Fatores associados à aderência em programa comunitário de atividade física em uma capital brasileira

Autores

  • Glauber Rocha Monteiro Centro Universitário Uninassau, Curso de Educação Física Bacharelado, Aracaju, Sergipe, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9195-5395
  • Cristiane Kelly Aquino dos Santos Universidade Tiradentes, Programa de Pós- Graduação em Saúde e Ambiente, Curso de Educação Física, Arapiraca, Alagoas, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0260-7194
  • Gilene de Jesus Pereira Universidade Estadual de Feira de Santana, Laboratório de Educação Física, Feira de Santana, Bahia, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5602-0727
  • Roberto Jerônimo dos Santos Silva Universidade Federal de Sergipe, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, São Cristóvão, Sergipe, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4578-7666

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0265

Palavras-chave:

Programa comunitário de atividade física, Análise de sobrevida, Estudo de coorte

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar os fatores associados à aderência em um Programa Comunitário de Atividade Física de uma capital do nordeste brasileiro. Trata-se de uma coorte retrospectiva, de base populacional. Foram analisados 2.616 registros de participantes, relacionando tempo de adesão à dezesseis covariáveis referente a dados sociodemográficos, estilo de vida, percepção de saúde e doenças referidas por diagnóstico clínico, entre 2004 e 2009. Foi utilizado estimador de sobrevida não-paramétrico Kaplan-Meier para caracterizar o grupo e estimar a aderência e o teste de logrank para comparar as categorias de cada covariável, utilizando p ≤ 0,20. Foram inseridas no modelo final de Cox àquelas que apresentaram valor de p ≤ 0,05, determinando a Razão de Chance (OR) da aderência com um intervalo de confiança de 95%. As análises foram realizadas no SPSS for Windows® versão 22. Foi observado 97,4% casos de desistência e 2,6% de censura. Mantiveram chances de aderência “grupamento etário de 35-59 anos de idade” (OR = 1,839; IC95%: 1,625 – 2,083), “60 anos de idade ou mais” (OR = 1,197; IC95%: 1,080 – 1,325) e “estresse” (OR = 1,087; IC95%: 1,004 – 1,178). Apresentaram menores chances de aderência indivíduos que relataram lombalgia (OR = 0,887; IC95%: 0,810 – 0,972) e aqueles com renda entre um e três salários mínimos mensais (OR = 0,751; IC95%: 0,596 - 0,961). Assim, verifica-se baixa aderência nos primeiros meses de participação, em que adultos, idosos e participantes com estresse apresentam maiores chances de aderência, ao contrário dos lombálgicos e indivíduos menos abastados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Simões EJ, Hallal P, Pratt M, Ramos L, Munk M, Damascena W, et al. Effects of a community-based, professionally supervised intervention on physical activity levels among residents of Recife, Brazil. Am J Public Health. 2009;99(1):68-75. DOI: https://doi.org/10.2105/AJPH.2008.141978

Mendonça BC, Oliveira AC, Toscano JJO, Knuth AG, Borges TT, Malta DC, et al. Exposure to a community-wide physical activity promotion program and leisure-time physical activity in Aracaju, Brazil. J Phys Act Health. 2010;7(Suppl 2):S223-8. DOI: https://doi.org/10.1123/jpah.7.s2.s223

Silva AG, Prates EJS, Malta DC. Avaliação de programas comunitários de atividade física no Brasil: uma revisão de escopo. Cad. Saúde Pública 2021; 37(5):e00277820. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00277820

Sá GBAR, Dornelles GC, Cruz KG, Amorim RCA, Andrade SSCA, Oliveira TP, et al. O Programa Academia da Saúde como estratégia de promoção da saúde e modos de vida saudáveis: cenário nacional de implementação. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(6):1849-60. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.09562016

Crochemore-Silva I, Knuth AG, Mielke GI, Loch MR. Promoção de atividade física e as políticas públicas no combate às desigualdades: reflexões a partir da Lei dos Cuidados Inversos e Hipótese da Equidade Inversa. Cad Saúde Pública 2020; 36:e00155119 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00155119

Ferreira RW, Caputo EL, Häfele CA, Jerônimo JS, Florindo AA, Knuth AG, et al. Acesso aos programas públicos de atividade física no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Cad. Saúde Pública. 2019;35(2):e00008618 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00008618

Malta C, Mielke GI, Costa NCP. Pesquisas de avaliação do Programa Academia da Saúde. Deborah. 1. ed. Florianópolis-SC. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2020. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.25e0147

Pedrosa JIS. Perspectivas na avaliação em promoção da saúde: uma abordagem institucional. Ciênc Saúde Colet 2004; 9:617-26. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232004000300014

Dishman RK. Advances in exercise adherence. Champaign: HumanKinetics; 1994.

Bauman AE, Reis RS, Sallis JF, Wells JC, Loos RJ, Martin BW. Correlates of physical activity: why are some people physically active and others not? Lancet. 2012;380(9838):258-71. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(12)60735-1

Adams J, Stamp E, Nettle D, Milne EMG, Jagger C. Anticipated survival and health behaviours in older English adults: cross sectional and longitudinal analysis of the English longitudinal study of ageing. PLoS ONE. 2015;10(3):e0118782. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0118782

Cassou AC, Fermino R, Añes CRR, Santos MS, Domingues MR, Reis RS. Barriers to physical activity among Brazilian elderly women from different socioeconomic status: a focus-group study. J Phys Activity Health. 2011;8(1):126-32. DOI: https://doi.org/10.1123/jpah.8.1.126

Weinberg RS, Gould D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

Sitthipornvorakul E, Janwantanakul P, Purepong N, Pensri P, Van der Beek AJ. The association between physical activity and neck and low back pain: a systematic review. Eur Spine J. 2011;20(5):677-89. DOI: https://doi.org/10.1007/s00586-010-1630-4

Koyanagi A, Stichley A, Garin N, Miret M, Mateos JLA, Leonardi M, et al. The association between obesity and back pain in nine countries: a cross-sectional study. BMC. Public Health. 2015;15:123. DOI: https://doi.org/10.1186/s12889-015-1362-9

Kleinbaum DG. Survival Analysis: A Self-Learning Text. New York: Springer, 1995. DOI: https://doi.org/10.2307/2532873

Oliveira MAP, Parente RCM. Estudos de coorte e de caso-controle na era da medicina baseada em evidência. Braz J Video Endosc Surg. 2010;3(3):115-25.

Mendonça BCA, Toscano JJO, Oliveira ACC. Programa Academia da Cidade Aracajú: promovendo saúde por meio da atividade física. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2009;14(3):211-216.

Haskell WL, Lee IM, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Circulation. 2007;116(9):1081-93. DOI: https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.107.185649

Costa BV, Bottcher LB, Kokubun E. Aderência a um programa de atividade física. Rio Claro. Motriz 2009,15(1):25-36.

Santos CKA, Monteiro GR, Couto JO, Silva RJS. Length of elderly in a Community Program Physical Activity. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2017,19(2):139-149. DOI: https://doi.org/10.5007/1980-0037.2017v19n2p139

Peixoto SV, Mambrini JVM, Firmo JOA, Loyola Filho AI, Souza-Junior PRB, Andrade FB, et al. Prática de atividade física entre adultos mais velhos: resultados do ELSI-Brasil. Rev Saúde Pública. 2018;52 (Suppl 2):5s. DOI: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2018052000605

Gomes GAO, Kokubun E, Mieke GI, Ramos LR, Pratt M, Parra DC, et al. Characteristics of physical activity programs in the Brazilian primary health care system. Cad Saúde Pública. 2014;30:2155-68. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00085713

Häfele V, Siqueira F. Aconselhamento para atividade física e mudança de comportamento em Unidades Básicas de Saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;21:581-92. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.21n6p581-592

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. The Lancet. 2012;380(9838):247-57. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(12)60646-1

Asztalos M, Wijndaele K, Borddeaudhuij, Philippaerts R, Matton L, Duvigneaud N, Thomes M, et al. Sport participation and stress among women and men. Psychologyof Sport and Exercise, Philadelphia. 2012,13:466-83. DOI: https://doi.org/10.1016/j.psychsport.2012.01.003

Barros MB, Iaochite RT. Auto eficácia para a prática de atividade física por indivíduos adultos. Motricidade. 2012;8(2):32-41. DOI: https://doi.org/10.6063/motricidade.8(2).710

Nevesa M, Serranheira F. A formação de profissionais de saúde para a prevenção de lesões musculoesqueléticas ligadas ao trabalho a nível da coluna lombar: uma revisão sistemática. Rev Port Saúde Pública. 2014;32(1):89–105. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rpsp.2014.01.001

Socoloski TS, Cassiano RR, Junior JAC, Lopes RM, Hino AAF, Guerra PH. Barreiras para a prática de atividade física em idosos: revisão de escopo de estudos brasileiros. Bras Ativ Fís Saúde. 2021;26:e0208. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0208

Rodrigues PAF, Melo MP, Assis MR, Palma A. Condições socioeconômicas e prática de atividades físicas em adultos e idosos: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2017;22(3):217-232. DOI: https://doi.org/10.12820/rbafs.v.22n3p217-232

Downloads

Publicado

2022-07-22

Como Citar

1.
Monteiro GR, Santos CKA dos, Pereira G de J, Silva RJ dos S. Fatores associados à aderência em programa comunitário de atividade física em uma capital brasileira. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 22º de julho de 2022 [citado 2º de dezembro de 2022];27:1-9. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14796

Edição

Seção

Artigos Originais