Intervenções por exercício físico e funções cognitivas de idosos: revisão sistemática da literatura

Autores

  • Rebeca Marchiori Carazza Vale Universidade Federal de São João del-Rei, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, São João del-Rei, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3035-1720
  • Rubia Mara Esquarante Barbosa Universidade Federal de São João del-Rei, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, São João del-Rei, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6172-6839
  • Andrea Carmen Guimarães Universidade Federal de São João del-Rei, Departamento de Educação Física, São João del-Rei, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7423-733X
  • Sabrina Martins Barroso Universidade Federal do Triangulo Mineiro, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1759-9681
  • Mônia Aparecida da Silva Universidade Federal de São João del-Rei, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, São João del-Rei, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8840-7547

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0275

Palavras-chave:

Exercício físico, Funções cognitivas, Idosos, Revisão sistemática

Resumo

O objetivo dessa revisão sistemática foi analisar e sumarizar as características dos estudos que avaliam o efeito do exercício físico nas funções cognitivas de idosos e apresentar possíveis variáveis relacionadas com a melhora na cognição. As bases de dados consistiram em Scielo, MEDLINE, PsycINFO e Portal Regional da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), entre os anos de 2010 e 2020. Foram incluídas pesquisas empíricas, que tinham intervenção por exercício físico com pessoas de 60 anos ou mais. Treze estudos preencheram os critérios de inclusão, dos quais nove encontraram um efeito de melhora e quatro de manutenção do exercício físico sobre as funções cognitivas. A maioria dos estudos tiveram qualidade metodológica moderada, indicando a necessidade de maior controle de
vieses em pesquisas futuras. Além disso, foi evidenciado um efeito dose resposta, indicando que a alta intensidade e frequência dos exercícios físicos podem estar associadas à melhora, bem como um efeito agudo, em que os ganhos são mais acentuados nos primeiros meses de intervenção, tendendo à estabilização posterior. Essa revisão sugere que o exercício físico pode ser protetivo à cognição de idosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Oliveira TA, Medeiros RC, Melo SWM. Os efeitos do treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) nos processos deletérios do envelhecimento: uma revisão sistemática. Braz. J. Dev. 2020;6(8):55493–503.

Barroso SM. Treinamento cognitivo para idosos com comprometimento cognitivo leve. In: Mansur-Alves M, Silva JBL, organizadores. Intervenção cognitiva: dos conceitos e métodos às práticas baseadas em evidências para diferentes aplicações. Belo Horizonte: T.Ser Editora, 2020, p.537-62.

United Nations: Department of Economic and Social Affairs: Population Division. World population prospects 2019: Data booklet. New York, NY: United Nations; 2019 [citado em 09 fev 2022]. 395p. Available from: https://population.un.org/wpp/Publications/Files/WPP2019_Volume-I_Comprehensive-Tables.pdf.

Baker LD, Frank LL, Foster-Schubert K, Green PS, Wilkinson CW, McTiernan A, et al. Effects of aerobic exercise on mild cognitive impairment: A controlled trial. Arch. Neurol. 2010;67(1):71-9.

Muniz TR, Silva PS, Maciel JC, Ferko GPS. Fatores associados e prevalência de medicamentos prescritos para idosos institucionalizados do extremo norte do Brasil. Rev. Eletrôn. Acervo Saúde. 2021;13(5):e7110.

Organização Mundial da Saúde. Relatório mundial de envelhecimento e saúde. Genebra: OMS; 2015 [citado em 09 fev 2022]. 30p. Disponível em: https://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2015/10/OMS-ENVELHECIMENTO-2015-port.pdf.

Yabuuti PLK, Jesus GM, Buratti A, Bassani GA, Castro H, Pereira JS, et al. O exercício físico na terceira idade como instrumento de promoção da saúde. Rev. Eletrôn. Acervo Saúde. 2019;11(6):e316.

Freitas HH, Acencio FR, Oliveira DV, Bertolini SMMG. Equilíbrio em idosos institucionalizados e não institucionalizados e sua relação com a qualidade de vida. Rev. Ciênc. Méd. Biol. 2020;19(2):331-34.

Ramos FP, Silva SC, Freitas DF, Gangussu LMB, Bicalho AH, Oliveira, BVS, et al. Fatores associados à depressão em idoso. Rev. Eletrôn. Acervo Saúde. 2019;(19):e239.

Melo LAD, Lima KCD. Prevalência e fatores associados a multimorbidades em idosos brasileiros. Ciênc. Saúde Colet. 2020;25:3869-77.

Carneiro GMLCL. O Exercício Físico como Coadjuvante Terapêutico no Processo de Envelhecimento [dissertação]. Porto: Faculdade de Desporto; 2017. 199 p. Acesso em: 2022 fevereiro 09.

Gomes CS, Fonseca SC. A dupla face do processo de envelhecimento: potência e fragilidade. Cad. envelhec. 2019;46-58.

Camargo MC, Lima-Silva TB, Yassuda MS. Treinamento da memória operacional: efeitos na cognição e no bem-estar psicológico de idosos saudáveis. In M. Mansur-Alves & J. B. Lopes-Silva, organizadores. Intervenção cognitiva: dos conceitos e métodos às práticas baseadas em evidências para diferentes aplicações. Belo Horizonte: T.Ser Editora, 2020, p.507-36.

Gatti L. A percepção dos idosos sobre a contribuição da hidroginástica para melhoria na qualidade de vida [trabalho de conclusão de curso]. Espírito Santo: Instituto Federal do Espírito Santo; 2020. 28p. Acesso em: 2022 fevereiro 09.

Carvalho A, Rea IM, Parimon T, Cusack BJ. Physical activity and cognitive function in individuals over 60 years of age: a systematic review. Clin Interv Aging. 2014;9:661–82.

Cassiano ADN, Silva TSD, Nascimento CQD, Wanderley EM, Prado ES, Santos TMDM, et al. Efeitos do exercício físico sobre o risco cardiovascular e qualidade de vida em idosos hipertensos. Ciênc. Saúde Colet. 2020;25:2203-12.

Sales IMD. Efeitos do exercício físico aeróbio em idosos com Doença de Alzheimer [trabalho de conclusão de curso]. Vitória de Santo Antão: Universidade Federal de Pernambuco; 2018. 27p. Acesso em: 2022 fevereiro 09.

Santos GS, Cunha ICKO. Avaliação da qualidade de vida de mulheres idosas na comunidade. Rev. Enferm. Cent.-Oeste Min. 2014;4(2):1135-45.

Leal RC, Veras SMJ, Silva MAS, Gonçalves CFG, Silva CRDT, Sá AKL, et al. Efeitos do envelhecer: grau de dependência de idosos para as atividades da vida diária. Braz. J. Dev. 2020; 6(7):53931-940.

Santos DS, Costa JGR, Oliveira GS, Carregosa JCP. Impacto das atividades motoras sobre o declínio cognitivo em idosos. In: Anais do Congresso de Geriatria e Gerontologia do UNIFACIG [Internet]; 2020 nov, Manhuaçu, MG, UNIFACIG Centro Universitário [citado em 09 fev 2022]. Disponível em: http://www.pensaracademico.facig.edu.br/index.php/congressogeriatria/article/view/2417.

Vidoni ED, Johnson DK, Morris J K, Van Sciver A, Greer CS, Billinger SA, et al. Dose-Response of Aerobic Exercise on Cognition: A Community-Based, Pilot Randomized Controlled Trial. PloS one. 2015;10(7):e0131647.

Abreu MO, Dias IS. Exercício físico, saúde mental e qualidade de vida na ESECS/IPL. Psicol. Saúde Doenças. 2017;18(2):512-26.

Caspersen CJ, Kriska AM, Dearwater SR. Physical activity epidemiology as applied to elderly populations. Baillieres best pract. res., Clin. rheumatol. 1994;8(1):7-27.

Shamseer L, Moher D, Clarke M, Ghersi D, Liberati A, Petticrew M, et al. Preferred reporting items for systematic review and meta-analysis protocols (PRISMA-P) 2015: elaboration and explanation. BMJ. 2015; 349.

Borges LJ, Meurer ST, Borges RA, Gerage AM, Benedetti TRB. Qual a intensidade das aulas de um programa de exercício físico para idosos?. Rev. Bras. Cineantropom. Desempenho Hum. 2015;17(5):527-38.

Ferretti F, Beskow GCT, Slaviero RC, Ribeiro CG. Análise da qualidade de vida em idosos praticantes e não praticantes de exercício físico regular. Estud. interdiscip. envelhec. 2015;20(3):729-43.

Samorinha CFS. Efeito de um programa de exercício físico em idosos institucionalizados [dissertação]. Bragança, Instituto Politécnico de Bragança; 2019. 108p. Acesso em: 2022 fevereiro 09.

Schuster C. A note on the interpretation of weighted kappa and its relations to other rater agreement statistics for metric scales. Educ. psychol. measur. 2004;64:243-53.

McKinney, A. EndNote Web: Web-Based Bibliographic Management. J. Electron. Resour. Med. Libr. 2013;10(4):185-92.

Von Elm E, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gøtzsche PC, Vandenbroucke JP, et al. The Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE) Statement: guidelines for reporting observational studies. Int. J. Surg. 2014;12(12):1495-99.

Cicchetti DV. Guidelines, criteria, and rules of thumb for evaluating normed and standardized assessment instruments in psychology. Psychol. assess. 1994; 6(4): 284-90.

Medeiros PA, Streit IA, Fortunato AR, Hauser E, Freddi JC, Mazo GZ. Avaliação da qualidade de vida de idosos institucionalizados: revisão sistemática de estudos quantitativos. Pensar Prát. 2017;20(1):150-71.

Albinet CT, Abou-Dest A, André N, Audiffren M. Executive functions improvement following a 5-month aquaerobics program in older adults: Role of cardiac vagal control in inhibition performance. Biol. psychol. 2016;115:69-77.

Albinet CT, Boucard G, Bouquet CA, Audiffren M. Increased heart rate variability and executive performance after aerobic training in the elderly. Eur. J. Appl. Physiol. 2010;109(4):617-24.

Alghadir AH, Gabr SA, Al-Eisa ES. Effects of moderate aerobic exercise on cognitive abilities and redox state biomarkers in older adults. Oxidative med. cell. longev. 2016;5:1-8.

Antunes HK, Mello MT, Santos-Galduróz RF, Galduróz JCF, Lemos VA, Tufik S, et al. Effects of a physical fitness program on memory and blood viscosity in sedentary elderly men. Braz. J. Med. Biol. Res. 2015;48:805-12.

Cho SY, Roh HT. Taekwondo enhances cognitive function as a result of increased neurotrophic growth factors in elderly women. Int. J. Environ. Res. Public Health. 2019;16(6):962.

Nouchi R, Taki Y, Takeuchi H, Sekiguchi A, Hashizume H, Nozawa T,et al. Four weeks of combination exercise training improved executive functions, episodic memory, and processing speed in healthy elderly people: evidence from a randomized controlled trial. Age. 2014;36(2):787-99.

Moreira NB, Gonçalves G, Silva T, Zanardini FEH, Bento PCB. Multisensory exercise programme improves cognition and functionality in institutionalized older adults: a randomized control trial. Physiother. Res. Int. 2018;23(2):e1708.

Pereira T, Cipriano I, Costa T, Saraiva M, Martins A, AGA@ 4life Consortium. Exercise, ageing and cognitive function-Effects of a personalized physical exercise program in the cognitive function of older adults. Physiol. behav. 2019;202:8-13.

Gothe NP, Fanning J, Awick E, Chung D, Wójcicki TR, Olson EA, et al. Executive function processes predict mobility outcomes in older adults. J. Am. Geriatr. Soc. 2014;62(2):285-90.

Lam LC, Chau RC, Wong BM, Fung AW, Tam CW, Leung GT, et al. A 1-year randomized controlled trial comparing mind body exercise (Tai Chi) with stretching and toning exercise on cognitive function in older Chinese adults at risk of cognitive decline. J. Am. Med. Dir. Assoc. 2012;13(6):568-e15.

Muscari A, Giannoni C, Pierpaoli L, Berzigotti A, Maietta P, Foschi E, et al. Chronic endurance exercise training prevents aging‐related cognitive decline in healthy older adults: a randomized controlled trial. Int. J. Geriatr. Psychiatry. 2010;25(10):1055-64.

Piedra LM, Andrade FC, Hernandez R, Boughton SW, Trejo L, Sarkisian CA. The influence of exercise on cognitive function in older Hispanic/Latino adults: results from the “¡ Caminemos!” study. Gerontologist. 2017;57(6):1072-83.

Nasreddine ZS, Phillips NA, Bédirian V, Charbonneau S, Whitehead V, Collin I, et al. The Montreal Cognitive Assessment, MoCA: a brief screening tool for mild cognitive impairment. J. Am. Geriatr. Soc. 2005;53(4):695-99.

Fong SS, Ng GY. Does Taekwondo training improve physical fitness? Phys.Ther. Sport. 2011;12(2):100-6.

Chao CHN, Costa EC, Elsangedy HM, Savir PAH, Alves EA, Okano AH. Efeito da prática do Tai Chi Chuan sobre a resistência aeróbia de idosas sedentárias. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2012;15:627-33.

Beam CR, Kaneshiro C, Jang JY, Reynolds CA, Pedersen NL, Gatz M. Differences between women and men in incidence rates of dementia and Alzheimer’s disease. J. Alzheimers Dis. 2018;64(4):1077-83.

Creswell JW. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed; 2007. 296 p.

Corrêa Junior ALM, Assis JCSD. Os efeitos do exercício físico sobre a criatividade em adultos saudáveis: uma revisão sistemática [trabalho de conclusão de curso]. Belém: Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal do Pará; 2020. 16 p. Acesso em: 2022 fevereiro 09.

Merege CAA, Alves CRR, Sepúlveda CA, Costa ADS, Lancha AH, Gualano B. Influência do exercício físico na cognição: uma atualização sobre mecanismos fisiológicos. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. 2014;20:237-41.

Oliveira DVD, Oliveira VBD, Caruzo GA, Ferreira ÁG, Júnior JRADN, Cunha PMD, et al. O nível de atividade física como um fator interveniente no estado cognitivo de idosos da atenção básica à saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2019;24:4163-70.

Santana I, Duro D, Lemos R, Costa V, Pereira M, Simões MR, Freitas S. Mini-mental state examination: avaliação dos novos dados normativos no rastreio e diagnóstico do défice cognitivo. Acta Med. Port. 2016;29(4).

Linhares KAL, Maranguape IC, Moreira ACA, Sousa VLP, Oliveira FES, dos Santos SBC. Condições de higiene dos idosos acompanhados pelo Programa Melhor em Casa. Enferm. foco. 2020;11(5):110-16.

Dias EN, Pais-Ribeiro JL. Qualidade de vida: comparação entre idosos de uma comunidade brasileira e idosos institucionalizados. Ver. Kairós-Gerontol. 2018;21(1):37-54.

Lima FCPS. Exercício físico, níveis de BDNF e desempenho cognitivo em idosos-revisão de literatura [monografia especialização]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2019. 27p. Acesso em 2022 fevereiro 09.

Macedo TL, Laux RC, Londero AA, Corazza ST. Análise dos aspectos cognitivos de idosos considerando a prática de exercícios físicos regulares e fatores associados. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2019;22(2):e180120.

Chnaider J, Cássia Nakano T. Avaliação psicológica e envelhecimento humano: revisão de pesquisas. Interaçao psicol. 2021;25(3):371-83.

Martins NIM, Caldas PR, Cabral ED, Lins CCDSA, Coriolano MDGWDS. Instrumentos de avaliação cognitiva utilizados nos últimos cinco anos em idosos brasileiros. Ciênc. Saúde Colet. 2019;24(7):2513-30.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

1.
Vale RMC, Barbosa RME, Guimarães AC, Barroso SM, Silva MA da. Intervenções por exercício físico e funções cognitivas de idosos: revisão sistemática da literatura. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 30º de setembro de 2022 [citado 3º de dezembro de 2022];27:1-12. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14864

Edição

Seção

Artigos de Revisão