Efeito do volume de participação em programas de exercícios nos parâmetros bioquímicos de mulheres

Autores

  • Karina Brunheroti Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Programa de Pós Graduação em Educação Física, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Grupo de Estudos e Pesquisas em Atividade Física, Exercício e Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8333-3470
  • Alynne Christian Ribeiro Andaki Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Departamento de Ciências do Esporte, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6486-2326
  • Eduardo Kokubun Universidade Estadual Paulista, Departamento de Educação Física, Rio Claro, São Paulo, Brasil.
  • Camila Bosquiero Papini Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Departamento de Ciências do Esporte, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Grupo de Estudos e Pesquisas em Atividade Física, Exercício e Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0239

Palavras-chave:

Atividade física, Atenção básica à saúde, Fatores de risco, Participação da comunidade

Resumo

O objetivo do presente estudo foi avaliar o efeito do volume de participação em programas de exercícios, ofertados na Atenção Primária à Saúde (APS), durante 24 semanas, nos parâmetros bioquímicos sanguíneos de mulheres adultas. Foram selecionadas 03 Unidades Básicas de Saúde de Rio Claro-São Paulo e implementadas 2 intervenções de exercícios com diferentes volumes (3 sessões/semana, 90 minutos cada; 2 sessões/semana, 60 minutos cada). No total, 53 participantes se mantiveram até o final das intervenções, independentemente do número de faltas foram divididos em 4 grupos, de acordo com o volume de participação (calculado conforme a duração das sessões e a quantidade de aulas realizadas de forma individual), formando os grupos segundo os quartis: Grupo Baixo Volume (GBV; 57,62 ± 9,97 anos), Grupo Baixo Médio Volume (GBMV; 56,31 ± 12,18 anos), Grupo Médio Alto Volume (GMAV; 53,00 ± 10,25 anos) e Grupo Alto Volume (GAV; 59,69 ± 7,66 anos). Os parâmetros bioquímicos sanguíneos foram dosados pelo método ELISA. Foi utilizado o Modelo de Equações de Estimações Generalizadas para a comparação dos parâmetros bioquímicos (tempo, grupo e interação; p ≤ 0,05). A análise evidenciou efeito significativo favorável do tempo para lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e glicemia em todos os grupos e para colesterol total (CT) no GVB, GBMV e GMAV; e efeito significativo do grupo para GAV no CT (maiores níveis comparado a todos os grupos) e LDL (maiores níveis comparados ao GBV e GBMV). Conclui-se que o programa de exercício físico ofertado na APS contribuiu para a redução significativa dos níveis de LDL e glicemia, independentemente do volume de participação dos indivíduos nos programas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karina Brunheroti, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Programa de Pós Graduação em Educação Física, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Grupo de Estudos e Pesquisas em Atividade Física, Exercício e Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

Graduada em Educação Física pela UEMG e atualmente cursa mestrado (último semestre) em Educação Física na UFTM. Além disso, é sócia da SBAFS e compõe a Equipe de Mídias da mesma.

Referências

Malta DC, Silva AG, Cardoso LSM, Andrade FMD, Sá ACMGN, Prates EJ, et al. Doenças Crônicas Não Transmissíveis na Revista Ciência & Saúde Coletiva: um estudo bibliométrico. Ciênc. saúde coletiva. 2020;25(12):4757-69.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde. 2013. Available in: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes%20_cuidado_pessoas%20_doencas_cronicas.pdf>. [2021 May].

Melo SPSC, Cesse EAP, Lira PIC, Rissin A, Cruz RSBLC, Filho MB. Doenças crônicas não transmissíveis e fatores associados em adultos numa área urbana de pobreza do nordeste brasileiro. Ciênc. saúde coletiva. 2019;24(8):3159-68.

Organização Pan-Americana de Saúde / OPAS. Doenças cardiovasculares. OPAS, 2017. Available in: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&i

d=5253:doencas-cardiovasculares&Itemid=1096>. [2021 December].

Nystoriak MA, Bhatnagar A. Cardiovascular effects and benefits of exercise. Front. Cardiovasc. Med. 2018;135(8):01-11.

Neto FR, Lopes GH. Body composition modifications in people with chronic spinal cord injury after supervised physical activity. J. Spinal Cord Med. 2011;34(6):586-93.

Meurer ST, Lopes ACS, Almeida FA, Mendonça RD, Benedetti TRB. Effectiveness of the VAMOS Strategy for Increasing Physical Activity and Healthy Dietary Habits: A Randomized Controlled Community Trial. Health Educ. Behav. 2019;46(3):406-16.

Vianna MVA, Cáder SA, Gomes ALM, Guimarães AC, Seixas-da-Silva IA, Rêgo ARON, et al. Aerobic conditioning, blood pressure (BP) and body mass index (BMI) of older participants of the Brazilian Family Health Program (FHP) after 16 weeks of guided physical activity. Arch. Gerontol. Geriatr. 2012;54:210-13.

Ogalha C, Luz E, Sampaio E, Souza R, Zarife A, Neto MG, et al. A randomized, clinical trial to evaluate the impact of regular physical activity on the quality of life, body morphology and metabolic parameters of patients with AIDS in Salvador, Brazil. J Acquir. Immune Defic. Syndr. 2011;57(3):179-185.

Lima AM, Werneck AO, Cyrino E, Farinatti P. Supervised training in primary care units but not self-directed physical activity lowered cardiovascular risk in Brazilian low-income patients: a controlled trial. BMC Public Health. 2019;19:1738.

Papini CB, Nakamura PM, Zorzetto LP, Thompson JL, Phillips AC, Kokubun E. The effect of a community-based, primary health care exercise program on inflammatory biomarkers and hormone levels. HPC; Mediators Inflamm. 2014; 14:1-7.

Costa RR, Butelli ACK, Vieira AF, Coconcelli L, Magalhães RL, Delevatti RS, et al. Effect of Strength training on lipid and inflammatory outcomes: systematic review with meta-analysis and meta-regression. J. Phys. Act. Health. 2019;16(6):477-91.

Zhou ZZ, Sun B, Huang S, Zhu C, Bian M. Glycemic variability: adverse clinical outcomes and how to improve it? Cardiovasc Diabetol. 2020;19:102.

World Health Organization / WHO. WHO guidelines on physical activity and sedentary behavior. Geneva: World Health Organization. 2020.

World Health Organization / WHO. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva: WHO. 2014. Available in: < https://apps.who.int/iris/handle/10665/148114>. [2020 June].

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, Ministério da Saúde. 2020. Available in: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_201

_vigilancia_fatores_risco.pdf>. [2020 March].

Silva CRM, Bezerra J, Soares FC, Mota J, Barros MVG, Tassiano RM. Percepção de barreiras e facilitadores dos usuários para participação em programas de promoção da atividade física. Cad. Saude Publica. 2020;36(4):e00081019.

Brasil. Ministério da Saúde. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, Brasil. 2011. Available in: < https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/plano-de-acoes-estrategicas-para-o-enfrentamento-das-doencas-cronicas/>. [2021 June].

Saida TGRH, Sorensen TJ, Lanberg H. Long-term exercise adherence after public health training in at-risk adults. Ann. Phys. Rehabil. Med. 2017;60(4):237-43.

- Araújo SP, Oliveira NC, Corrêa CF, Pontes HT, Cerqueira PA, Portes LA. Mulheres na atenção primária à saúde: exercício físico, estilo de vida e fatores de risco cardiovascular. Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde. 2017;11(3):1-13.

Monteiro GR, Silva RJS. The length of stay in community physical activity program does not exceed two years. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2014;16(6):608-17.

Lovato NS, Loch MR, González AD, Lopes MLS. Assiduidade a programas de atividade física oferecidas por Unidades Básicas de Saúde: o discurso de participantes muito e pouco assíduos. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(2):184-192.

IBGE. Contagem populacional. IBGE Cidades. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/rio-claro/panorama>. [2021 September].

Faludi AA, Izar COM, Saraiva JFK, Chacra APM, Bianco HT, Afiune N, et al. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol. 2017;109(2Supl.1):1-76.

Maunder ED, Plews DJ, Kilding A. Contextualizing Maximal Fat Oxidation During Exercise: Determinants and Normative Values. Front. Physiol. 2018;23(9):599.

Rankin P, Morton DP, Diehl H, Gobble J, Morey P, Chang E. Effectiveness of a volunteer- delivered lifestyle modification program for reducing cardiovascular disease risk factors. Am J Cardiol. 2012;109(1):82-6.

Fraga AS, Ladeia AMT, Sá CKC, Tenório MCC. Efeito do exercício sobre os níveis de HDL-C: uma revisão sistemática de metanálises. Rev Bras Med Esporte. 2017;23(6): 488-494.

Ruiz-Ramie JJ, Barber JL, Sarzynski MA. Effects of exercise on HDL functionality. Curr. Opin. Lipidol. 2019;30(1):16-23.

Fedewa MV, Hathaway ED, Ward-Ritacco CL. Effect of exercise training on C-reactive protein: a systematic review and meta-analysis of randomized and non-randomized controlled trials. Br. J. Sports Med. 2016;51(8):670-76.

Benedetti TRB, Rech CR, Konrad LM, Almeida FA, Brito FA, Chodzko-Zajko W, et al. Re-thinking physical activity programs for older brazilians and the role of public health centers: a randomized controlled trial using the RE-AIM Model. Public Health Front. 2020; 8: 1-11.

Downloads

Publicado

2022-02-10

Como Citar

1.
Brunheroti K de A, Andaki ACR, Kokubun E, Papini CB. Efeito do volume de participação em programas de exercícios nos parâmetros bioquímicos de mulheres. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 10º de fevereiro de 2022 [citado 1º de outubro de 2022];27:1-8. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14762

Edição

Seção

Artigos Originais