Impacto e aderência de indivíduos com diabetes no Programa Academia da Cidade

Palavras-chave: Diabetes mellitus, Exercício físico, Atenção primária à saúde

Resumo

Uma epidemia de Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2) está em curso e uma grande proporção de pessoas com essa doença não pratica exercícios físicos regularmente. Em Belo Horizonte, o Programa Academia da Cidade (PAC) se apresenta como uma estratégia de melhoria da qualidade de vida da população, através da prática de exercícios físicos. Logo, é relevante compreendermos o impacto deste na saúde de indivíduos com e sem diagnóstico de DM, ao longo do tempo. Para análise da aderência foram utilizadas as chamadas de frequência e para as medidas antropométricas utilizou-se as Planilhas de Avaliação Física do Programa. Foram avaliados 812 usuários, divididos nos grupos: “diabéticos” (GD) e “nāo-diabéticos” (GND). A avaliação física foi feita no início, 6 e 12 meses após inserção às atividades.  A presença às aulas foi semelhante entre os grupos GD e GND. No momento de entrada, as medidas de pressão arterial sistólica (PAS), peso (P), circunferência abdominal (CA) e índice de massa corporal (IMC) do GD foram significativamente maiores do que GND (p = 0,008, 0,001, < 0,001 e < 0,000, respectivamente). Após 12 meses, GD e GND apresentaram diminuição significante de CA (p = 0,037 e p = 0,005, respectivamente). Em conclusão, no PAC da Regional Nordeste de Belo Horizonte, após 12 meses, GD e GND apresentaram aderência semelhante às aulas, havendo redução significativa para CA. Sugere-se um estudo por maior tempo para identificar resultados mais robustos às demais variáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2017-2018. São Paulo: Editora Clannad; 2017.

International Diabetes Federation. IDF Atlas. 7th ed. Brussels, Belgium: International Diabetes Federation; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Coelho CF, Burini RC. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Rev Nutr. 2009;22(6):937-46.

Matsudo SM, Matsudo VR, Neto TLB. Efeitos benéficos da atividade física na aptidão física e saúde mental durante o processo de envelhecimento. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2000;5(2):60-6

Colberg SR, Sigal RJ, Fernhall B, Regensteiner JG, Blissmer BJ, Rubin RR, et al. Exercise and Type 2 Diabetes - The American College of Sports Medicine and the American Diabetes Association: joint position statement. Diabetes Care. 2010;33:2692-6.

Lemos ET, Nunes S, Teixeira, F, Reis, F. Regular physical exercise training assists in preventing type 2 diabetes development: focus on its antioxidant and anti-inflammatory properties. Cardiovasc diabetol. 2011;10:12.

Forechi L, Mill JG, Griep RH, Santos I, Pitanga F, Molina MCB. Adherence to physical activity in adultsvwith chronic diseases: ELSA-Brasil. Rev. Saúde Públ. 2018;52:31.

Fernandes AP, Andrade ACS, Ramos CGC, Friche AAL, Dias MAS, Xavier CC, et al. Atividade física de lazer no território das Academias da Cidade, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: o efeito da presença de um programa de promoção da saúde na comunidade. Cad. Saúde Pública. 2015;31:1-13.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Avaliação de Efetividade de Programas de Atividade Física no Brasil. Brasília; 2011.

Liz CM, Crocetta TB, Viana MS, Brandt R, Andrade A. Aderência à prática de exercícios físicos em academias de ginástica. Motriz. 2009;16(1):181-8.

Mendes TAB, Goldbaum M, Segri NJ, Barros MBA, Cesar CLG, Carandina L, et al. Diabetes mellitus: fatores associados à prevalência em idosos, medidas e práticas de controle e uso dos serviços de saúde em São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2011;27(6):1233-43.

Silva KL, Sena R, Matos J, Lima K, Silva P. Acesso e utilização da Academia da Cidade de Belo Horizonte: perspectiva de usuários e monitores. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19 (6):700-10.

Costa, BVL, Mendonça RD, Santos LC, Peixoto SV, Alves M, Lopes ACS. Academia da Cidade: um serviço de promoção da saúde na rede assistencial do Sistema Único de Saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2013;18(1):95-102.

Lee I-Min, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Impact of physical inactivity on the world’s major non-communicable diseases. Lancet. 2012;380(9838): 219–29.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010

Anais eletrônicos. Belo Horizonte: Prefeitura de Belo Horizonte; 2020. [citado em 2020 mai 27]. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/saude.

Thomas N, Alder E, Leese GP. Barriers to physical activity in patients with diabetes. Postgrad Med J. 2004;80:287–91.

Costa BV, Bottcher LB, Kokubun E. Adesão a um programa de atividade física e fatores associados. Motriz. 2009;15(1):25-36.

Chen Y, Sloan FA, Yashkin AP. Adherence to diabetes guidelines for screening, physical activity and medication and onset of complications and death. J Diabetes Complications. 2015; 29(8):1228–33.

Eid LP, Leopoldino SAD, Oller GASAO, Pompeo DA, Martins MA, Gueroni LPB. Fatores relacionados às atividades de autocuidado de pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Esc Anna Nery. 2018;22(4):e20180046.

Faria HTG, Rodrigues FFL, Zanetti ML, Araújo MFM, Damasceno MMC. Fatores associados à adesão ao tratamento de pacientes com diabetes mellitus. Acta Paul Enferm. 2013; 26(3):231-7

Assunção TS, Ursine PGS. Estudo de fatores associados à adesão ao tratamento não farmacológico em portadores de diabetes mellitus assistidos pelo Programa Saúde da Família, Ventosa, Belo Horizonte. Ciênc. Saúde Colet. 2008;13:2189-97.

De Sá CA, Heizenb PG, Corraloa VS, Santos GAG, Soares NMM. Chronic effect of aerobic exercise on anthropometric, biochemical and hemodynamic variables in individuals with type 2 diabetes mellitus: a systematic review. Rev Andal Med Deporte. 2016;9(4):173–79.

Araujo MYC, Turi BC, Queiroz DC, Ferro IS, Bortolatto CR, Codogno JS. Type 2 diabetes, healthcare expenditures and its correlation with anthropometric factors and physica activity: 18-month follow-up in a Brazilian city. Motriz. 2018;24(1):e101867.

Turi BC, Bonfim MR, Codogno JS, Fernandes RA, Araújo LGM, Amaral SL, et al. Exercise, blood pressure and mortality: findings of eight years of follow-up. Rev Bras Med Esporte. 2017;23(2):133-6.

Machado CH, Carmo AS, Horta PM, Lopes ACS, Santos LC. Efetividade de uma intervenção nutricional associada à prática de atividade física. Cad. Saúde Colet. 2013;21(2): 148-53.

Turi BC, Codogno JS, Fernandes RA, Monteiro HL. Caminhada e gastos com saúde em adultos usuários do sistema público de saúde brasileiro: estudo transversal retrospectivo. Ciênc. Saúde Colet. 2015;20(11):3561-8.

Zaar A, Reis VM, Sbardelotto ML. Efeitos de um programa de exercícios físicos sobre a pressão arterial e medidas antropométricas. Rev Bras Med Esporte. 2014;20(1):13-6.

Jacobs-Van Der B, Bos G, Bemelmans WJ, Hoogenveen RT, Vijgen SM, Baan CA. Lifestyle Interventions Are Cost-Effective in People With Different Levels of Diabetes Risk. Diabetes Care. 2007;30(1):128-34.

Publicado
29-10-2020
Seção
Artigos Originais