Job satisfaction and absenteeism of professionals in the Academia da Cidade Program in Brazil

  • Amanda Emmanuelly de Melo Tavares Albuquerque Programa Academia da Cidade. Secretaria Municipal de Saúde do Recife. Escola Superior de Educação Física, Universidade de Pernambuco. https://orcid.org/0000-0003-4316-9570
  • Bruno César Rodrigues da Silva Programa Academia da Cidade. Secretaria Municipal de Saúde do Recife. Escola Superior de Educação Física, Universidade de Pernambuco, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-6785-2983
  • Emmanuelly Correia de Lemos Escola de Governo em Saúde Pública de Pernambuco. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. Escola Superior de Educação Física, Universidade de Pernambuco, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1450-6160
  • Vanessa Luiza Gomes de Moura Programa Academia da Cidade. Secretaria Municipal de Saúde do Recife. Escola Superior de Educação Física, Universidade de Pernambuco, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0647-2477
  • Charles Barbosa Gomes da Silva Programa Academia da Cidade. Secretaria Municipal de Saúde do Recife. Escola Superior de Educação Física, Universidade de Pernambuco, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3657-915X
  • Alany de Mesquita Marins Programa Academia da Cidade. Secretaria Municipal de Saúde do Recife. Escola Superior de Educação Física, Universidade de Pernambuco, Pernambuco, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7381-9792

Resumo

O objetivo do estudo foi descrever o nível de satisfação e o absenteísmo no trabalho dos profissionais do Programa Academia da Cidade (PAC). Para isso, foi realizado um estudo transversal, descritivo, de abordagem mista. Para coleta de dados foi utilizado um questionário autoaplicado para 104 profissionais do Programa em Recife, Pernambuco.  Para análise dos dados quantitativos foi utilizado o software SPSS v.10.0, sendo os resultados em frequências relativas e absolutas. Para as questões abertas sobre satisfação no trabalho foi realizada análise de conteúdo. Os profissionais afirmaram estarem satisfeitos no trabalho tanto do ponto de vista da gestão do Programa (66,3%), quanto de uma maneira global (63,5%).  O vínculo com os usuários, a atuação na promoção da saúde e a equipe de trabalho foram os aspectos que mais influenciaram positivamente a satisfação no trabalho e de forma contrária, a estrutura física e material, a gestão macro municipal e o salário foram os que contribuíram para a insatisfação dos profissionais. O absenteísmo por licença médica (57,7%) foi o motivo principal do afastamento dos profissionais do trabalho e não tiveram o apoio da equipe especializada em saúde do trabalhador da secretaria de saúde municipal.  Pode-se afirmar que os profissionais estavam satisfeitos com o trabalho no PAC, porém as condições de trabalho, a remuneração e a valorização da gestão são aspectos que devem ser melhorados. Faz-se necessário também o cuidado ao cuidador, já que o absenteísmo por causas médicas, afastaram quase metade dos profissionais no período estudado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lemos EC, Gouveia GC, Luna CF. Programa Academia da Cidade: a experiência do Recife. In: Gurgel IGD, Medeiros KR, Aragão AV, Santana RM (eds). Gestão em Saúde Pública: Contribuições para a Política. Recife: Editora UFPE; 2014.p. 139-53.

Prefeitura da cidade do Recife. Lei 17400 de 2007. [citado em 2020 abr 21]. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/pe/r/recife/lei-ordinaria/2007/1740/17400/lei-ordinaria-n-17400-2007-cria-cargos-efetivos-no-ambito-da-administracao-direta-do-municipio?q=17400.

Fischborn AF, Cadoná MA. Trabalho e autonomia dos trabalhadores em saúde: considerações sobre pressupostos teórico e metodológicos de análise do trabalho em saúde. Saúde Soc. 2018;27(1):227-37.

Brasil. Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Portaria GM/MS n° 1.823, 23 de agosto de 2012. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 165, p.46-51, 24 ago.2012. Seção 1. [citado em 2020 abr 10]. Disponível em: http://fasubra.org.br/wp-content/uploads/2014/11/Portaria_1823_12_institui_politica.pdf.

Oliveira IB, Ribeiro AB, Afonso MR. Satisfação com a profissão: um estudo com professores de Educação Física. Pensar a Prát. 2018;21(1):82-95.

Gerring Junior G, Corrêa Filho HR, Vieira Neto JD, Ferreira NA, Vieira SVR. Absenteísmo-doença entre profissionais de enfermagem da rede básica do SUS Campinas. Rev Bras Epidemiol. [online].2007;10(3):401–9.

Mohr PA, Guimarães AV, Barbosa AR. Sintomas de distúrbios osteomusculares em profissionais de educação física, atuantes em academias de Florianópolis-SC. Rev Bras Ciênc. Esporte [online]. 2011;33(4):1041–53.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: Anexo I da Portaria de Consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017, que consolida as normas sobre as políticas nacionais de saúde do SUS/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. [citado em 2020 abr 22]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude.pdf.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 3a ed. Lisboa: Edições 70, 2011.

Rodrigues JD, Ferreira DK, Farias Junior JC, Caminha IO, Florindo AA, Loch MR. Perfil e atuação do Profissional de Educação Física nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família na região metropolitana de João Pessoa, PB. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015; 20(4):352-65.

Oliveira DCR, Lemos EC, Silva CRM, Tassitano RM. Professional competency of the professionals of physical activity programs of the Pernambuco primary health care. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2018;23:e0022.

Neves RLR, Assumpção LOT. Formação e intervenção profissional em saúde pública: percepções de profissionais de Educação Física. Movimento. 2017;23(1):201-12.

Capelo R, Pocinho M. Autoeficácia docente: predição da satisfação dos professores. Educar Rev. 2014;54:175-84.

Farias GO, Both J, Folle A, Pinto MG, Nascimento JV. Satisfação no trabalho de professores de educação física do magistério público municipal de Porto Alegre. Rev Bras Ciênc Mov. 2015;23(3):5-13.

Nunes MDF, Freire, MDCM. Qualidade de vida de cirurgiões-dentistas que atuam em um serviço público. Rev Saúde Pública. 2006;40(6):1019-26.

Valle IR. Carreira do magistério: uma escolha profissional deliberada? Rev Bras Estud Pedag. 2006;87(216):178-87.

Hallal, PC, Carvalho YM, Tassitano RM, Tenório MCM, Warschauer M, Reis RS, et al. Avaliação quali-quantitativa do programa Academia da Cidade, Recife (PE): concepções dos professores. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2009;14(1):9-14.

Soratto J, Pires DEP, Scherer MDA, Witt RR, Ceretta LB, Farias JM. Satisfação dos profissionais da Estratégia saúde da família no Brasil: um estudo qualitativo. Texto contexto enferm. 2020;29,e20180104:1-12.

Rocha JFDR, Evangelista BMP, Ferreira BL, Costa FM, Carneiro JA. A satisfação profissional da equipe de enfermagem: uma revisão de literatura. EFDesportes.com, Rev Dig. 2015;19:202.

Tambasco LDP, Silva HSD, Pinheiro KMK, Gutierrez BAO. A satisfação no trabalho da equipe multiprofissional que atua na Atenção Primária à Saúde. Saúde Debate. 2017;41:140-51.

Assunção AÁ, Pimenta AM. Job satisfaction of nursing staff in the public health network in a Brazilian capital city. Ciênc Saú Colet. 2020;25(1):169-80.

Saporetti GM, Miranda PSC, Belisário SA. The physical education professional and the promotion of health at family health support centers. Trab Educ Saúde. 2016;14(2);523-43.

Guarda FRB, Silva RN, Feitosa WMN, Santos Neto PM, Araújo Junior JLAC. Characterization of physical activity program teams and their work process. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(6):638-46.

Leão AL, Barbosa-Branco A, Neto EL; Ribeiro CA, Turchi, MD. Absenteísmo-doença no serviço público municipal de Goiânia. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(1):262-77.

Publicado
24-12-2020
Seção
Artigos Originais