Estudo transversal sobre uso de ferramentas virtuais para orientar a atividade física durante a COVID-19

Autores

  • Jean Augusto Coelho Guimarães Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, Departamento de Educação Física. Rio Claro, São Paulo. Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4125-7227
  • Paulo Henrique Guerra Universidade Federal da Fronteira Sul. Chapecó, Santa Catarina. Brasil. Grupo de Estudos e Pesquisas Epidemiológicas em Atividade Física e Saúde da Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4239-0716
  • Deisy Terumi Ueno Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, Departamento de Educação Física. Rio Claro, São Paulo. Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4334-1959
  • Ana Elisa Messetti Christofoletti Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, Departamento de Educação Física. Rio Claro, São Paulo. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5092-5023
  • Priscila Missaki Nakamura Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, Departamento de Educação Física. Rio Claro, São Paulo. Brasil. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais. Muzambinho, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8224-3097

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.25e0150

Palavras-chave:

Atividade física, Educação física, Pandemia, Serviços online, Brasil

Resumo

A elevada taxa de transmissão e mortalidade pela COVID-19 acarretou o fechamento de centros de movimentação social, dentre eles locais para prática de atividade física.  Com isso, o objetivo do estudo foi identificar as principais estratégias e ferramentas tecnológicas virtuais, percepção dos profissionais de educação física (PEF) acerca das adaptações, pontos positivos, negativos e feedbacks dos clientes para orientar a prática de atividade física durante o isolamento social/restrição de circulação devido ao vírus SARS-COV-2. Optou-se pela pesquisa transversal, quanti-qualitativa, com técnica de amostragem “bola de neve”, sendo recrutados PEF das cinco regiões do Brasil. Os participantes responderam um questionário online com questões sociodemográficas, uso das ferramentas tecnológicas virtuais, perfil dos clientes e questões discursivas acerca da orientação online à atividade física. Foi realizada estatística descritiva e análise por codificação simples. Participaram 110 PEF de 65 cidades do país, os quais geralmente atendem em academias de ginástica (59,8%) e ao ar livre (34,5%), tendo clientes adultos (92,9%), do sexo feminino (51,8%). Dentre as ferramentas tecnológicas virtuais utilizadas estão “vídeos” (60,9%) e “Whatsapp web” (60,0%), geralmente ferramentas gratuitas (67,5%) e, para que o trabalho ocorra, são necessárias adaptações estruturais/materiais e profissionais. Embora haja aspectos negativos e dificuldades na orientação remota à prática de atividade física, os aspectos positivos e facilidades permitem que o PEF se conecte com seus respectivos clientes mesmo durante a pandemia, estimulando e, orientando de forma segura, a prática de atividade física. Esta temática necessita ser mais explorada para que essas ferramentas auxiliem os PEF.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Augusto Coelho Guimarães, Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, Departamento de Educação Física. Rio Claro, São Paulo. Brasil.

Graduado no Bacharelado em Educação Física, no ano de 2016, pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas. Mestrando em Atividade física e Capacidade Funcional, iniciando em 2017, pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho- Rio Claro-SP. 

Atua na área de Atividade física em UBS para grupos diferenciados; terceira idade; ambiente ao ar livre e tem experiência em treinamento de força e emagrecimento.

Paulo Henrique Guerra, Universidade Federal da Fronteira Sul. Chapecó, Santa Catarina. Brasil. Grupo de Estudos e Pesquisas Epidemiológicas em Atividade Física e Saúde da Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Sou Licenciado em Educação Física pela Universidade Paulista e Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo. Atuo como docente adjunto do curso de Medicina da Universidade Federal da Fronteira Sul e como docente colaborador do Programa de Pós-graduação em Ciências da Atividade Física na Universidade de São Paulo. A maior parte da minha produção científica está relacionada aos temas da área "atividade física e saúde", com particular interesse nos estudos que abrangem populações de crianças e/ou adolescentes, assim como nos estudos conduzidos no contexto da atenção primária à saúde/Sistema Único de Saúde. Como atividade complementar, ocupo a presidência da Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde (gestão 2020-2022).

Deisy Terumi Ueno, Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, Departamento de Educação Física. Rio Claro, São Paulo. Brasil.

Possui graduação em Educação Física pela Faculdades de Dracena (2009), e mestrado em Ciências da Motricidade - Área de concentração: Atividade Física e Saúde pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) de Rio Claro/SP (2013). Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) de Rio Claro/SP, membro do Núcleo de Atividade Física, Esporte e Saúde (NAFES), coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Atividade Física, Esporte e Saúde (GEPAFES) e supervisora do projeto de extensão: Saúde Ativa. Tem experiência na área de Atividade Física, Comportamento Sedentário e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: atividade física, comportamento sedentário,envelhecimento, capacidade funcional e avaliação de atividade física.

Ana Elisa Messetti Christofoletti, Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, Departamento de Educação Física. Rio Claro, São Paulo. Brasil.

Possui graduação em Educação Física (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro - SP (UNESP) (2015 e 2017), mestrado em "Ciências da Motricidade" (2018) - Área de concentração: Atividade Física e Saúde - UNESP (Rio Claro-SP) e é doutoranda em "Ciências da Motricidade" (UNESP, Rio Claro - SP). É professora substituta de Educação Física Escolar do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), campus Sertãozinho. Área de atuação: Educação, comportamento sedentário, atividade física, exercício físico e saúde.

Priscila Missaki Nakamura, Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, Departamento de Educação Física. Rio Claro, São Paulo. Brasil. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais. Muzambinho, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003), mestrado em biodinâmica da motricidade humana pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007) e doutorado em Biodinâmica da Motricidade Humana pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2012).Pós doutorado na Universidade Federal de Pelotas (2014) e Pós doutorado na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2017). Atualmente é professora permanente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho no programa de Pós Graduação em Ciências da Motricidade e professora dedicação exclusiva do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologias - Sul de Minas. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Fisiologia do Exercício, atuando principalmente nos seguintes temas: atividade fisica, qualidade de vida e intervenções de atividade física no sistema único de saúde

Referências

Worldometer. [Acessado em 2020 Ago 22]. Disponível em: https://www.worldometers.info

/coronavirus/countries-where-coronavirus-has-spread/.

World Health Organization. WHO Coronavirus Disease (COVID-19) Dashboard. [Acessado em 2020 Ago 22]. Disponível em: https://covid19.who.int/.

World Health Organization. Coronavirus Disease (COVID-19) pandemic. [Acessado em 2020 Mai 10]. Disponível em: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-

Brasil. Ministério da Saúde. Eu quero me exercitar - Covid-19: como se manter saudável quando ficar em casa é a sua única opção? [Acessado em 2020 Mar 30]. Disponível em: https://saudebrasil.saude.gov.br/eu-quero-me-exercitar-mais/coronavirus-como-se-manter-saudavel-quandoficar-em-casa-e-a-sua-unica-opcao.

Carvalho FFB, Silva RG, Oliveira RB. A essencialidade das academias de ginástica para a saúde diante da pandemia da COVID-19 no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2020;25:e0116.

World Health Organization. Stay physically active during self-quarantine. [Acessado em 2020 Mar 30]. Disponível em: http://www.euro.who.int/en/health-topics/health-emergencies/

coronavirus-covid19/technical-guidance/stay-physically-active-during-self-quarantine.

American College of Sport Medicine. Staying Physically Active During the COVID-19 Pandemic. [Acessado em 2020 Mar 20]. Disponível em: https://www.acsm.org/read-research

/newsroom/newsreleases/newsdetail/2020/03/16/staying-physically-active-during-covid-19-pandemic.

Chen P, Mao L, Nassis GP, Harmer P, Ainsworth BE, Li F. Coronavirus disease (COVID-19): The need to maintain regular physical activity while taking precautions. J Sport Health Sci. 2020;9:103-04.

World Health Organization. Global action plan on physical activity 2018–2030: more active people for a healthier world. Geneva: World Health Organisation; 2018. [Acessado em 2020 Abr 18]. Disponível em: https://www.who.int/ncds/prevention/physical-activity/global-action-plan-2018-2030/en/.

Ashdown-Franks G, Firth J, Carney R, Carvalho AF, Hallgren M, Koyanagi A, et al. Exercise for mental and substance use disorders: a meta-review of the benefits for neuropsychiatric and cognitive outcomes. Sports Medicine. 2020;50:151-70.

Nieman DC, Laurel MW. The compelling link between physical activity and the body’s defense system. J Sport Health Sci. 2019;8:201-17.

Zhu W. Should, and how can, exercise be done during a coronavirus outbreak? An interview with Dr. Jeffrey A. Woods. J Sport Health Sci. 2020;9:105-07.

Spreen M. Rare populations, hidden populations and link-tracing designs: what and why? Bulletin de Méthodologie Sociologique. 1992;36:34-58.

Faugier J, Sargeant M. Sampling hard to reach populations. J Adv Nurs. 1997;26:790-97.

Flick U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Bogdan RC, Biklen SK. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

Relatório Global IHRSA. Mercado mundial do fitness: principais players e mudanças no top ten. Revista ACAD Brasil, 2018. [Acessado em 2020 Ago 15]. Disponível em: https://www.acadbrasil.com.br/wp-content/uploads/2019/03/edicao-82.pdf.

Oliveira Neto L, Elsangedy HM, Tavares VDO, Teixeira CVS, Behm DG, Silva-

Grigoletto ME. Traininginhome - Home-based training during COVID-19 (SARS-COV2) pandemic: physical exercise and behavior-based approach. Rev Bras Fisiol Exerc. 2020;19

(Suppl 2):S9-S19.

Farias JS, Vitor TL, Lins PV, Filho LEAP. Inclusão digital na terceira idade: um estudo sobre a propensão de idosos à adoção de tecnologias da informação e comunicação (TICs). RG&T. 2015;15(3):164-88.

Andrade AM, Rabelo LN, Porto AP, Gomes EP, Lima AL. Inclusão digital na terceira idade: uma revisão de literatura. Braz. J. Hea. Rev. 2020;3(2):3231-43.

Silva JS, Oliveira L. O personal trainer e a sua qualificação profissional. Revista Campo do Saber. 2017;3(2):114-28.

Vicentini L, Santos WR, Figueiredo MJG, Morais AEA. Aceitação e Perspectivas dos Potenciais Consumidores do Serviço de Personal Trainer Online no Estado de São Paulo. VI Congresso Latino-Americano de Estudos Socioculturais do Esporte. 2018;436-453

García-Fernández J, Gálvez-Ruiz P, Grimaldi-Puyana M, Angosto S, Fernández-Gavira J, Bohórquez MR. The promotion of physical activity from digital services: influence of E-lifestyles on intention to use fitness app. Int. J. Environ. Res. Public Health. 2020;17(18):1-15.

Modave F, Bian J, Leavitt T, Bromwell J, Harris C, Vincent H. Low quality of free coaching apps with respect to the American College of Sports Medicine Guidelines: A review of current mobile apps. JMIR Mhealth Uhealth. 2015;3(3):e77.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Como Citar

1.
Guimarães JAC, Guerra PH, Ueno DT, Christofoletti AEM, Nakamura PM. Estudo transversal sobre uso de ferramentas virtuais para orientar a atividade física durante a COVID-19. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 30º de novembro de 2020 [citado 31º de julho de 2021];25:1-8. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14410

Edição

Seção

Artigos Originais