A viabilidade da pratica de treinamento físico em pacientes com leucemia aguda: uma revisão sistemática

Autores

  • Alan Moraes UDESC
  • Claudio Battaglini University of North Carolina (UNC)
  • Douglas Smielewski UDESC
  • Ariany Vieira UDESC
  • Magnus Benetti UDESC

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.v.19n3p277

Palavras-chave:

Treinamento físico, Leucemia, Revisão

Resumo

Introdução: O tratamento da leucemia acarreta efeitos adversos aos pacientes e sequelas que se manifestam de forma aguda (durante o tratamento) e também em longo prazo (pós-tratamento). Pesquisas com pacientes oncohematológicos vêm mostrando que o treinamento físico possa ser capaz de minimizar os efeitos adversos do tratamento quimioterápico do câncer. Objetivo: Verificar a viabilidade de um programa estruturado de treinamento físico especificamente em pacientes com leucemia mielóide aguda e leucemia linfoide aguda durante o tratamento inicial da doença. Fonte de dados: Foi efetuada uma revisão de literatura nas bases de dados computadorizadas LILACS, EMBASE, MEDLINE, SPORTDiscus, CINAHL, Cochrane e PEDro.  Como principais critérios de inclusão estudos com mais de 50% dos pacientes com diagnóstico de leucemia aguda, artigos originais em que o treinamento físico fosse a principal intervenção utilizada e com avaliações objetivas dos desfechos. Resultados: Foram selecionados seis artigos, os quais analisavam a viabilidade e eficácia do treinamento físico. Treinamento físico demonstrou melhorar ou manter os níveis de fadiga, além de relatada melhorias na angustia, ansiedade, qualidade de vida e depressão, assim como no desempenho físico nessa população. Conclusão: Os estudos apontam para a viabilidade e segurança do treinamento físico executado por pacientes oncohematológicos, todavia, mais pesquisas são necessárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Moraes, UDESC

Formado em Educação Física, Fisologista do Exercício, Mestrando em Atividade Física e Saúde na Universidade do Estado de Santa Catarina, linha de pesquisa: Exercício e Câncer. Professor do Curso de Medicina e Fisioterapia - UNISUL/PB

Claudio Battaglini, University of North Carolina (UNC)

Formado em Educação Física, PhD pela University of Northern Colorado. Professor associado de Ciências do Desporto e Exercício (Especialização Fisiologia Exercício) na University of North Carolina at Chapel Hill e membro do UNC Lineberger Comprehensive Cancer Center, Prevenção e Controle de Câncer (UNC).

Douglas Smielewski, UDESC

Acadêmico do Curso de Fisioterapia na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis - SC, Brasil. linha de pesquisa: Exercício e Câncer.

Ariany Vieira, UDESC

Acadêmica do Curso de Fisioterapia na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). linha de pesquisa: Exercício e Câncer.

Magnus Benetti, UDESC

Formado em Educação Física, Doutor em Medicina: Cardiologia e Ciências Cardiovasculares pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor de Fisiologia do Exercício e Fisiopatologia nos cursos de Educação Física e Fisioterapia. Reabilitação Cardiopulmonar e Meatabólica do Programa de Pós-Graduação - Mestrado e Doutorado na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis - SC, Brasil.

Downloads

Publicado

2014-05-10

Como Citar

1.
Moraes A, Battaglini C, Smielewski D, Vieira A, Benetti M. A viabilidade da pratica de treinamento físico em pacientes com leucemia aguda: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde [Internet]. 10º de maio de 2014 [citado 25º de junho de 2021];19(3):277. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/2774

Edição

Seção

Artigos de Revisão