Validação de oficina de educação permanente em alimentação, atividade física e práticas corporais

Autores

  • Julia De Caro Costa Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, Programa de Pós-graduação Nutrição em Saúde Pública, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7742-3007
  • Douglas Roque Andrade Universidade de São Paulo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Grupo de Estudos e Pesquisas Epidemiológicas em Atividade Física e Saúde, Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5135-582X
  • Patricia Constante Jaime Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde, São Paulo, São Paulo, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.27e0245

Palavras-chave:

Obesidade, Educação permanente, Atenção primária à saúde, Alimentação, Atividade física

Resumo

O objetivo deste trabalho é descrever o desenvolvimento e validação de conteúdo de um protocolo de oficina de educação permanente em saúde para a qualificação profissional em promoção da alimentação adequada e saudável e da atividade física e práticas corporais voltado aos profissionais atuantes na Atenção Primária à Saúde. O desenvolvimento do protocolo utilizou como referenciais teóricos o Guia Alimentar para a População Brasileira, o Guia de Atividade Física para a População Brasileira, a Prática Colaborativa Interprofissional e a Metodologia Crítico-Reflexiva (MCR); e foi definido com seis módulos presenciais, totalizando 30 horas de qualificação. O protocolo foi avaliado nos aspectos de clareza, pertinência e representatividade, em dois painéis de juízes para validação de conteúdo. Foram calculados o Índice de Validade de Conteúdo (IVC), considerando adequadas as atividades que pontuaram IVC>0,8; e o percentual de representatividade dos referenciais teóricos em cada atividade. Todas as 32 atividades do protocolo foram validadas para clareza e pertinência; e a representatividade obteve resultados condizentes com os objetivos de cada módulo. A representatividade da MCR no protocolo como um todo foi de 86,25%. As atividades da oficina foram avaliadas como adequadas ao objetivo proposto, considerando seu referencial teórico e seu público-alvo. Esta é a primeira oficina de educação permanente em saúde validada a trabalhar em formação combinada com o Guia Alimentar e o Guia de Atividade Física para a População Brasileira, e pode ser aplicada para a qualificação de profissionais da Atenção Primária à Saúde em todo Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2019 – Atenção Primária à Saúde e Informações Antropométricas. Rio de Janeiro; 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. Brasília: Ministério da Saúde, (Cadernos de Atenção Básica, n. 38), 2014.

Swinburn BA, Sacks G, Hall KD, McPherson K, Finegood DT, Moodie ML, Gortmaker SL. The Global Obesity Pandemic: Shaped by Global Drivers and Local Environments. Lancet. 2011;378(9793):804-14.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. VIGITEL Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

Cruz MS, Bernal RTI, Claro RM. Tendência da prática de atividade física no lazer entre adultos no Brasil (2006-2016). Cad. Saúde Pública. 2018; 34(10):e00114817.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil. Rio de Janeiro; 2020.

Rauber F, Chang K, Vamos EP, Louzada MLC, Monteiro CA, Millett C, Levy RB. Ultra-processed food consumption and risk of obesity: a prospective cohort study of UK Biobank. Eur J Nutr. 2021;60(4):2169-80.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia Alimentar para a População Brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia de Atividade Física para a População Brasileira [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

Hallal PC, Umpierre D. Guia de Atividade Física para a População Brasileira. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2021;26:e0211.

Monteiro CA, Cannon G, Moubarac JC, Martins APB, Martins CA, Garzillo J, et al. Dietary guidelines to nourish humanity and the planet in the twenty-first century. A blueprint from Brazil. Public Health Nutr.2015;18(13):2311-22.

Louzada MLC, Canella DS, Jaime PC, Monteiro CA. Alimentação e saúde: a fundamentação científica do guia alimentar para a população brasileira. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP, 2019.

Gabe KT, Tramontt CR, Jaime PC. Implementation of Food-Based Dietary Guidelines: conceptual framework and analysis of the Brazilian case. Public Health Nutrition. Cambridge University Press. 2021:1–13.

Lopes MS, Freitas PP, Carvalho MCR, Ferreira NL, Campos SF, Menezes MC, Lopes ACS. Challenges for obesity management in a unified health system: the view of health professionals. J Fam Pract. 2021;38(1):4-10.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil, 2021-2030 [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Ricardi LM, Sousa MF. Educação permanente em alimentação e nutrição na Estratégia Saúde da Família: encontros e desencontros em municípios brasileiros de grande porte. Ciênc. Saúde Colet. 2015;20(1):209-18.

Rubio DMG, Berg-Weger M, Tebb SS, Lee ES, Rauch S. Objectifying content validity: Conducting a content validity study in social work research. Soc Work Res. 2003;27(2):94-104.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Consulta pública: Guia de Atividade Física para População Brasileira. 2020. Available from: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/Guia_Atividade_Fisica_Consulta_Publica.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual instrutivo: implementando o guia alimentar para a população brasileira em equipes que atuam na Atenção Primária à Saúde [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

World Health Organization. Global action plan on physical activity 2018–2030: more active people for a healthier world. 2018.

Ritti-Dias RM, Trapé AA, Farah BQ, Petreça DR, Lemos EC, Carvalho FFB, et al. Atividade física para adultos: Guia de Atividade Física para a População Brasileira. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2021;26:e0215.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia de Atividade Física Para a População Brasileira: recomendações para gestores e profissionais de saúde [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

World Health Organization (WHO). Framework for Action on Interprofessional Education & Collaborative Practice. Geneva: World Health Organization; 2010.

Matuda CG, Pinto NRS, Martins CL, Frazão P. Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família: implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciênc. Saúde Colet. 2015;20(8):2511-21.

Mitre SM, Siqueira-Batista R, Girardi-de-Mendonça JM, Morais-Pinto NM, Meirelles CAB, Pinto-Porto C, et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. Saúde Colet.2008;13(suppl. 2):2133-44.

Florindo AA, Reis RS, Farias Junior JC, Siqueira FV, Nakamura PM, Hallal PC. Description of health promotion actions in Brazilian cities that received funds to develop “Academia da Saúde” program. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2016; 18(4):483-92.

Sá THD, Velardi M, Florindo AA. Limites e potencialidades da educação dos trabalhadores de saúde da família para promoção da atividade física: uma pesquisa participativa. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2016;30(2):417-26.

Rubino F, Puhl RM, Cummings DE, Eckel RH, Ryan DH, Mechanick JI, et al. Joint international consensus statement for ending stigma of obesity. Nat Med. 2020;26:485-97.

Publicado

2022-02-18

Como Citar

1.
Costa JDC, Andrade DR, Jaime PC. Validação de oficina de educação permanente em alimentação, atividade física e práticas corporais. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 18º de fevereiro de 2022 [citado 26º de junho de 2022];27:1-12. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14758

Edição

Seção

Artigos Originais