Distúrbios do sono e exercício físico regular na atenção primária à saúde: estudo observacional

Autores

  • Karina Nunes Assunção Universidade do Estado de Minas Gerais, Curso de Fisioterapia, Divinópolis, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5216-0784
  • Luísa Teixeira Pasqualotto Universidade Federal de Alfenas, Programa de Pós-graduação em Ciências da Reabilitação, Alfenas, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4118-5107
  • Helton Oliveira Campos Universidade do Estado de Minas Gerais, Departamento de Ciências Biológicas, Carangola, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5720-8054
  • Newton Santos Faria Júnior Universidade do Estado de Minas Gerais Unidade Divinópolis http://orcid.org/0000-0002-6817-2576

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0267

Palavras-chave:

Sono, Exercício, Qualidade de vida

Resumo

O exercício físico é considerado atualmente como alternativa não farmacológica para melhora da qualidadedo sono, porém pela falta de conhecimento de alguns profissionais o mesmo não é muito utilizado para essa finalidade. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi comparar a qualidade do sono, a presença de distúrbios do sono e insônia, e a qualidade de vida em pacientes praticantes de exercício físico regular (PEFR) e não praticantes de exercício físico regular (NPEFR), assistidos em UBS´s do município de Divinópolis, Minas Gerais. O estudo foi do tipo observacional transversal, realizado com 49 pacientes recrutados a partir de Unidades Básicas de Saúde (UBS´s) do município de Divinópolis, Minas Gerais. Foram divididos em dois grupos, os PEFR e NPEFR, e em seguida avaliados quanto a qualidade e presença de distúrbios do sono, percepção da insônia, e qualidade de vida, abordados de acordo com os respectivos questionários: Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (IQSP), Índice de Gravidade de Insônia e Questionário de Qualidade de Vida SF-36. Quando comparado os grupos, houve diferença estatisticamente significativa quanto aos itens boa qualidade do sono, presença de insônia severa, qualidade de vida sob os domínios estado geral de saúde, aspectos sociais e saúde mental. Desta forma, sugere-se que os pacientes que praticam exercício físico regular assistidos em UBS’s apresentam maior prevalência de boa qualidade do sono, menor índice de insônia severa e melhor qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Newton Santos Faria Júnior, Universidade do Estado de Minas Gerais Unidade Divinópolis

Curso de Fisioterapia UEMG Divinópolis

Referências

Dement WC. A personal history of sleep disorders medicine. J Clin Neurophysiol. 1990;7(1):17-47.

Benjafield AV, Ayas NT, Eastwood PR, Heinzer R, Ip MSM, Morrell MJ, et al. Estimation of the global prevalence and burden of obstructive sleep apnea: a literature-based analysis. Lancet Respir Med. 2019;7(8):687-98.

Farrell PC, Richards G. Recognition and treatment of sleep-disordered breathing: an important component of chronic disease management. J Transl Med. 2017;15(1):114.

Zanuto EA, de Lima MC, de Araújo RG, da Silva EP, Anzolin CC, Araujo MY, et al. Sleep disturbances in adults in a city of Sao Paulo state. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(1):42-53.

Sateia MJ. International classification of sleep disorders-third edition: highlights and modifications. Chest. 2014;146 (5):1387-94.

Tseng TH, Chen HC, Wang LY, Chien MY. Effects of exercise training on sleep quality and heart rate variability in middle-aged and older adults with poor sleep quality: a randomized controlled trial. J Clin Sleep Med. 2020;16(9):1483–92.

Song D, Yu DSF. Effects of a moderate-intensity aerobic exercise programme on the cognitive function and quality of life of community-dwelling elderly people with mild cognitive impairment: A randomised controlled trial. Int J Nurs Stud. 2019; 93:97-105.

Pereira GP, Rodrigues LVA, Mourão DM, Carneiro ALG, Lima CAG, Oliveira CS, et al. Insônia: o benefício do exercício físico em adolescentes com excesso de peso. J of Health Biol Sci. 2018;6(4):377-82.

Rocha VCLG, Kosour C, Pereira MJ, Sostena JRN, Silva SLA. Efeitos de exercícios físicos praticados em Unidades Básicas de Saúde. ConScientiae Saúde. 2017;16(3): 342-50.

Gualano B, Tinucci T. Sedentarismo, exercício físico e doenças crônicas. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte. 2011;25(1): 37-43.

Von Elm E, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gøtzsche PC, Vandenbroucke JP, et al. Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE) statement: guidelines for reporting observational studies. BMJ. 2007;335(7624):806.

Keys A, Fidanza F, Karvonen MJ, Kimura N, Taylor HL. Indices of relative weight and obesity. Int J Epidemiol. 2014;43(3):655-65.

Zen V, Fuchs FD, Wainstein MV, Gonçalves SC, Biavatti K, Riedner CE, et al. Neck circumference and central obesity are independent predictors of coronary artery disease in patients. Am J Cardiovasc Dis. 2012;2(4):323-30.

Pinto JA, Ballester LMG, Wanderley VPBM, Branco TS, de Farias CAL, Spadari MA. Medidas antropométricas preditoras da gravidade da apneia obstrutiva do sono. Braz J Otorhinolaryngol. 2011;77(4):516-21.

ABESO-Associação brasileira para o estudo da obesidade e da síndrome metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade. 4ª ed. São Paulo: ABESO; 2016.

Xavier HT, Izar MC, Faria Neto JR, Assad MH, Rocha VZ, Sposito AC, et al. IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol. 2013;101(4):1-22.

Bertolazi AN, Fagondes SC, Holf LS, Dartora EG, Miozzo IC, de Barba ME, et al. Validation of the Brazilian portuguese language of the Pittsburgh Sleep Quality Index. Sleep Med. 2011;12(1):70-5.

Castro, Laura de Siqueira. Adaptação e validação do Índice de Gravidade de Insânia (IGI): Caracterização Populacional, Valores Normativos e Aspectos Associados [dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2011.

Bastien CH, Vallieres A, Morin CM. Validation of the insomnia severity index as an outcome measure for insomnia research. Sleep Med. 2001;2:297–307.

Ware JEJr, Sherbourne CD. The MOS 36-item short-form health survey (SF-36). I. Conceptual framework and item selection. Med Care. 1992;30(6):473-83.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Brazilian-Portuguese version of the SF-36. A reliable and valid quality of life outcome measure. Rev Bras Reumatol. 1999;39(3):143-50.

Zhang W, Liu Y, Yu J, Li D, Jia Y, Zhang Q et al. Exercise improves sleep quality in older adults: a protocol for a systematic review and meta-analysis. BMJ Open. 2022;12(1):e047555.

Guimarães LHDCT, Lima MD, de Souza JA. Atividade física em grupo melhora o sono de idosas sedentárias. Revista Neurociências. 2007:15(3), 203-06.

Freire ALL, Alves LF, Torres MV, Xavier CL, Gomes JA, Lopes KS, et al. Análise comparativa da qualidade do sono em idosas praticantes e não praticantes de atividade física na zona sul de Teresina - Piauí. Rev Gest Saúde. Saúde do Idoso, 2014;18(1):3101-14.

Kelley GA, Kelley KS. Exercise and sleep: a systematic review of previous meta-analyses. J Evid Based Med. 2017;10(1):26-36.

Reid KJ, Baron KG, Lu B, Naylor E, Wolfe L, Zee PC. Aerobic exercise improves self-reported sleep and quality of life in older adults with insomnia. Sleep Med. 2010;11(9):934-40.

Xie Y, Liu S, Chen XJ, Yu HH, Yang Y, Wang W. Effects of Exercise on Sleep Quality and Insomnia in Adults: A Systematic Review and Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. Front Psychiatry, 2021;7(12):664499.

Baker FC, Willoughby AR, Sassoon SA, Colrain IM, de Zambotti M. Insomnia in women approaching menopause: beyond perception. Psychoneuroendocrinology. 2015;60:96-104.

Cassiano ADN, Silva TSD, Nascimento CQD, Wanderley EM, Prado ES, Santos TMM, et al. Effects of physical exercise on cardiovascular risk and quality of life in hypertensive elderly people. Cien Saude Colet, 2020;25(6):2203-12.

Kelley GA, Kelley KS. Exercise and sleep: a systematic review of previous meta-analyses. J Evid Based Med. 2017;10(1):26-36.

Downloads

Publicado

2022-07-28

Como Citar

1.
Assunção KN, Pasqualotto LT, Campos HO, Faria Júnior NS. Distúrbios do sono e exercício físico regular na atenção primária à saúde: estudo observacional. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 28º de julho de 2022 [citado 14º de agosto de 2022];27:1-6. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14792

Edição

Seção

Artigos Originais