Avaliação do grau de implantação do Programa Academia da Saúde no município de Bezerros, Pernambuco

  • Rafaela Niels da Silva Centro Universitário Tabosa de Almeida, Caruaru, Pernambuco, Brasil. Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Inovação Terapêutica, Recife, Pernambuco, Brasil.
  • Janaína Rodrigues de Oliveira Instituto de Desenvolvimento Educacional, Recife, Pernambuco, Brasil.
  • Renata Cecília Barbosa Carneiro Faculdade de Comunicação Tecnologia e Turismo, Olinda, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4351-723X
  • Shirlley Jackllanny Martins de Farias Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil.
  • Flávio Renato Barros da Guarda Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9214-7784
Palavras-chave: Sistema Único de Saúde, Avaliação em saúde, Promoção da saúde, Política de saúde

Resumo

O objetivo deste artigo foi avaliar o grau de implantação do Programa Academia da Saúde (PAS) na cidade de Bezerros, Pernambuco. Estudo descritivo de corte transversal, o qual se caracteriza como uma avaliação normativa da implantação do PAS em suas dimensões de estrutura e processo de trabalho. O estudo foi dividido em quatro etapas: i) validação de um modelo lógico para o programa; ii) elaboração das matrizes de indicadores e julgamento; iii) validação das matrizes por especialistas, e; iv) verificação do grau de implantação através de entrevistas. Utilizou-se um sistema de escores para descrever o grau de implantação como: 1) Incipiente: 0 > 33,3%; 2) Intermediário: > 33,3 < 66,6%; 3) Avançado: > 66,6%.  O grau de implantação do PAS em Bezerros foi considerado intermediário (55,0%), sendo que a dimensão estrutura obteve um escore maior (64,7%) que a de processo de trabalho (48,6%). Critérios como insumos para a realização das atividades no território e para o aumento do nível de atividade física da população obtiveram pontuação máxima na avaliação, porém, outros elementos de estrutura como a existência de protocolos de ação e monitoramento das ações, assim como de processo de trabalho relativos à mobilização da comunidade e desenvolvimento de ações nas linhas de cuidado obtiveram baixo grau de implantação. O grau de implantação verificado denota a necessidade de qualificação profissional e reorientação das intervenções visando o aperfeiçoamento das atividades de promoção da saúde, e a ampliação das possibilidades de atuação sobre os demais objetivos específicos do programa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Wang H, NaghavI M, Allen C, Barber RM, Abhutta Z, Carter A, et al. Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980–2015: a systematic analysis for the global burden of disease study 2015. Lancet. 2016;388(10053):1459-44.

Malta DC, Bernal RTI, Lima MG, Araújo SSC, Silva MMA, Freitas MIF, et al. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Rev. Saúde Pública. 2017;51(Suppl 1):S4.

Malta DC, Silva MMA, Albuquerque GM, Lima CM, Cavalcante T, Jaime PC, et al. A implementação das prioridades da Política Nacional de Promoção da Saúde, um balanço, 2006 a 2014. Cien Saude Colet. 2014;19(11):4301–12.

Sá GBAR, Dornelles GC, Cruz KG, Amorim RCA, Andrade SSCA, Oliveira TP, et al. O Programa Academia da Saúde como estratégia de promoção da saúde e modos de vida saudáveis: cenário nacional de implementação. Cien Saude Colet. 2016;21(6):1849–60.

Malta DC, Oliveira TP, Santos MAS, Andrade SSCA, Silva MMA. Progress with the Strategic Action Plan for Tackling Chronic Non-Communicable Diseases in Brazil, 2011-2015. Epidemiol. Serv. Saúde. 2016;25(2):373-90.

Hartz ZMA, Silva LMV. Avaliação em Saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação de programas e sistemas de saúde.4ª ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2014.

Donabedian A. Explorations in quality assessment and monitoring.3ª ed. Ann Arbor:Health Administration Press, 1988.

Donabedian A. Evaluating the quality of medical care. Milbank Q. 2005;83(4):691–729.

Silva RN, Guarda FRB, Hallal PC, Martelli PJ L. Avaliabilidade do Programa Academia da Saúde no Município do Recife, Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública.2017;33(4): e00159415.

DATASUS. Morbidade hospitalar do SUS - por local de residência –Pernambuco. Brasília. Ministério da Saúde; 2016. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/nrpe.def [2018 julho].

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 2.681, de 7 de novembro de 2013. Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [portaria na internet]. Diário Oficial da União 8 de novembro de 2013 [acesso 2019 abr 02]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2681_07_11_2013.html.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 2.684, de 8 de novembro de 2013. Redefine as regras e os critérios referentes aos incentivos financeiros de investimento para construção de polos e de custeio no âmbito do Programa Academia da Saúde e os critérios de similaridade entre Programas [portaria na internet]. Diário Oficial da União 9 de novembro de 2013 [acesso 2019 abr 02]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2684_08_11_2013.html.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. Cidades; 2016. [citado em 2018 dez. 02]. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=260190&lang=.

DATASUS. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Consulta Estabelecimento – Identificação. Ministério da Saúde; 2016.Disponível em: <http://cnes.datasus.gov.br/pages/estabelecimentos/consulta.jsp> [2018 julho].

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria n° 2.436, de 22 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica [portaria na internet]. Diário Oficial da União 23 de setembro de 2017[acesso em 15 de janeiro de 2019]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n°2.446 de 11 de novembro de 2014. Política Nacional de Promoção da Saúde - PNPS: revisão da Portaria MS/GM n° 687, de 30 de março de 2006. [portaria na internet]. Diário Oficial da União 12 de novembro de 2014 [acesso 2019 jan 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnps_revisao_portaria_687.pdf.

Silva LMV, Hartz ZMA, Chaves SCM, Silva GAP. Metodologia para análise da implantação de processos relacionados à descentralização da atenção à saúde no Brasil. In: Hartz ZMA, Silva LMV, organizadoras. Avaliação em saúde: dos modelos teóricos à prática na avaliação de programas e sistemas de saúde.1ª ed. Salvador: EDUFBA/Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005. p. 207-53.

Jannuzzi PDM. Monitoramento e avaliação de programas sociais: uma introdução aos conceitos e técnicas.1ª ed. Campinas: Editora Alínea, 2016.

Sancho LG, Dain S. Avaliação em Saúde e Avaliação Econômica em Saúde: introdução ao debate sobre seus pontos de interseção. Cien Saude Colet. 2012;17(3): 765-74.

Guarda FRB, Silva RN, Feitosa WMN, Santos Neto PM, Araújo Júnior J. Caracterização das equipes do Programa Academia da Saúde e do seu processo de trabalho. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2015;20(6):638–40.

Brasil EGM, Silva RM, Silva MRF, Rodrigues DP, Queiroz MVO. Promoção da saúde de adolescentes e Programa Saúde na Escola: complexidade na articulação saúde e educação. Rev. esc. enferm. 2017;51(1):3230-76.

Guarda FRB, Silva RN, Feitosa WMN, Farias J, Santos Neto PM, Araújo Júnior J. Self-perception of the objective, object and work products of Physical Education Professionals belonging to the Academia da Saúde Programa. Rev Bras Ativ Fis Saude. 2016;21(5):400–9.

Ministério da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina. Curso de aperfeiçoamento: implementação da política de promoção da saúde: programa academia da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. Disponível em:< http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/curso_aperfeicoamento_academia.pdf>[2019 janeiro].

Publicado
31-12-2020
Seção
Artigos Originais