Perfil dos usuários e padrão de utilização das Academias ao Ar Livre de Uberaba, Minas Gerais

  • Debora Bernardo da Silva Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Departamento de Ciências do Esporte, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.
  • Sheilla Tribess Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Departamento de Ciências do Esporte, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.
  • Camila Bosquiero Papini Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Departamento de Ciências do Esporte, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.
Palavras-chave: Política pública, Atividade motora, Promoção da saúde, Ambiente construído

Resumo

O objetivo foi analisar o perfil, nível de atividade física dos usuários e o padrão de uso das Academias ao Ar Livre (AAL) de Uberaba, Minas Gerais, Brasil. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista “in loco” com usuários de nove AAL. Foram entrevistados 148 usuários. Os usuários das AAL de Uberaba, Minas Gerais são na maioria mulher, adulto, casado, com ensino médio completo, percebem a saúde como boa e são ativos fisicamente. A proporção de usuários com renda até 2 salários mínimos foi de 53,4%.  A maioria frequenta o espaço há mais de 1 mês, utiliza a AAL durante os dias de semana, mais de 3 vezes na semana com duração superior a 30 minutos. Os usuários consideram o local acessível, próximo à sua residência, e realizam deslocamento até o local caminhando. A grande maioria percebe a AAL como local seguro (93,9%), embora em três AAL não foram observados usuários nos dias da coleta. A maioria dos usuários não vai acompanhado, mas às vezes encontra pessoas que conhece e não possui acompanhamento de um profissional de educação física. Esses resultados devem ser considerados pelos gestores do município com a finalidade de promover maior utilização das AAL nos finais de semana e maior utilização de homens, jovens adultos e idosos e indivíduos de menor escolaridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Pereira DS. A atividade física na prevenção das doenças crônicas não transmissíveis. Revista Gestão & Saúde. 2017;17:9.

World Health Organization. Global Recommendations on Physical Activity for Health. 2011.

U.S. Department of Health & Human Services. 2018 Physical Activity Guidelines Advisory Committee Scientific Report. Washington, DC, 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. VIGITEL BRASIL 2019: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2020.

Bauman AE, Reis RS, Sallis JF, Wells JC, Loos RJF, Martin BW. Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? The Lancet. 2012;380:258–71.

Vega CDC, Tutte V, Bermudez G, Parra DC. Impact on Area-Level Physical Activity Following the Implementation of a Fitness Zone in Montevideo, Uruguay. J Phys Act Health. 2017;14:883–87.

Brasil. Ministério do Esporte. Academias ao Ar Livre: Orientações para a Gestão Municipal. CREF6: 2016.

Souza C, Fermino R, Añez C, Reis R. Perfil dos frequentadores e padrão de uso das academias ao ar livre em bairros de baixa e alta renda de Curitiba-PR. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19(1):86.

Silva MC, Iepsen AM, Caputo EL, Engers PB, Spohr CF, Vilela GF, et al. Leisure-time physical activity and associated factors in fitness zones. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2017,19(2):185–95.

Costa B, Freitas C, Silva K. Atividade física e uso de equipamentos entre usuários de duas Academias ao Ar Livre. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21:29–38.

Ibiapina ARL, Moura M do N, Santiago MLE, et al. Caracterização dos usuários e do padrão de uso das academias ao ar livre. Rev Bras Promoç Saúde. 2017,30(4):1-10.

Alberico CO, Hipp JA, Reis RS. Association Between Neighborhood Income, Patterns of Use, and Physical Activity Levels in Fitness Zones of Curitiba, Brazil. J Phys Act Health. 2019;16:447–54.

Pires GP, Figueiredo EL, Barros FT, Alecrim JVC, Pinto LMAM. O que diz o perfil dos frequentadores das academias ao ar livre de Boa Vista-RR sobre a relação lazer, saúde e qualidade de vida. Revista Brasileira de Estudos do Lazer. 2019;6(2):72–95.

Mathias NG, Melo Filho J, Szkudlarek AC, Gallo LH, Ferminio RC, Gomes ARS. Motivos para a prática de atividades físicas em uma academia ao ar livre de Paranaguá‐PR. Rev. bras. ciênc. esporte. 2019;41(2):222–28.

Iepsen A, Silva M. Perfil dos frequentadores das academias ao ar livre da cidade de Pelotas - RS. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(4):413–24.

IBGE. Cidades e Estados. [Internet]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.

Mielke GI, Malta DC, Sá GBAR, Reis RS, Hallal PC. Diferenças regionais e fatores associados à prática de atividade física no lazer no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde-2013. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(suppl 2):158-69.

Sá TH, Pereira RHM, Duran AC, Monteiro CA. Diferenças socioeconômicas e regionais na prática do deslocamento ativo no Brasil. Rev Saúde Pública 2016;50:37.

IBGE. Estado de Minas Gerais. Geografia. [Internet]. Disponível em: https://www.mg.gov.br/conheca-minas/geografia.

IBGE. Uberaba. Minas Gerais. [Internet]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg/uberaba.html.

Prefeitura Municipal de Uberaba. Parque das Acácias. [Internet]. Disponível em: http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/conteudo,45393.

IBGE. Censo 2010. Rendimentos. [Internet]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/uberaba/pesquisa/23/22787?detalhes=true.

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário Internacional de Atividade Física: Estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6(2):5–18.

Hallal PC, Victora CG, Wells JCK, Lima RC. Physical inactivity: prevalence and associated variables in Brazilian adults. Med Sci Sports Exerc. 2003;35(11):1894–900.

Paulo TRS, Castellano, Queiroz Junior CA, Freitas Junior IF. Programa Academia da Terceira Idade no município de Uberaba, MG. Arquivos de Ciências do Esporte. 2013;1(1):54–9.

Xavier FB, Felipe J, Arana ARA.The green urban park: characteristics of use through systematic observation. Urbe Rev. Bras. Gest. Urbana. 2018;10(Supl. 1): 82–95.

Samios AAB, Larranaga AM, Cybis HB. Ambiente construído e bem-estar subjetivo: análise das diferenças entre os usuários dos diferentes modos de transporte. Transportes. 2019;27(3):54–66.

Hino AAF, Rech CR, Gonçalves PB, Reis RS. Acessibilidade a espaços públicos de lazer e atividade física em adultos de Curitiba, Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública. 2019; 35(12):e00020719.

Silva CRM, Bezerra J, Soares FC, Mota J, Barros MVG, Tassitano RM. Percepção de barreiras e facilitadores dos usuários para participação em programas de promoção da atividade física. Cad Saúde Pública 2020;36(4):e00081019.

Publicado
19-08-2019
Seção
Artigos Originais