Comportamento sedentário e declínio cognitivo em idosos comunitários

Autores

  • Priscila Resende Horacio Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciências da Saúde, Curso de Fisioterapia, Araranguá, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5808-1881
  • Núbia Carelli Pereira de Avelar Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciências da Saúde, Curso de Fisioterapia, Araranguá, Santa Catarina, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4212-4039
  • Ana Lúcia Danielewicz Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciências da Saúde, Curso de Fisioterapia, Araranguá, Santa Catarina, Brasil. 2 Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação, https://orcid.org/0000-0003-1563-0470

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0190

Palavras-chave:

Função cognitiva, Envelhecimento, Comportamento sedentário

Resumo

O comportamento sedentário está associado a doenças cardiovasculares, baixa qualidade de vida e maior risco de mortalidade. Evidências sugerem que o comportamento sedentário pode contribuir para o declínio cognitivo, contudo a magnitude e a direção dessa associação não estão completamente esclarecidas. O objetivo foi avaliar a associação entre o comportamento sedentário e o declínio cognitivo em idosos comunitários. Estudo transversal com amostra probabilística e de base domiciliar, com idosos cadastrados na Atenção Básica de Balneário Arroio do Silva, Santa Catarina. O comportamento sedentário foi avaliado pela questão “tempo gasto sentado” do International Physical Activity Questionnaire, categorizado em: 0 a 3 horas; 4 a 7 horas; 8 a 10 horas; e 11 ou mais horas por dia. O declínio cognitivo foi avaliado pelo Mini Exame do Estado Mental, considerando os pontos de cortes recomendados por Brucki et al.14. Foram realizados modelos de Regressão Logística Multivariada brutos e ajustados, apresentando-se os valores de odds ratio (OR) e IC95%. Foram analisados 308 idosos, sendo 57,8% mulheres e com média de idade 60,8 anos (DP = 7,06 anos). A prevalência de declínio cognitivo foi 57,7%, com predomínio em mulheres, menor faixa etária e piores comportamentos de saúde. O modelo final da regressão mostrou que os idosos que permaneciam 11 ou mais horas sentados por dia tiveram cinco vezes mais chances de terem declínio cognitivo (OR = 5,03; IC95%:1,07; 23,61) quando comparados aos que permaneciam por até 3 horas por dia nesse comportamento. Concluiu-se que houve associação positiva entre maior comportamento sedentário e declínio cognitivo nos idosos avaliados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Oliveira DV, Lima MCC, Oliveira GVN, Bertolini SMMG, Nascimento JRA, Cavaglieri CR. Is sedentary behavior an intervening factor in the practice of physical activity in the elderly? Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2018; 21(4):472-79.

Alzheimer’s Association and Centers for Disease Control and Prevention. The Healthy Brain Initiative: The Public Health Road Map for State and National Partnerships, 2013–2018: Chicago, IL: Alzheimer’s Association. 2013. Disponível em: https://www.cdc.gov/aging/pdf/2013-healthy-brain-initiative.pdf [agosto de 2020].

Overton M, Pihlsgård M, Elmståhl S: Prevalence and Incidence of Mild Cognitive Impairment across Subtypes, Age, and Sex. Dement Geriatr Cogn Disord. 2019;47:219-32.

Faria EC, Silva SA, Farias KRA, Cintra A. Avaliação cognitiva de pessoas idosas cadastradas na estratégia saúde da família: município do Sul de Minas. Rev da Esc Enferm da USP. 2011;45(2):1748-52.

Ferreira RC, Duarte AMV, Fernandes NCN, Souza JGS, Sá MAB, Oliveira LFB. et al. O idoso com comprometimento cognitivo apresenta pior condição de saúde bucal? Cienc e Saude Coletiva. 2014;19(8):3417–28.

Holz AW, Nunes BP, Thumé E, Lange C, Facchini LA. Prevalence of cognitive impairment and associated factors among the elderly in Bagé, Rio Grande do Sul, Brazil. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(4):880-8.

Nascimento RASA, Batista RTS, Rocha SV, Vasconcelos LRC. Prevalência e fatores associados ao declínio cognitivo em idosos com baixa condição econômica: Estudo MONIDI. J Bras Psiquiatr. 2015;64(3):187–92.

Falck RS, Davis JC, Liu-Ambrose T. What is the association between sedentary behaviour and cognitive function? A systematic review. Br J Sports Med. 2017;51(10):800–11.

Antunes HKM, Santos RF, Cassilhas R, Santos RVT, Bueno OFA, Mello MT. Exercício físico e função cognitiva: Uma revisão. Rev Bras Med do Esporte. 2006;12(2):108–14.

Harvey JA, Chastin SFM, Skelton DA. How Sedentary Are Older People? A Systematic Review of the Amount of Sedentary Behavior. J Aging Phys Act. 2015;23(3):471–87.

IBGE. Projeções e estimativas da população do Brasil e das Unidades da Federação: 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/ [Agosto de 2020].

PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Ìndice de Desenvolvimento Humano Municipal 2010. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idhm-municipios-2010[Agosto de 2020].

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O Mini-Exame do Estado Mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neuropsiquiatr. 1994;52(1):01–7.

Brucki SMD, Nitrin R, Caramelli P, Bertolucci PHF, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(3):777–81.

Benedetti TB, Mazo GZ, Barros MVG. Aplicação do Questionário Internacional de Atividades Físicas para avaliação do nível de atividades físicas de mulheres idosas: validade concorrente e reprodutibilidade teste-reteste. RevBrasCiênc Mov. 2004;12:25–34.

Silva RDC, Meneguci J, Martins TI, Santos AS, Sasaki JE, Tribess S, et al. Associação entre tempo sentado e diabetes mellitus em idosos: Um estudo de base populacional. Rev Bras Cineantropometria e Desempenho Hum. 2015;17(4):379–88.

Smith L, Tully M, Jacob L, Blackburn N, Adlakha D, Caserotti P, et al. The Association Between Sedentary Behavior and Sarcopenia Among Adults Aged ≥65 Years in Low- and Middle-Income Countries. Int J Environ Res Public Health. 2020;17(5):1708.

Babor TF, Higgins-Biddle JC, Saunders JB, Monteiro MG. The alcohol use disorders identification test: Guidelines for use in. World Health Organization, 2001.

Santos SR, Santos IBC, Fernandes MGM, Henriques MERM. Qualidade de vida do idoso na comunidade: aplicação da escala de Flanagan. Rev Lat Am Enfermagem. 2002;10(6):757–64.

Lebrão ML, Laurenti R. Saúde, bem-estar e envelhecimento: o estudo SABE no Município de São Paulo. Rev Bras Epidemiol. 2005;8(2):127–41.

Dumas, JA. Strategies for preventing cognitive decline in healthy older adults. The Canadian Journal of Psychiatry, 2017;62(11), 754-760.

Valle EA, Castro-Costa E, Firmo JOA, Uchoa E, Lima-Costa MF. Estudo de base populacional dos fatores associados ao desempenho no Mini Exame do Estado Mental entre idosos: Projeto Bambuí. Cad Saude Publica. 2009;25(4):918–26.

Williams KN, Kemper S. Interventions to reduce cognitive dfecline in aging. J. Psychosoc. Nurs Mental Health Serv. 2010;48(5):42-51.

Nunes WA, Dias FA, Nascimento JS, Gomes NC, Tavares DMS. Cognition, functionality and depression indicative among elderly. Rev da Rede Enferm do Nord. 2016;17(1):103-11.

Silva PAS, Rocha SV, Vasconcelos LRC, Santos CA. Comportamento sedentário como discriminador dos transtornos mentais comuns em idosos. J Bras Psiquiatr. 2017;66(4):183–8.

Machado JC, Ribeiro RCL, Cotta RMM, Leal PFG. Declínio cognitivo de idosos e sua associação com fatores epidemiológicos em Viçosa, Minas Gerais. Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2011;14(1):109–21.

Olanrewaju, O, Stockwell, S, Stubbs, B, & Smith, L. Sedentary behaviours, cognitive function, and possible mechanisms in older adults: A systematic review. Aging clinical and experimental research, 2020;32(6):969-84.

Poblete-Valderrama F, Rivera CF, Petermann-Rocha F, Leiva AM, Martínez-Sanguinetti MA, Troncoso C, Mardones L,Villagrán M, Nazar G, Ulloa N, Martorell M, et al. Actividad física y tiempo sedente se asocian a sospecha de deterioro cognitivo en población adulta mayor chilena. Rev Med Chile. 2019;147(10):1247-55.

Katzmarzyk PT, Powell KE, Jakicic JM, Troiano RP, Piercy K, Tennant B. Sedentary Behavior and Health: Update from the 2018 Physical Activity Guidelines Advisory Committee. Med Sci Sports Exerc. 2019;51(6):1227-41.

Lins-Filho OL, Braga MM, Lima TM, Ferreira DKS. Low level of physical activity and sedentary behaviour in elderly: a systematic review of the parameters. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2020;22:e60810.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

1.
Horacio PR, Avelar NCP de, Danielewicz AL. Comportamento sedentário e declínio cognitivo em idosos comunitários. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 30º de abril de 2021 [citado 4º de dezembro de 2021];26:1-8. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14468

Edição

Seção

Artigos Originais