Modelo Lógico do Programa Tribunal Superior do Trabalho em Movimento: uma construção de 15 anos de experiência

Autores

  • João Luis Anwar El Sadat Paula Leitão Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Grupo de Estudos em Fisiologia e Epidemiologia do Exercício e da Atividade Física, Brasília, Distrito Federal, Brasil. Tribunal Superior do Trabalho, Brasília, Distrito Federal, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3213-5394
  • Luciana Leite Silva Barboza Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Grupo de Estudos em Fisiologia e Epidemiologia do Exercício e da Atividade Física, Brasília, Distrito Federal, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3179-5630
  • Mario Renato Azevedo Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Brasília, Distrito Federal, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9731-6447
  • Luiz Guilherme Grossi Porto Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Grupo de Estudos em Fisiologia e Epidemiologia do Exercício e da Atividade Física, Brasília, Distrito Federal, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6240-1614

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0280

Palavras-chave:

Atividade física, Saúde do trabalhador, Local de trabalho

Resumo

Na perspectiva de promover saúde no local de trabalho, com ênfase na atividade física (AF), em 2004 o Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília, Distrito Federal, criou o Programa TST em Movimento. O objetivo deste estudo foi descrever o modelo lógico (ML) do Programa, a partir de sua construção histórica. O ML foi desenvolvido seguindo as diretrizes do Centers of Disease Control and Prevention, descrevendo objetivo, recursos, atividades, produtos, metas, fatores influenciadores e público-alvo. Sua construção incluiu a análise de documentos do Programa, como o relatório de resultados de 2019. O Programa é composto por profissionais de educação física, fisioterapia e estagiários, oferecendo atividades como educação em saúde, práticas de AF, eventos e monitoramento de indicadores em saúde. O ML apresentado é fruto de 15 anos de experiência e passa a compor os processos avaliativos e o acompanhamento das metas, iluminando a sustentabilidade do Programa em bases sólidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Warburton DER, Bredin SSD. Health benefits of physical activity: a systematic review of current systematic reviews. Curr Opin Cardiol. 2017;32(5):541–56.

World Health Organization. WHO guidelines on physical activity and sedentary behaviour. Genebra: World Health Organization; 2020.

Silva DAS, Tremblay MS, Marinho F, Ribeiro ALP, Cousin E, Nascimento BR, et al. Physical inactivity as a risk factor for all-cause mortality in Brazil (1990-2017). Popul Health Metr. 2020;18(1):1-9.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2019 - Percepção do estado de saúde, estilos de vida, doenças crônicas e saúde bucal - Brasil e Grandes Regiões. / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro : IBGE, 2020. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101764.pdf > [Janeiro 2022].

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças, Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019 : vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico : estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019 [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde,

Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2019_vigilancia_fatores_risco.pdf> [Janeiro 2022].

World Health Organization. Global action plan on physical activity 2018-2030: more active people for a healthier world. Genebra: World Health Organization; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia de Atividade Física para a População Brasileira. Brasília: Ministério da Saúde, 2021. Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_atividade_fisica_populacao_brasileira.pdf > [Janeiro 2022].

Brasil. Tribunal Superior do Trabalho, Presidência. Ato No 102/SERH.GDGCA.GP, de 10 de março de 2004. Brasília: Tribunal Superior do Trabalho; 2004.

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Genebra: World Health Organization; 2010.

Brasil. Tribunal Superior do Trabalho, Presidência. Ato No 617/GDGSET.GP, de 09 de novembro de 2015. Brasília: Tribunal Superior do Trabalho; 2015.

Brasil. Tribunal Superior do Trabalho, Presidência. Ato No 546/SESAUD.GDGSET.GP, de 30 de setembro de 2015. Brasília: Tribunal Superior do Trabalho; 2015.

U.S. Department of Health and Human Services. Physical Activity Evaluation Handbook. Atlanta, GA. EUA. U.S. Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention; 2002.

Silva AT da, Santos LP dos, Rodriguez-Añez CR, Fermino RC. Modelo lógico do “Programa Cidade Ativa, Cidade Saudável” de São José dos Pinhais, Paraná. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2021;26:1–6.

Romeiro C, Nogueira J, Tinoco S, Carvalho K. O modelo lógico como ferramenta de planejamento, implantação e avaliação do programa de Promoção da saúde na estratégia de saúde da família do Distrito Federal. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(1):132–42.

Nahas MV, Barros MVG de, Oliveira ESA de, Simm EE, Matos GAG de. Lazer ativo: um programa de promoção de estilos de vida ativos e saudáveis para o trabalhador da indústria. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(4):260–4.

Downloads

Publicado

2022-12-07

Como Citar

1.
Leitão JLAESP, Barboza LLS, Azevedo MR, Porto LGG. Modelo Lógico do Programa Tribunal Superior do Trabalho em Movimento: uma construção de 15 anos de experiência. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 7º de dezembro de 2022 [citado 28º de janeiro de 2023];27:1-6. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14948

Edição

Seção

Do Diagnóstico à Ação: Experiências em Promoção de Atividade Física e Saúde