo do tempo no aspecto emocional da QVRS relatada pelos filhos (p = 0,009), houve redução dos escores do GE e aumento nos escores do GC. Na dimensão atividade escolar houve tendência para interação tempo*grupo (p = 0,059), em que observamos redução dos escores no GE e aumento no GC após 21 semanas. Em relação à antropometria e QVRS relatada pelos pais, não foram observadas diferenças significativas em ambos os grupos. Em conclusão, houve alterações significativas na dimensão emocional relatado pelas crianças, porém, a intervenção não alterou significativamente a antropometria e demais dimensões da QVRS de crianças com sobrepeso ou obesidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

NCD Risk Factor Collaboration. Worldwide trends in body-mass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128·9 million children, adolescents, and adults. Lancet 2017; 390: 2627–42.

IBGE. Percentual de escolares com idade de 13 a 17 anos por estado nutricional, sexo e dependência administrativa da escola, com indicação do intervalo de confiança de 95%, segundo a faixa etária do escolar e as Grandes Regiões – IBGE: 2015. [citado em 2018]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv97870.pdf.

Alves LMM, Yagui CM, Rodrigues CS, Mazzo A, Rangel EML, Girão FB. Obesidade infantil ontem e hoje. Esc Anna Nery. 2011;15(2):238-44.

Mello ED, Luft VC, Meyer F. Obesidade Infantil: como podemos ser eficazes? J Pediatr. 2004;80(3):173-82.

Balagopal P (Babu), Ferranti SD, Cook S, Daniels SR, Gidding SS, Hayman LL, et al. Nontraditional Risk Factors and Biomarkers for Cardiovascular Disease: Mechanistic, Research, and Clinical Considerations for Youth. Circulation [Internet]. 2011 Jun 14;123(23):2749–69.

Juonala M, Magnussen CG, Berenson GS, Venn A, Burns TL, Sabin MA, Srinivasan SR, Daniels SR, Davis PH, Chen W, Sun C, Cheung M. Childhood Adiposity, Adult Adiposity, and Cardiovascular Risk Factors. N Engl J Med. 2011;365(20):1876–85.

Testa WL, Poeta LS, Duarte MFS. Exercício físico com atividades recreativas: uma alternativa para o tratamento da obesidade infantil. Rev Bras de Obesid, Nutri e Emagre. 2017;11(62):49-55.

Luiz AMAG, Gorayeb R, Liberatore Júnior RDR, Domingos NAM. Depressão, ansiedade e competência social em crianças obesas. Estud Psicol. 2005;10(1):35-39.

Lee C-T, Lin C-Y, Strong C, Lin Y-F, Chou, Y-Y, Tsai M-C. Metabolic correlates of health-related quality of life among overweight and obese adolescents. BMC Pediatric. 2018;18(1):25.

Thanh Ha N, Trang DTH, Ha LTT. Is obesity associated with decreased health related quality of life in school age children? Results from a survey in Vietnan. AIMS Public Health. 2018;5(4):338-51.

Buttitta M, Iliescu C, Rousseau A, Guerrien A. Quality of life in overweight and obese children and adolescents: a literature review. Qual Life Res. 2014;23(4):1117–39.

Leite N, Lazaroto L, Cavazza JF, Lopes MFA, Bento PCB, Torres R, et al. Efeitos de exercícios aquáticos e orientação nutricional na composição corporal de crianças e adolescentes obesos. Revista Bras de Cineantropom e Desempenho Hum. 2010;4(12):232-38.

Kunkel N, Oliveira WS, Peres MA. Excesso de peso e qualidade de vida relacionada a saúde em adolescentes de Florianópolis, SC. Rev Saúde Públ. 2009;43(2):226-35.

Whorld Health Organization. WHO child growth stardards: head circumference-for-age, arm circumference-for-age, tricepsskinfold-for-age and subscapular skinfold-for-age. Methods and development. Geneva: WHO; 2007.

Martins, R, Assumpção, MS, Schivinski, CIS. Percepção de esforço e dispneia em pediatria: revisão das escalas de avaliação. Revista Medicina. 2014;47(1):25-35.

Klatchoian DA, Len CA, Terrini MTRA, Silva M, Itamoto C, Ciconelli RM, et al. Quality of life of children and adolescents from São Paulo: reliability and validity of the Brazilian version of the Pediatric Quality of Life Inventory TM version 4.0 Generic Core Scales. J Pediatr. 2008;84(8):308-15.

Lindberg L, Hagman E, Danielsson P, Marcus C, Persson M. Anxiety and Depression in children and adolescentes with obesity: a Nationwide study in Sweden. BMC Medic. 2020;18(30).

Poeta LS, Duarte MFS, Giuliano ICB, Mota J. Interdisciplinary intervention in obese children and impact on health and quality of life. J Pediatr. 2013;89(5): 499-04.

Melo JCM. Efeitos de um programa de intervenção sobre indicadores da aptidão física e atividade física habitual em meninos com excesso de peso e obesidade. Faculdade de Desporto da Universidade do Porto; 2017.

Ahuja B, Klassen AF, Satz R, Malhotra N, Tsangaris E, Ventresca M, et al. Review of patient-reported outcomes for children and adolescents with obesity. Qual Life Res. 2014;23(3):759-70.

Rendón MME, Rosas VH, Villasís KM, Pérez GC. Children's perception on obesity and quality of life: a Mexican survey. BMC Pediatri. 2014;14:131.

Williams J. Helath-Related Quality of Life of Overweight and Obese Children. JAMA. 2005 Jan 5;293(1):70.

Hullmann SE, Ryan JL, Ramsey RR, Chaney JM, Mullins LL. Measures of general pediatric quality of life. Arthr Care & Resear. 2011;11(63):420-30.

WHO (World Health Organization). Global recommendations on physical acitivity for health. 2010.

Lourenço B, Queiroz LB. Crescimento e desenvolvimento puberal na adolescênci. Revi Med. 2010;2(89):70-75.

Selau B. O comportamento lúdico infantil em aulas de natação. Rev Movim. 2000;7(13):2-9.

Poeta LS, Duarte MFS, Giuliano ICB, Farias Junior, JC. Intervenção interdisciplinar na composição corporal e em testes de aptidão física de crianças obesas. Rev Bras Cineantropom Desemp Hum. 2012;2(14):134-43.

Publicado
31-05-2020
Como Citar
1.
Reis M de M, Lemes TMMA e, Viana RS, Andaki ACR. Alterações na antropometria e na qualidade de vida relacionada à saúde após um programa de exercícios aquáticos em crianças com sobrepeso e obesidade . Rev Bras Ativ Fís Saúde [Internet]. 31º de maio de 2020 [citado 14º de julho de 2020];240:1-. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14101
Seção
Artigos Originais