Condutância vascular aumentada em indivíduos fisicamente ativos filhos de hipertensos

  • Leonardo Almeida Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
  • Isabelle Freitas Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
  • Livia Souza Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
  • Pedro Mira Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
  • Daniel Martinez Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
  • Mateus Laterza Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
Palavras-chave: Hipertensão, Hereditariedade, Capacitância vascular

Resumo

Objetivou-se testar a hipótese de que a prática regular de exercício físico melhora a função vascular de filhos de hipertensos em repouso. Foram avaliados 13 indivíduos fisicamente ativos filhos de hipertensos (FHA) e 22 indivíduos sedentários filhos de hipertensos (FHS), pareados por idade (22,5±2,9 vs. 23,8±2,7 anos, p=0,18) e IMC (23,8±1,9 vs. 23,0±3,0 kg/m², p=0,45). Foram registrados, simultaneamente, a frequência cardíaca, a pressão arterial, minuto a minuto (método oscilométrico – DIXTAL 2022®) e o fluxo sanguíneo do antebraço (pletismografia de oclusão venosa – Hokanson®), continuamente, durante 3 minutos em repouso. A função vascular foi avaliada por meio da condutância vascular do antebraço, calculada pela divisão do fluxo sanguíneo do antebraço pela pressão arterial média e multiplicada por 100. Foi adotado significância de p≤0,05. Como resultados, em condições basais, os grupos FHA e FHS foram semelhantes para pressão arterial sistólica (124 ± 9 vs. 121 ± 11 mmHg, p=0,42), diastólica (64 ± 5 vs. 64 ± 5 mmHg, p=0,94), média (84 ± 6 vs. 83 ± 7 mmHg, p=0,71) e fluxo sanguíneo do antebraço (3,6 ± 1,1 vs. 2,9 ± 0,9 ml/min/100ml, p=0,06). Mas, o grupo FHA apresentou menor valor de frequência cardíaca de repouso (61 ± 7 vs. 70 ± 8 bpm, p<0,01) e maior condutância vascular do antebraço (4,3 ± 1,3 vs. 3,4 ± 1,0 unidades, p=0,05). Conclui-se que indivíduos fisicamente ativos filhos de hipertensos apresentam melhor função vascular em situação de repouso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Almeida, Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
Mestre em Educação Física pela UFJF.
Isabelle Freitas, Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
Mestre em Educação Física pela UFJF.
Livia Souza, Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
Mestra em Saúde pela UFJF.
Pedro Mira, Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
Mestre em Educação Física pela UFJF.
Daniel Martinez, Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
Departamento Fundamento da Educação Física da UFJF.
Mateus Laterza, Unidade de Investigação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Hospital Universitário e da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora.
Departamento de Fundamento da Educação Física. Área 21.
Publicado
25-01-2017
Como Citar
1.
Almeida L, Freitas I, Souza L, Mira P, Martinez D, Laterza M. Condutância vascular aumentada em indivíduos fisicamente ativos filhos de hipertensos. Rev Bras Ativ Fís Saúde [Internet]. 25º de janeiro de 2017 [citado 11º de julho de 2020];21(6):542-50. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/7445
Seção
Artigos Originais