Alcance das intervenções em atividade física na saúde pública de Santa Catarina

Palavras-chave: Avaliação de programas, Atividade física, Promoção da saúde, Saúde pública

Resumo

Para verificar o alcance das intervenções em atividade física (IAF) na saúde pública de Santa Catarina (SC), quanto ao porte dos municípios, ao vínculo com as estratégias de promoção de atividade física, aos grupos populacionais atendidos e as características de participação, foram questionados 146 coordenadores de IAF das Secretarias Municipais de Saúde de SC. O alcance foi calculado dividindo o número de participantes nas IAF pela população total e estratificada, e pelos grupos etários (crianças, adolescentes, adultos e idosos). O alcance absoluto das IAF foi de 3,8% e o relativo de 4,9%. Os maiores valores de alcance absoluto e relativo foram da população idosa (8,4% e 8,8%, respectivamente) e os vinculados ao programa Academia da Saúde, em todos os grupos populacionais atendidos (5% e 7%, respectivamente). Das IAF, 56,3% atendem menos de 100 usuários, com maior participação do público adulto e idoso. Destaca-se o agente comunitário de saúde como a estratégia de recrutamento dos participantes para as IAF (95,3%) e “ter indicação ou autorização do médico” como critério para participação (79,2%). Conclui-se que há um baixo alcance da população nas IAF das Secretarias Municipais de Saúde de SC, tornando-se necessário repensar os seus programas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Malta D, Silva M, Albuquerque G, Amorim R, Rodrigues G, Silva T, et al. Política Nacional de Promoção da Saúde, descrição da implementação do eixo atividade física e práticas corporais, 2006 a 2014. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2014;19(3):286-99.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM n.154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Brasília; 2008. Diário Oficial da União, 25 Jan. 2008.

Reis RS, Salvo D, Ogilvie D, Lambert EV, Goenka S, Brownson RC, et al. Scaling up physical activity interventions worldwide: stepping up to larger and smarter approaches to get people moving. Lancet. 2016;388(10051):1337-48.

Glasgow RE, Vogt TM, Boles SM. Evaluating the public health impact of health promotion interventions: the RE-AIM framework. Am J Public Health. 1999;89(9);1322-7.

Almeida FA, Pardo KA, Seidel RW, Davy BM, You W, Wall SS, et al. Design and methods of “diaBEAT-it!”: a hybrid preference/randomized control trial design using the RE-AIM framework. Contemp Clin Trials. 2014;38(2):383–96.

Almeida FA, Brito FA, Estabrooks PA. Modelo RE-AIM: tradução e adaptação cultural para o Brasil. Rev Fam Ciclos Vida Saúde Contexto Soc. 2013;1(1):6-16.

Lee RE, Galavíz KI, Soltero EG, Rosales CJ, Jauregui E, Lévesque L, et al. Aplicando o modelo RE-AIM para a promoção da atividade física em países de baixa e média renda. Rev Latino-Am Enfermagem. 2017;25(e2923):1-9.

Jung ME, Bourne JE, Gainforth HL. Evaluation of a community-based, family focused healthy weights initiative using the RE-AIM framework. Int J Behav Nutr Phys Act. 2018;15(13):1-16.

Glasgow RE, Lichtenstein E, Marcus AC. Why don't we see more translation of health promotion research to practice? Rethinking the efficacy-to-effectiveness transition. Am J Public Health. 2003;93(8):1261-7.

Gaglio B, Shoup JA, Glasgow RE. The RE-AIM framework: a systematic review of use over time. Am J Public Health. 2013;103(6):e38-e46.

Harden SM, Fanning JT, Motl RW, McAuley E, Estabrooks PA. Determining the reach of a home-based physical activity program for older adults within the context of a randomized controlled trial. Health Educ Res. 2014;5(31):1-9.

Loch MR, Rodrigues CG, Teixeira DC. E os homens? E os que moram longe? E os mais jovens?...? Perfil dos usuários de programas de atividade física oferecidos pelas Unidades Básicas de Saúde de Londrina-PR. Rev. Bras Ciênc Esporte. 2013;35(4):947-61.

Brasil. Ministério da Saúde. Histórico de Cobertura da Saúde da Família. 2015. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/historico_cobertura_sf.php.

Sá GBAR, Dornelles GC, Cruz KG, Amorim RCA, Andrade SSCA, Oliveira TP, et al. O Programa Academia da Saúde como estratégia de promoção da saúde e modos de vida saudáveis: cenário nacional de implementação. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(6):1849-59.

Brasil. Ministério da Saúde. Panorama nacional de implementação do Programa Academia da Saúde: monitoramento nacional da gestão do Programa Academia da Saúde ciclo 2016. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

Barlett JE, Kotrlik JW, Higgins CC. Organizational research: Determining appropriate sample size in survey research. Information Technology, Learning, and Performance Journal. 2001;19(1):43-50.

Barros M, Lemos E, Silva J, Silva C, Fosenca S, Tassitano R. Evaluation of programs and interventions for physical activity promotion in primary health care in Pernambuco: construction and validation of instruments and fieldwork methods of the SUS+ativo Project. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2016;21(5):388-99.

Rajendran S. Sustainable Construction Safety and Health Rating System. Dissertation, Oregon State University, 2006.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, 2013. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Centro de Referência em Nomes Geográficos. 2010. Disponível em: http://www.ngb.ibge.gov.br/?pagina=meso.

Acker R, De Bourdeaudhuij I, De Cocker K, Klesges LM, Cardon G. The impact of disseminating the whole-community project'10,000 Steps': a RE-AIM analysis. BMC Public Health. 2011;11(1);1-11.

Sweet SN, Ginis KAM, Estabrooks PA, Latimer-Cheung AE. Operationalizing the RE-AIM framework to evaluate the impact of multi-sector partnerships. Implement Sci. 2014;9(74):1-10.

Sandreschi P, Petreça D, Mazo G. Avaliação de um programa universitário de atividade física para idosos pelo modelo RE-AIM. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(3):270-83.

Nunes EFPA, Santini SML, Carvalho BG, Junior LC. Força de trabalho em saúde na Atenção Básica em Municípios de Pequeno Porte do Paraná. Saúde Debate. 2015;39(104):29-41.

Gomes GADO, Kokubun E, Mieke GI, Ramos LR, Pratt M, Parra DC, et al. Characteristics of physical activity programs in the Brazilian primary health care system. Cad. Saúde Pública. 2014;30(10):2155-68.

Amorim TC, Knuth AG, Cruz DKA, Malta DC, Reis RS, Hallal PC. Descrição dos programas municipais de promoção da atividade física financiados pelo Ministério da Saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(1):63-74.

Ball K, Abbott G, Wilson M, Chisholm M, Sahlqvist S. How to get a nation walking: reach, retention, participant characteristics and program implications of Heart Foundation Walking, a nationwide Australian community-based walking program. Int J Behav Nutr Phys Act. 2017;14(161):1-10.

Schoeppe S, Oliver M, Badland HM, Burke M, Duncan MJ. Recruitment and retention of children in behavioral health risk factor studies: REACH strategies. Int J Behav Med. 2014;21(5):794-803.

Ginis KAM, Latimer-Cheung A, Corkum S, Ginis S, Anathasopoulos P, Arbour-Nicitopoulos K, et al. A case study of a community-university multidisciplinary partnership approach to increasing physical activity participation among people with spinal cord injury. Transl Behav Med. 2012;4(2):516-22.

Konrad LM, Tomicki C, Silva MC, Almeida F, Benedetti T. Avaliação de programas de mudança de comportamento usando a ferramenta RE-AIM: um estudo de revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2017;22(5):439-349.

Publicado
07-08-2019
Seção
Artigos Originais