Como os espaços públicos abertos podem contribuir para a promoção da atividade física?

Autores

  • Cassiano Ricardo Rech Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9647-3448
  • Joris Pazin Universidade do Estado de Santa Catarina. Departamento de Educação Física. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9850-6194
  • Eduardo Quieroti Rodrigues Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, Departamento de Nutrição, Programa de Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública, São Paulo, São Paulo, Brasil. Universidade de São Paulo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Grupo de Pesquisa em Epidemiologia da Atividade Física, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7828-8652
  • Francisco Timbó de Paiva Neto Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Hospital Israelita Albert Einstein. Diretoria de Atenção Primária e Redes Assistenciais, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5477-3645
  • Margarethe Thaisi Garro Knebel Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, Departamento de Nutrição, Programa de Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública, São Paulo, São Paulo, Brasil. Universidade de São Paulo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Grupo de Pesquisa em Epidemiologia da Atividade Física, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9905-9250
  • Thamires Gabrielly dos Santos Coco Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde. Curitiba, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4514-617X
  • Rogério César Fermino Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Curitiba, Paraná, Brasil. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Curitiba, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9028-4179

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.28e0295

Palavras-chave:

Atividade motora, Recreação, Áreas verdes, Parques recreativos, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Planejamento ambiental

Resumo

Espaços públicos abertos (EPA) são equipamentos que promovem o direito à recreação e à saúde. O objetivo deste ensaio é apresentar reflexões e evidências sobre como esses espaços contribuem para a promoção da atividade física (AF). Compreender como o acesso (proximidade/distância), a quantidade e diversidade, as condições do entorno e internas dos locais (qualidade, estrutura, estética, segurança), podem afetar o uso dos EPA é fundamental para ações da gestão pública. Pensar o uso do EPA para além da prática de AF, reconhecendo seus benefícios sociais, econômicos e culturais pode ser fundamental para diminuir as iniquidades de acesso a esses locais. Ações e demandas relacionadas aos EPA são intersetoriais, multiprofissionais e interdisciplinares, necessitando com isso envolvimento e comprometimento político, acadêmico e comunitário, a fim de promover AF.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cassiano Ricardo Rech, Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Professor do Departamento de Educação Física, Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

United Nations Organization. 68% of the world population projected to live in urban areas by 2050, says UN. Disponível em: https://www.un.org/development/desa/en/news/population/2018-revision-of-world-urbanization-prospects.html [2022 novembro].

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. 2021. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101892.pdf [2022 novembro].

United Nations Organization. The New Urban Agenda. Disponível em: https://www.habitat3.org/the-new-urban-agenda [2022 novembro].

Brasil. Estatuto da Cidade. 3. ed. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2008. Disponível em: www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70317/000070317.pdf [2022 novembro].

Koohsari MJ, Mavoa S, Villianueva K, Sugiyama T, Badland H, Kaczynski AT, et al. Public open space, physical activity, urban design and public health: concepts, methods and research agenda. Health Place. 2015;33:75–82.

Global action plan on physical activity 2018–2030: more active people for a healthier world. Geneva: World Health Organization; 2018. Disponível em https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272722/9789241514187-eng.pdf [2022 novembro].

Global status report on physical activity 2022. Geneva: World Health Organization; 2022. Disponível em: www.who.int/teams/health-promotion/physical-activity/global-status-report-on-physical-activity-2022 [2022 novembro].

Sallis JF, Spoon C, Cavill N, Engelberg JK, Gebel K, Parker M, et al. Co-benefits of designing communities for active living: an exploration of literature. Int J Behav Nutr Phys Act. 2015;12(1):30.

Cerin E, Conway TL, Cain KL, Kerr J, de Bourdeaudhuij I, Owen N, et al. Sharing good NEWS across the world: developing comparable scores across 12 countries for the neighborhood environment walkability scale (NEWS). BMC Public Health. 2013;13:309.

Lopes AAS, Hino AAF, Moura EN, Reis RS. O Sistema de Informação Geográfica em pesquisas sobre ambiente, atividade física e saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;23(e0065):1–11.

Ding D, Ramirez Varela A, Bauman AE, Ekelund U, Lee IM, Heath G, et al. Towards better evidence-informed global action: lessons learnt from the Lancet series and recent developments in physical activity and public health. Br J Sports Med. 2020;54(8):462–8.

Rodrigues EQ, Garcia LMT, Ribeiro EHC, Barrozo LV, Bernal RTI, Andrade DR, et al. Use of an elevated avenue for leisure-time physical activity by adults from downtown São Paulo, Brazil. Int J Environ Res Public Health. 2022;19(9):5581.

Ruas de lazer em Pelotas-RS. Disponível em: https://institucional.ufpel.edu.br/projetos/id/u4033 [2022 novembro].

Simões EJ, Hallal PC, Siqueira FV, Schmaltz C, Menor D, Malta DC, et al. Effectiveness of a scaled up physical activity intervention in Brazil: A natural experiment. Prev Med. 2017;103:S66–72.

Pazin J, Garcia LMT, Florindo AA, Peres MA, Guimarães AC de A, Borgatto AF, et al. Effects of a new walking and cycling route on leisure-time physical activity of Brazilian adults: A longitudinal quasi-experiment. Health Place. 2016;39:18–25.

Publicado

2023-05-09

Como Citar

1.
Rech CR, Pazin J, Rodrigues EQ, Paiva Neto FT de, Knebel MTG, Coco TG dos S, et al. Como os espaços públicos abertos podem contribuir para a promoção da atividade física?. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 9º de maio de 2023 [citado 3º de março de 2024];28:1-6. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/15057

Edição

Seção

Ensaios Teóricos em Atividade Física e Saúde