Educação Física e Atenção Primária à Saúde: o apoio matricial no contexto das redes

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Educação física e treinamento, Saúde da família, Apoio matricial, Redes de Atenção à Saúde

Resumo

O presente artigo problematiza o trabalho da Educação Física na Atenção Primária Saúde (APS) com apoio matricial, na perspectiva das redes (setorial, intersetorial e social de apoio) e suas respectivas práticas desenvolvidas. A metodologia adotada foi qualitativa e as informações foram produzidas a partir de grupos focais e de observação da prática profissional. Os profissionais de Educação Física sinalizaram intervir com apoio matricial em cinco diferentes Redes de Atenção Saúde (RAS) e indicaram desenvolver sete práticas através das quais exercem esse apoio matricial: apoio matricial intersetorial, acolhimento, projeto terapêutico singular, interconsulta, intervisita, apoio a unidades básicas de saúde e apoio a grupos de práticas corporais cuidados por líderes comunitários ou por agentes comunitários de saúde. Conclui-se que a complexidade dos cenários e as práticas de apoio matricial da Educação Física na APS, no contexto das RAS, revelam a limitação de se restringir a intervenção prescrição de protocolos/procedimentos universais a partir de variáveis predeterminadas (de tempo e intensidade, por exemplo) por condição clínica. Aponta-se também para a necessidade de se considerar a estrutura operacional das redes (setorial, intersetorial e social de apoio), bem como as tecnologias/práticas centradas no trabalho interprofissional, pedagógico-formativo e centrado no usuário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Wachs, Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Educação Física e Dança, Goiânia, Goiás, Brasil.

Licenciado em Educação Física (2003) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Especialista em Pedagogias do Corpo e da Saúde (2004) pela mesma instituição, Residência em Saúde com ênfase em Saúde Mental Coletiva (2006) pela Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul, Mestre (2008) e Doutor (2013) em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é docente da Universidade Federal de Goiás e coordenador do GTT Atividade Física e Saúde do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte. Atua principalmente nos seguintes temas: educação física, saúde mental, saude coletiva, currículo de formação inicial, estágio e educação.

Referências

Ministério da Saúde. Portaria n.2436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). In: Diário Oficial da União [online], 2017. [citado em 2019 mar 19]. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19308123/do1-2017-09-22-portaria-n-2-436-de-21-de-setembro-de-2017-19308031

Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Ceccim RB, Bilibio LF. Singularidades da Educação Física na saúde: desafios à educação de seus profissionais e ao matriciamento interprofissional. In: Fraga AB, Wachs F. (eds). Educação Física e Saúde Coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção. Porto Alegre: UFRGS; 2007. p. 47-62.

Santos S, Benedetti TRB. Cenário de implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família e a inserção do profissional de Educação Física. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2012;17(3):188-94.

Scabar TG, Pelicioni AF, Pelicioni MCF. Atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde: uma análise a partir da Política Nacional de Promoção da Saúde e das Diretrizes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família–NASF. J Health Sci Inst. 2012;30(4):411-8.

Santos S, Benedetti T, Sousa T, Fonseca S. Apoio Matricial e a atuação do Profissional de Educação Física do Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2017;22(1):54-65.

Oliveira BN, Wachs F. Educação Física e Atenção Primária à Saúde: apropriações acerca do apoio matricial. Movimento (Porto Alegre). 2018;24(1):173-86.

Oliveira BN, Wachs F. Educação física, atenção primária à saúde e organização do trabalho com apoio matricial. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. 2019, 41(2):183-89.

Silva ALF, Oliveira BN. A trajetória da Educação Física no SUS em Sobral-CE: um resgate histórico. Conexões: Educ. Fís., Esporte e Saúde. 2013;11(2):193-207.

Souza MLT. Apoio matricial em saúde mental: uma proposta de educação permanente em saúde? Sanare (Sobral, Online). 2011;10(2):28-33.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Miranda FAC, Coelho EBS, Moré CLOO. Projeto terapêutico singular. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

Motta BFB, Perucchi J, Filgueiras MST. O acolhimento em Saúde no Brasil: uma revisão sistemática de literatura sobre o tema. Rev. SBPH. 2014;17(1):121-39.

Agreli HF, Peduzzi M, Silva MC. Atenção centrada no paciente na prática interprofissional colaborativa. Interface (Botucatu). 2016;20(59):905-16.

Oliveira JSB, Suto CSS, Silva RS. Tecnologias leves como práticas de enfermagem na atenção básica. Revista Saúde Com. 2016;12(3):613-21.

Pennafort VPS, Queiroz MVO, Nascimento LC, Guedes MVC. Rede e apoio social no cuidado familiar da criança com diabetes. Rev Bras Enferm. 2016;69(5):912-9.

Nascimento LC, Rocha SMM, Hayes VE. Contribuições do genograma e do ecomapa para o estudo de famílias em enfermagem pediátrica. Texto & Contexto Enferm. 2005;14(2):280-6.

Publicado
06-08-2019
Seção
Artigos Originais