Nível de atividade física de estudantes de educação física no Brasil: uma revisão sistemática

Autores

  • Vitor Tavares da Silva Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5241-6660
  • Lorena Rodrigues Silva Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Vinicius Guadalupe Barcelos Oliveira Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Bianca Pagel Ramson Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8712-9816
  • Eduardo Lucia Caputo Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3515-9308
  • Marcelo Cozzensa da Silva Universidade Federal de Pelotas, Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2336-7131

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0197

Palavras-chave:

Educação física, Ensino superior, Alunos, Atividade física

Resumo

Este estudo teve como objetivo identificar os níveis de atividade física de estudantes do curso de Educação Física no Brasil. Metodologicamente tratou-se de uma revisão sistemática da literatura, a qual foi estruturada a partir das recomendações do Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA). As buscas foram realizadas nas bases de dados LILACS, PubMed, SciELO e SPORTDiscus. Os artigos originais incluídos foram apenas aqueles que apresentavam resultados quanto ao nível de atividade física de estudantes do curso de graduação em Educação Física, no Brasil, bem como utilizaram instrumentos validados. A partir dos critérios de inclusão, 15 estudos passaram pelas etapas de análise. A maioria das investigações ocorreram na região Sul do Brasil, utilizou o International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) para aferir a atividade física e as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) na avaliação do nível de prática. Todos os estudos apresentaram uma alta prevalência de estudantes fisicamente ativos, variando entre 71,5% e 100%. Pode-se concluir que os estudantes do curso de Educação Física têm se mostrado enquanto uma população predominantemente ativa no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet. 2012;380(9838):219-29.

Bauman A. Updating the evidence that physical activity is good for health – an epidemiological review 2000-2003. J Sci Med Sport. 2004;7(1):6-19.

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. 2012;380(9838):247-57.

Sallis JF, Cerin E, Conway TL, Adams MA, Frank LD, Pratt M, et al. Physical activity in relation to urban environments in 14 cities worldwide: a cross-sectional study. Lancet. 2016;387(10034):2207-17.

Guthold R, Stevens GA, Riley LM, Bull FC. Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1·9 million participants. Lancet Glob Health. 2018;6:e:1077–86.

IBGE. Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio. Práticas de Esporte e Atividade Física. 2015. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: (https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100364.pdf)

Oehlschlaeger MHK, Pinheiro RT, Horta B, Gelatti C, San'Tana P. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo em adolescentes de área urbana. Rev Saúde Pública. 2004;38(2):157-63.

Silva DAS, Silva RJS. Padrão de atividade física no lazer e fatores associados em estudantes de Aracaju-SE. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2008;13(2):94-101.

Guerra PH, Farias Junior JC, Florindo AA. Comportamento sedentário em crianças e adolescentes brasileiros: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2016;50(9):1-15.

Azevedo MR, Araújo CL, Silva MCD, Hallal PC. Tracking of physical activity from adolescence to adulthood: a population-based study. Rev Saúde Pública. 2007; 41(1):69-75.

Azevedo MR, Menezes AM, Assunção MC, Gonçalves H, Arumi I, Horta BL, et al. Tracking of physical activity during adolescence: the 1993 Pelotas Birth Cohort, Brazil. Rev Saúde Pública. 2014;48(6):925-30.

Nahas MV. Atividade física, Saúde e Qualidade de Vida. Londrina: Midiograf; 2006

Baer JS. Student factors: understanding individual variation in college drinking. J Stud Alcohol Suppl. 2002;(14):40-53.

Franca CD, Colares V. Estudo comparativo de condutas de saúde entre universitários no início e no final do curso. Rev Saúde Pública, 2008;42(3):420-7.

Salve MGC. A prática de atividade física: estudo comparativo entre alunos de graduação da UNICAMP. Motriz. 2008;4(3):41-7.

Silva GFS, Bergamaschine R, Rosa M, Melo C, Miranda R, Bara Filho M. Avaliação do nível de atividade física de estudantes de graduação das áreas saúde/biológica. Rev Bras Med Esporte 2007;13(1):39-42

Mielke GI, Ramis TR, Habeyche CE, Oliz MM, Tessmer MGS, Azevedo MR, et al. Atividade física e fatores associados em universitários do primeiro ano da Universidade Federal de Pelotas. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2010;15(1):57-64.

Silva DAS. Nível de atividade física e fatores associados em acadêmicos de educação física de uma universidade pública do nordeste do Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2011;16(3):193–8.

Bielemann RM, Karine G, Azevedo MR, Reichert FF. Prática de atividade física no lazer entre acadêmicos de Educação Física e fatores associados. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2007;12(3):65-72.

Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. Ann Intern Med. 2009;151:264-9.

Santos CM, Pimenta CAM, Nobre MRC. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev Latino-Am Enfermagem. 2007;15(3):508-11.

Wells GA, Shea B, O'Connell D, Peterson J, Welch V, Losos M, et al. The Newcastle-Ottawa Scale (NOS) for assessing the quality of nonrandomised studies in meta-analyses. [publicação online]; 2014. [acesso em 27 de abril de 2020]. Disponível em http://www.ohri.ca/programs/clinical_epidemiology/oxford.asp.

Herzog R, Pasquin MJA, Díaz C, Barrio JL, Estrada JM, Gil A. Are healthcare workers' intentions to vaccinate related to their knowledge, beliefs and attitudes? A systematic review. BMC Public Health. 2013; 13:154.

Melo AB, Carvalho EM, Sá FGS, Cordeiro JP, Leopoldo AS, Lima-Leopoldo AP. Nível de atividade física dos estudantes de graduação em Educação Física da Universidade Federal do Espírito Santo. J Phys Educ. 2016;27(1):1–12.

Rech CR, Araújo EDS, Vanat JDR. Autopercepção da imagem corporal em estudantes do curso de educação física. Rev Bras Educ Fís Esp. 2010;24(2):285–92.

Vargas LM, Redkva PE, Cantorani JRH, Hauser MW, Gutierrez GL. Nível de atividade física de acadêmicos de Educação Física à distância de uma universidade pública. Rev Bras Ciênc Mov. 2015;23(2):40-50.

Freitas MP, Silva MC, Bandeira FM, Hallal PC, Rombaldi AJ. Associação entre aptidão cardiorrespiratória e nível de atividade física em adultos jovens. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(2):260–70.

Costa B, Batista G, Leão N, Paes P. Qualidade de vida, estágios de mudança de comportamento e nível de atividade física dos acadêmicos de Educação Física. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(5):476–82.

Miranda VPN, Neves CM, Filgueiras JF, Carvalho PHB, Ferreira MEC. Nível de atividade física e satisfação corporal em estudantes de Educação Física. Rev Bras Ciênc Mov. 2013;21(2):98–105.

Lima GO, Mendes BM, Klein SK, Formentin CM, Garlipp DC. Nível de atividade física e risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares em acadêmicos do curso de Educação Física. Rev. Bras. Prescrição e Fisiol do Exerc. 2017;11(68):542–9.

Santos TS, Leão OAA, Leite JS, Silva MC. Atividade física em acadêmicos de Educação Física: um estudo longitudinal. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(1):76–84.

Ferrari EP, Petroski EL, Silva DAS. Prevalência de insatisfação com a imagem corporal e fatores associados em universitários de educação física. Trends Psychiatry Psychother. 2013;35(2):119–27.

Meira CEV, Andrade RD. Atividade física no lazer, capacidade aeróbia percebida e bem-estar subjetivo de acadêmicos de educação física em diferentes fases do curso. Cad Educ Física e Esporte [Internet]. 2019;17(1):13–21.

Monteiro LZ, Varela AR, Lira BA, Souza P, Gomes DJO, Contiero LC, et al. Behavioral health risk profiles of physical education undergraduates. Mot Rev Educ Física [Internet]. 2019;25(4).

Berbigier MC, Magalhães CR. Educação nutricional em universitários e estratégias para promoção de saúde institucional: revisão integrativa. Rev Bras Promoç Saúde. 2017;30(2):264-74.

Deliens T, Deforche B, Bourdeaudhuij I, Clarys P. Determinants of physical activity and sedentary behaviour in university students: a qualitative study using focus group discussions. BMC Public Health. 2015; 15:201.

Joly MCRA, Santos AAA, Sisto FF. Questões do cotidiano universitário. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2005. cap. 8, p. 159-77.

Colares V, Franca C, Gonzalez E. Condutas de Saúde entre universitários: diferenças entre gêneros. Cad Saúde Pública. 2009; 25(3):521-28.

Palma A, Abreu RA, Cunha CA. Comportamentos de risco e vulnerabilidade entre estudantes de educação física. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(1):117-26.

Lowry R, Galuska DA, Fulton JE, Wechsler H, Kann L, Collins JL. Physical activity, food choice, and weight management goals and practices among U.S. college students. Am J Prev Med. 2000;18:18-27.

Davies J, McCrae BP, Frank J, Dochnahl A, Pickering T, Harrison B, et al. Identifying male college students’ perceived health needs, barriers to seeking help, and recommendations to help men adopt healthier lifestyles. J Am Coll Health. 2000;48:259-67.

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6:5-18.

Hallal PC, Gomez LF, Parra DC, Lobelo F, Mosquera J, Florindo AA, et al. Lessons learned after 10 years of IPAQ use in Brazil and Colombia. J Phys Act Health. 2010;7(2):259-64.

Sidone OJG, Haddad EA, Mena-Chalco JP. A ciência nas regiões brasileiras: evolução da produção e das redes de colaboração científica. Transinformação. 2016;28(1):15-32.

Santos CM, Barbosa JMV, Cheng LA, Júnior RSW, Barros MVG. Atividade Física no contexto dos deslocamentos: Revisão sistemática dos estudos epidemiológicos realizados no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2009;14(1):15-22.

Downloads

Publicado

2021-05-24

Como Citar

1.
Silva VT da, Silva LR, Oliveira VGB, Ramson BP, Caputo EL, Silva MC da. Nível de atividade física de estudantes de educação física no Brasil: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde [Internet]. 24º de maio de 2021 [citado 25º de junho de 2021];26:1-8. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14412

Edição

Seção

Artigos de Revisão