Efeito do treinamento físico na qualidade de vida em idosos com depressão maior

Autores

  • Bianca Aguiar UFRJ
  • Helena Moraes
  • Heitor Silveira
  • Natacha Oliveira
  • Andrea Deslandes
  • Jerson Laks

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.v.19n2p205

Palavras-chave:

Exercício, Qualidade de vida, Depressão maior, Envelhecimento

Resumo

Diversos estudos têm investigado o efeito do exercício nos sintomas da depressão e qualidade de vida (QV) em idosos depressivos. Entretanto, os poucos estudos realizados com idosos clinicamente diagnosticados apresentaram resultados controversos devido aos diferentes tipos e intensidades do treinamento físico. O objetivo do presente estudo foi comparar diferentes intervenções com exercícios físicos na QV e nos sintomas depressivos em idosos depressivos. Foram selecionados idosos com depressão maior, divididos em grupo exercício (n=31) e controle (n=21). O grupo exercício foi randomizado em Treinamento Aeróbio (TA) (n=9), Treinamento de Força (n=6) e exercícios generalizados de Baixa Intensidade (BI) (n=16). A diferença entre os momentos e grupos foi analisada pelos testes de Wilcoxon e Mann Whitney, respectivamente. Após três meses de intervenção, somente os grupos aeróbio (p=0,01) e força (p=0,02) reduziram significativamente os sintomas depressivos. Além disso, TA apresentou melhora nos aspectos físicos (p=0,02) e tendência à significância para redução da dor (Z=-1,7; p=0,08), enquanto o TF apresentou tendência à significância estatística na melhora da Capacidade física (p=0,08), e melhora nos aspectos físicos (p=0,05), sociais (p=0,05) e saúde mental (p=0,05). Já o GC apresentou piora no aspecto social (p=0,02) e nenhuma alteração foi vista para o grupo BI. O presente estudo mostrou que tanto o TA quanto o TF com intensidade moderada podem contribuir para a redução dos sintomas de depressão e melhora da qualidade de vida, especialmente dos aspectos físicos. E ainda, que tais alterações podem ser dependentes de aspectos fisiológicos causados pelo exercício, e não somente pelo contato social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Aguiar, UFRJ

1-    Universidade Gama Filho, Laboratório de Neurociência do Exercício, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

2-    Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Doenças de Alzheimeir e outras Desordens, Instituto de Psiquiatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Helena Moraes

1-    Universidade Gama Filho, Laboratório de Neurociência do Exercício, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

2-    Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Doenças de Alzheimeir e outras Desordens, Instituto de Psiquiatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Heitor Silveira

1-    Universidade Gama Filho, Laboratório de Neurociência do Exercício, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

2-    Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Doenças de Alzheimeir e outras Desordens, Instituto de Psiquiatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Natacha Oliveira

1-    Universidade Gama Filho, Laboratório de Neurociência do Exercício, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

2-    Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Doenças de Alzheimeir e outras Desordens, Instituto de Psiquiatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Andrea Deslandes

1-    Universidade Gama Filho, Laboratório de Neurociência do Exercício, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Jerson Laks

1-    Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Doenças de Alzheimeir e outras Desordens, Instituto de Psiquiatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

2-      Pesquisador 2 – Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq)

3-     Centro de Estudo e Pesquisa do Envelhecimento (CEPE)

Downloads

Publicado

2014-04-16

Como Citar

1.
Aguiar B, Moraes H, Silveira H, Oliveira N, Deslandes A, Laks J. Efeito do treinamento físico na qualidade de vida em idosos com depressão maior. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 16º de abril de 2014 [citado 3º de março de 2024];19(2):205. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/3237

Edição

Seção

Artigos Originais