Efetividade de uma intervenção na promoção de estilo de vida de servidores públicos

Palavras-chave: Saúde do trabalhador, Promoção da saúde, Atividade motora, Dieta saudável, Educação em saúde

Resumo

Este estudo teve por objetivo avaliar o alcance e a efetividade do programa de mudança de comportamento denominado “Vida Ativa Melhorando a Saúde” – VAMOS (versão 2.0) em servidores públicos técnico-administrativos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Trata-se de um estudo de intervenção, do tipo quase experimental, realizado com 35 servidores divididos em grupo intervenção (GI = 22) e controle (GC = 13). O GI participou durante seis meses da intervenção VAMOS e o GC recebeu informações em um único momento sobre a importância de comportamentos saudáveis. O alcance e a efetividade da intervenção foram avaliados por meio da ferramenta RE-AIM. Foram realizadas medidas de pré e pós-intervenção para avaliar o nível de atividade física, o comportamento alimentar, a antropometria e a qualidade de vida. Para a análise dos dados foi utilizado o teste qui-quadrado, análise de variância two way para medidas repetidas e método de equações de estimações generalizadas (p < 0,05). As análises dos dados foram realizadas no programa IBM® versão 22.0. O alcance da intervenção foi de 14,5%. Em relação a efetividade, o GI diminuiu o tempo gasto em comportamento sedentário e aumentou a atividade física de intensidade moderada/vigorosa, elevou o consumo de alimentos saudáveis, reduziu as medidas antropométricas e melhorou a percepção da qualidade de vida positiva. Por meio de orientações educacionais sobre a importância da adesão de comportamentos saudáveis relacionados a atividade física e alimentação, o VAMOS promoveu mudanças de comportamentos que produziram impactos positivos na saúde dos servidores públicos técnico-administrativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Vitor de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Educação Física, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Possui graduação em Educação Física - Bacharelado pela Universidade Federal de Santa Catarina (2020). Tem experiência na área da atividade física relacionada à saúde, atuando principalmente com os seguintes temas: saúde pública, promoção da saúde, programas e promoção da atividade física no SUS. Durante a faculdade teve diversas expêriencias dentre elas, foi: bolsista de extensão, bolsista de Iniciação Cientifica e bolsista de monitoria.

Referências

Harris RE. Epidemiology of Chronic Disease: global perspectives. 2 ed. Jones & Bartlet Learning, 2019.

Nilson EAF, Andrade RDCS, de Brito DA, de Oliveira ML. Custos atribuíveis a obesidade, hipertensão e diabetes no Sistema Único de Saúde, Brasil, 2018. Rev Panam Salud Publica. 2020;44:e32.

Ogata AJN. Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho. Rev Bras Med Trab. 2018;16(Suppl1):1-44.

Global Commission on the Future of Work. International Labour Organization. Work for a brighter future. Geneva: ILO, 2019. 78 p.

Santi DB, Barbieri AR, Cheade MFM. Absenteísmo-doença no serviço público brasileiro: uma revisão integrativa da literatura. Rev Bras Med Trab. 2018;16(1):71-81.

Santa-Marinha MS, Teixeira LR, Maciel EMGS, Moreira MFR. Perfil epidemiológico do absenteísmo-doença na Fundação Oswaldo Cruz no período de 2012 a 2016. Rev Bras Med Trab. 2018;16(4):457-65.

Berria J, Petroski Edio L, Minatto G. Excesso de peso, obesidade abdominal e fatores associados em servidores de uma Universidade Federal Brasileira. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2013;15(5):535-50.

Gonçalves ECA, Silva DAS, Nunes HEG, Lima TR, Capdeboscq MC, Rinaldi W. Overweight and factors associated in civil servants from Southern Brazil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2016;18(3):277-86.

Biswas A, Oh PI, Faulkner G, Bajaj R, Silver M, Mitchell M et al. Sedentary Time and Its Association with Risk for Disease Incidence, Mortality, and Hospitalization in Adults. Ann Intern Med. 2015;162(2):123-32.

Azevedo ECC, Dias FMRS, Diniz AS, Cabral PC. Consumo alimentar de risco e proteção para as doenças crônicas não transmissíveis e sua associação com a gordura corporal: um estudo com funcionários da área de saúde de uma universidade pública de Recife (PE), Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(5):1613-22.

Mendes NCF, Matias-Pereira J. Absenteísmo E Contabilidade Pública: Um Estudo Teórico. Revista Eletrônica De Estratégia & Negócios. 2000;13,156-83.

Benedetti T, Manta S, Gomez L, Rech C. Logical model of a behavior change program for community intervention – Active Life Improving Health – VAMOS. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(3):309-13.

Borges RA, Tomicki C, Almeida FA, Schwingel A, Chodzko-Zajko W, Benedetti TRB. Alcance do programa “VAMOS” na atenção básica-barreiras e facilitadores organizacionais. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2019;22(3):e180225.

Almeida F, Brito F, Estabrooks P. Modelo RE-AIM: Tradução e Adaptação cultural para o Brasil. Rev Fam Ciclos Vida E Saúde No Contexto Soc. 2013;1(1):6-16.

Choi L, Liu Z, Matthews C, Buchowski M. Validation of Accelerometer Wear and Nonwear Time Classification Algorithm. Med Sci Sports Exerc. 2011;43(2):357-64.

Freedson P, Melanson E, Sirard J. Calibration of the Computer Science and Applications, Inc. accelerometer. Med Sci Sports Exerc. 1998;30(5):777-81.

Silva MC, Ribeiro CG, Benedetti TRB. VAMOS program: instruments for measuring physical activity, feeding and anthropometry. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2020;22:e58256.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO; 1998.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chamovich E, Vieira G, Santos L et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida "WHOQOL-bref". Rev Saúde Pública. 2000;34(2),178-83.

Gerage AM, Benedetti TRB, Ritti-Dias RM, Dos Santos ACO, Souza BCC, Almeida FA. Effectiveness of a behavior change program on physical activity and eating habits in patients with hypertension: A randomized controlled trial. J Phys Act Health. 2017;14(12):943-52.

Meurer ST, Lopes ACS, Almeida FA, Mendonça RDD, Benedetti TRB. Effectiveness of the VAMOS Strategy for Increasing Physical Activity and Healthy Dietary Habits: a randomized controlled community trial. Health Educ. Behav. 2019;46(3):406-16.

Konrad LM, Tomicki C, Ribeiro CG, Bezerra JB, Maciel EC, Rech CR et. al. Length of stay in a behavior change program in Primary Health Care: “VAMOS” Program. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24:e0090.

Costa MAP, Vasconcelos AGG, Fonseca MJM. Prevalência de obesidade, excesso de peso e obesidade abdominal e associação com prática de atividade física em uma universidade federal. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(2):421-36.

Ku PW, Hamer M, Liao Y, Hsueh MC, Chen LJ. Device‐measured light‐intensity physical activity and mortality: A meta‐analysis. Scand J Med Sci Sports, 2019;30(1),13-24.

Organização Mundial da Saúde. Global recommendations on physical activity for health. Genebra: OMS, 2010.

Sarkar S, Taylor WC, Lai D, Shegog R, Paxton RJ. Social support for physical activity: Comparison of family, friends, and coworkers. Work. 2016;55(4):893‐99.

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Guia Alimentar para a População Brasileira. Brasília, Brasil: Ministério da Saúde; 2014.

Cembranel F, Hallal ALC, González-Chica DA, d’Orsi E. Relação entre consumo alimentar de vitaminas e minerais, índice de massa corporal e circunferência da cintura: um estudo de base populacional com adultos no Sul do Brasil. Cad. saúde pública. 2017;33:e00136616.

Tomicki C, Gerage AM, Ritti-Dias RM, Silva DAS, Benedetti TRB. Diagnostic property of anthropometric indicators in the prediction of high body fat estimated by DXA in hypertensive women. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2017;19(3),299-308.

Van der Starre RE, Coffeng JK, Hendriksen IJ, van Mechelen W, Boot CR. Associations between overweight, obesity, health measures and need for recovery in office employees: a cross-sectional analysis. BMC Public Health. 2013;13(1),1-8.

Publicado
09-11-2020
Seção
Artigos Originais