Facilitadores para a prática de atividade física no lazer em adolescentes

Palavras-chave: Atividade motora, exercício, Adolescente, Grupos focais

Resumo

O objetivo do estudo foi identificar os facilitadores para a prática de atividade física no lazer em adolescentes do ensino médio de São José dos Pinhais (PR). Foi realizada a técnica de grupos focais, da pesquisa qualitativa, seguindo um roteiro semiestruturado, com adolescentes de 14 a 17 anos de idade (50% do sexo feminino, média de idade de 15,5 ±1,5) de escolas públicas e privadas. Ao total foram realizados 12 grupos focais, sendo metade para cada sexo e tendo adolescentes ativos e inativos fisicamente. Para a análise dos dados foi utilizado a análise de conteúdo e a estatística descritiva para contabilizar os relatos. Os resultados foram analisados separadamente por tipo de escola e sexo. Os facilitadores mais relatados foram: apoio social dos amigos (12,2%), apoio social dos pais (11,7%), ter habilidades (11,1%), educação física trabalhar as habilidades motoras e físicas (10,3%) e praticar atividade física no contraturno das aulas (7,6%). Para maximizar os níveis de atividade física no lazer em adolescentes, deve-se levar em consideração os facilitadores encontrados nesse estudo, que dizem respeito ao apoio social e a prática efetivamente, seja ela para o aprendizado de habilidades motoras e físicas, ou para o aprimoramento, tanto nas aulas de educação física escolar quanto nas atividades físicas no contraturno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edina Camargo, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Centro de Estudos em Atividade Física e Saúde (CEAFS). Grupo de Pesquisa em Atividade Física e Qualidade de Vida (GPAQ).

 

Hermes de Paiva, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Grupo de Pesquisa em Atividade Física e Qualidade de Vida (GPAQ), Curitiba, Paraná, Brasil.

Wagner de Campos, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Docente do programa de pós graduação em educação física. Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Curitiba, Paraná, Brasil. Centro de estudos em atividade física e saúde (CEAFS), Curitiba, Paraná, Brasil.

 

Referências

1. Cureau FV, Silva TLN, Bloch KV, Fugimori E, Belfort DR, et al. ERICA: Leisure-time physical inactivity in Brazilian adolescents. Rev Saúde Pública. 2016;50(1):1s–11s.
2. Kong IG, Lee H-J, Kim SY, Sim S, Choi HG, et al. Physical activity, study sitting time, leisure sitting time, and sleep time are di erently associated with obesity in korean adolescents. Medicine. 2015;94(44):e1965-9
3. Katapally TR, Muhajarine N. Capturing the interrelationship between objectively measured physical activity and sedentary behaviour in children in the Context of Diverse Environmental Exposures. Int J Environ Res Public Health. 2015;12(9):10995–11011.
4. Muhajarine N, Katapally TR, Fuller D, Stanley KG, Rainham D. Longitudinal active living research to address physical inactivity and sedentary behaviour in children in transition from preadolescence to adolescence. BMC Public Health. 2015;15(1):495-593.
5. NCD Risk Factor Collaboration. Trends in adult body-mass index in 200 countries from 1975 to 2014: a pooled analysis of 1698 population-based measurement studies with 19·2 million participants. Lancet. 2016;387(10026):1377–96.
6. Farias ES, Gonçalves EM, Morcillo AM, Guerra-Junior G, Amancio OMS. Effects of Programmed Physical Activity on Body composition in post-puberal schoolchildren. J Pediatr. 2015;91(2):122–9.
7. Hallal PC, Azevedo MR, Reichert FF, Siqueira FV, Araújo CLP, Victora CG, et al. Who, when, and how much? Epidemiology of walking in a middle-income country. Am J Prev Med. 2005;28(2):156–61.
8. Hallal PC, Bertoldi AD, Gonçalvez H, Victora CG. Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes de 10-12 anos de idade. Prevalence of sedentary lifestyle and associated factors in adolescents 10 to 12 years of age. Cad Saúde Pública. 2006;22(6):1277–87.
9. Hallal PC, Knuth AG, Cruz DKA, Mendes MI, Malta DC. Prática de atividade física em adolescentes brasileiros physical activity practice among Brazilian adolescents. Cienc e Saúde Coletiva. 2010;15(2):3035-42.
10. Oliveira JS, Barufaldi LA, De Azevedo Abreu G, Leal VS, Brunken GS, Vasconcelos SML, et al. ERICA: Use of screens and consumption of meals and snacks by Brazilian adolescents. Rev Saúde Pública. 2016;50(1):1s–9s.
11. Farias Junior JC, Reis RS, Hallal PC. Physical activity, psychosocial and perceived environmental factors in adolescents from Northeast Brazil. Cad Saúde Pública. 2014;30(5):941–51.
12. Santos MS, Hino AAF, Reis RS, Rodriguez-Añez CR. Prevalência de barreiras para a prática de atividade física em adolescentes. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(1):94–104.
13. Mendonça G, Cheng LA, Mélo EN, Farias Junior JC. Physical activity and social support in adolescents: A systematic review. Health Educ Res. 2014;29(5):822–39.
14. Carlin A, Murphy MH, Gallagher AM. Current influences and approaches to promote future physical activity in 11–13 year olds: a focus group study. BMC Public Health. 2015;15(1270):2601-09.
15. Sallis JF, Cervero RB, Ascher W, Henderson KA, Kraft MK, Kerr J. An Ecological Approach To Creating Active Living Communities. Annu Rev Public Health. 2006;27(1):297–322.
16. Santos MS, Fermino RC, Reis RS, Cassou AC, Rodriguez- Añez CR. Barreiras para a prática de atividade física em adolescentes . Um estudo por grupos focais Barriers related to physical activity practice in adolescents. Rev Bras Cineantropom e Desempenho Hum. 2010;12(3):137–43.
17. Camargo EM de, Fermino RC, Rodriguez-Añez CR, Reis RS. Barriers and facilitators to bicycle use for transport and leisure among adults. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19(2):256-65.
18. Cassou AC, Fermino RC, Rodriguez-Añez CR, Santos MS, Domingues MR, Reis RS. Barriers to physical activity among brazilian elderly women from different socioeconomic status : A Focus-Group Study. J Phys Act Health. 2011;8(1):126–32.
19. Stewart D and PS. Focus Groups: theory and practice.1990.
20. Farias Júnior JC de, Lopes A da S, Mota J, Santos MP, Ribeiro JC, Hallal PC. Validade e reprodutibilidade de um questionário para medida de atividade física em adolescentes: uma adaptação do Self-Administered Physical Activity Checklist. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(1):198–210.
21. Sallis JF, Strilmiller PK, Harsha DW, Feldmam HA, Ehlinger S, Stone EJ, et al. Validation of interviewer-and self- administered physical activity checklists for fifth grade students. J Am Coll Sport Med. 1996;28(7):840–51.
22. ABEP. Associação Brasileira de Empresa de Pesquisa. Critério de classi cação economica do Brasil. 2013. Available from:[2017 jun12].
23. Machado H, Campos W, Silva SG. Relação entre composição corporal e a performance de padrões motores fundamentais em escolares. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2002;7(1):63–70.
24. Souza MS De, Zanella LW, Bandeira RPF, Silva ACRD, Valentini NC. Meninos e meninas apresentam desempenho semelhante em habilidades motoras fundamentais de locomoção e controle de objeto? Cinergis. 2014;15(4):186–90.
25. Prado CV, Lima AV, Fermino RC, Rodrigues-Añez CR, Reis RS. Apoio social e prática de atividade física em adolescentes da rede pública de ensino: qual a importância da família e dos amigos? Cad Saúde Pública. 2014;30(4):827–38.
26. Piola TS, Martins M, Costa TRA, Campos W. Association of physical activity of adolescents, families and peers: A systematica review. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(2):281–9.
27. Paiva HK De, Camargo EM de, Silva AA de P, Reis RS. Association between intention for physical activity practice, social support and physical activity. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2016;18(6):667–77.
28. Fortes M de O, Azevedo MR, Kremer MM, Hallal PC. A educação física escolar na cidade de Pelotas-RS: contexto das aulas e conteúdos. Rev da Educ Fis. 2012;23(1):69–78.
29. Sa TH, Garcia LMT, Claro RM. Frequency, distribution and time trends of types of leisure-time physical activity in Brazil, 2006–2012. Int J Public Health. 2014;59(6):975–82.
Publicado
05-07-2018
Seção
Artigos Originais