Saúde de mulheres de dois grupos de atividade física: estudo de acompanhamento durante a COVID-19

Autores

  • Letícia Gonçalves Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/ Saúde da Família. Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9653-8440
  • Renata Silva Rosa Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/ Saúde da Família. Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2706-3162
  • Giovana Ferreira Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/ Saúde da Família. Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7034-7670
  • Mathias Roberto Loch Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/ Saúde da Família. Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2680-4686

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.25e0144

Palavras-chave:

Aconselhamento, Estudos longitudinais, Exercício físico, Saúde mental, Infecções por coronavírus

Resumo

O objetivo foi monitorar indicadores de saúde mental e a prática de exercícios de respiração e alongamento no contexto doméstico durante dois meses da pandemia COVID-19 entre mulheres participantes de dois grupos de atividade física de Unidades Básicas de Saúde. A amostra foi composta por 17 mulheres, que participaram de quatro contatos telefônicos. As variáveis foram a autopercepção de saúde, da ansiedade, da qualidade do sono e da concentração, além de dificuldades econômicas (falta do básico em casa no período) e a prática de exercícios de respiração e alongamento no domicílio, bem como as dificuldades para a realização destas. O teste de Friedman foi utilizado para verificar diferenças nas variáveis nos quatro momentos. Diferenças significativas na autopercepção da qualidade do sono (com piores resultados em T4) e na prática de exercícios (piores resultados em T1) foram observadas. Em três dos quatro momentos do monitoramento, pelo menos uma mulher referiu que havia faltado o básico para a sobrevivência. Onze mulheres citaram barreira(s) em pelo menos um dos momentos do estudo para a realização dos exercícios, sendo a mais citada: não saber realizar o exercício ou se sentir insegura realizando sozinha. Conclui-se que, considerando a necessidade de adequação dos serviços de saúde em função da pandemia, ações de monitoramento, combinadas com estratégias de escuta e aconselhamento, podem ser uma boa alternativa para o acompanhamento da saúde dos participantes dos grupos de atividade física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Dispõe sobre as medidas para enfren-tamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Diário Oficial da União; 2020. [citado 2020 abr 7]. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-13.979-de-6-de-fevereiro-de-2020-242078735.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 188, de 3 de fevereiro de 2020. Declara Emer-gência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) em decorrência da Infec-ção Humana pelo novo coronavírus (2019-nCoV). Diário Oficial da União; 2020. [ci-tado 2020 abr 7]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Portaria/Portaria-188-20-ms.htm.

Tasca R, Massuda A. Estratégias para reorganização da Rede de Atenção à Saúde em resposta à Pandemia COVID-19: a experiência do Sistema de Saúde Italiano na região de Lazio. APS em Revista. 2020;2(1):20-7.

Werneck GL, Carvalho MS. Uma pandemia de COVID-19 no Brasil: crônica de uma crise sanitária anunciada. Cad Saúde Pública. 2020;36(5):e00068820.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 356, de 11 de Março de 2020. Dispõe sobre a regulamentação e operacionalização do disposto na Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, que estabelece as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (COVID-19). Diário Oficial da União; 2020. [citado em 2020 abr 7]. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-356-de-11-de-marco-de-2020-247538346.

Marilene CS, Miranda L, Magalhães FC. PANDEMIA COVID-19: Catástrofe Sanitá-ria e Psicossocial. Cad Adm. 2020;28:27-36.

Faro A, Bahiano MA, Nakano TC, Reis C, Silva BFP, Vitti LS. COVID-19 e saúde mental: a emergência do cuidado. Estud. Psicol. 2020;37(1):e200074.

Schmidt B, Crepaldi MA, Bolze SDA, Silva LN, Demenech LM. Saúde mental e in-tervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estud Psicol. 2020;3(1):e200063.

Murta SG, França CL, Santos KB, Polejack . Prevenção e promoção em saúde mental: Fundamentos, planejamento e estratégias de prevenção. 1ª ed. São Paulo: Sinopsys, 2015

Ornell F, Schuch JB, Sordi AO, Kessler FHP. Pandemia de medo e COVID-19: im-pacto na saúde mental e possíveis estratégicas. Braz J Psychiatry. 2020;42(3):232-5.

Ferreira MJ, Irigoyen MC, Colombo FC, Saraiva JFK, Angelis K. Vida Fisicamente Ativa como Medida de Enfrentamento ao COVID-19. Arq Bras Cardiol. 2020;114(4):601-2.

Loch MR, Rech CR., Costa FF. A urgência da Saúde Coletiva na formação em Edu-cação Física: Lições com o COVID-19. Cien Saude Colet. 2020;25(9):3511-6.

Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde. Nota da Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde sobre a realização de atividades físicas e práticas corporais no contexto atual de pandemia da COVID-19. 2020. [citado 2020 jun 5]. Disponível em http://www.sbafs.org.br/noticia/109/nota-da-sociedade-brasileira-de-atividade-fisica-esaude-sobre-a-realizacao-de-atividades-fisicas-e-praticas-corporais-no-contexto-atual-de-pandemia-da-covid-19.

Maranhão: UFMA; 2015. [citado em 2020 jul 5]. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo12/residencial-vista-bela-no-municipio-de-londrina-uma-analise-sobre-territorio-e-politicas-sociais.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel: estimativas sobre frequência e distribuição socio-demográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. 1ª ed. Brasília; 2019. [citado em 2020 jul 5]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.

gov.br/images/pdf/2019/julho/25/vigitel-brasil-2018.pdf.

Andrade GF, Loch MR, Silva AMR. Mudanças de comportamentos relacionados à sa-úde como preditores de mudanças na autopercepção de saúde: estudo longitudi-nal. Cad Saúde Pública. 2019;35(4):e00151418.

Bertolazi AN, Fagondes SC, Hoof LS, Dartora EG, Miozzo ICS, Barba MEF, et al. Validation of the Brazilian Portuguese version of the Pittsburgh Sleep Quality Index. Sleep Medicine. 2011;12(1):70-5.

Müller MR, Guimarães SS. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estud Psicol. 2007;24(4):519-528.

Loch MR, Dias DF, Rech CR. Apontamentos para a atuação do Profissional de Edu-cação Física na Atenção Básica à Saúde: um ensaio. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24:e0069.

Downloads

Publicado

2020-11-23

Como Citar

1.
Gonçalves L, Rosa RS, Ferreira G, Loch MR. Saúde de mulheres de dois grupos de atividade física: estudo de acompanhamento durante a COVID-19. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 23º de novembro de 2020 [citado 31º de julho de 2021];25:1-8. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14422

Edição

Seção

Artigos Originais