Qualitative analysis of the health promotion work in a Academia da Saúde programme's unit

  • Heidi Jancer Ferreira São Paulo State University, Post-graduate Program of Human Movement Sciences, Rio Claro, São Paulo, Brazil. Federal Institute of Education, Science and Technology of South of Minas Gerais, Poços de Caldas, Minas Gerais, Brazil. https://orcid.org/0000-0002-8450-0197
  • David Kirk University of Strathclyde, School of Education, Glasgow, United Kingdom. University of Queensland, School of Human Movement and Nutrition Sciences, Brisbane, Australia. https://orcid.org/0000-0001-9884-9106
  • Alexandre Janotta Drigo São Paulo State University, Post-graduate Program of Human Movement Sciences, Rio Claro, São Paulo, Brazil. https://orcid.org/0000-0001-8744-1914

Resumo

O programa Academia da Saúde tem sido considerado uma importante estratégia de promoção da saúde no âmbito da atenção primária à saúde no Brasil. Entretanto, existem poucas evidências sobre quais e como práticas profissionais têm sido desenvolvidas como forma de operacionalizar processos de promoção da saúde no programa. O objetivo do estudo foi analisar o trabalho de promoção da saúde em uma unidade do programa Academia da Saúde de Lajeado, Brasil. O estudo empregou uma abordagem qualitativa e o método de pesquisa da teoria fundamentada nos dados. Os participantes incluíram uma profissional de Educação Física (32 anos), uma coordenadora de centro de saúde (41 anos) e oito usuários (2 homens, 6 mulheres, 30-69 anos). Os dados foram coletados por meio do trabalho de campo condensado, envolvendo entrevistas e observação não-participante das atividades coletivas. Utilizando a teoria da salutogênese, a análise qualitativa gerou os resultados sobre os elementos do trabalho de promoção da saúde, a saber: cuidado holístico, uso da diversificação em atividades cognitivas, psicossociais e físicas, desenvolvimento de habilidades e capacidades que serviram como recursos de saúde, e a ocorrência de resistências e desafios no programa. Além disso, os resultados ofereceram exemplos práticos de possibilidades para mobilizar o processo de promoção da saúde, o que representa uma contribuição significativa para o conhecimento sobre o trabalho em saúde. O estudo pode subsidiar intervenções futuras e a formação profissional, indicando caminhos alternativos para profissionais e estudantes de graduação ampliarem o escopo das ações de promoção da saúde para além da dimensão biofísica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Hallal PC. Academia da Saúde: mais um passo na direção certa. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2011;16(2):92.

Guarda FRB, Silva RN, Feitosa WMN, Santos Neto PM, Araújo Júnior JLAC. Caracterização das equipes do Programa Academia da Saúde e do seu processo de trabalho. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;20(6):638-49.

Sá GBAR, Dornelles GC, Cruz KG, Amorim RCA, Andrade SSCA, Oliveira TP, et al. The Health Academy Program as a strategy to promote health and healthy lifestyles: the national implementation scenario. Ciênc. Saúde Colet. 2016;21(6):1849–60.

Ministério da Saúde. Portaria n. 2.681, de 7 de novembro de 2013: redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. 2013. [citado em 2020 mai 7]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2681_07_11_2013.html

Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério de Saúde, 2014.

Lopes ACS, Ferreira AD, Mendonça RD, Dias MAS, Rodrigue RCLC, Santos LC. Estratégia de Promoção à Saúde: Programa Academia da Cidade de Belo Horizonte. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(4):379–84.

Florindo AA, Reis RS, Farias Junior JC, Siqueira FV, Nakamura PM, Hallal PC. Description of health promotion actions in Brazilian cities that received funds to develop “Academia da Saúde” program. Rev. Bras Cineantropom Cesempenho Hum. 2016;18(4):483-92.

Maciel MG, Saraiva LAS, Silva MM, Vieira Junior PR. Avaliação de desempenho do Programa Academia da Saúde em Belo Horizonte: um estudo de caso. Movimento (Porto Alegre). 2019;25:e25026.

Melo EHR, Guarda FRB, Feitosa WMN, Menezes VG. Classifying the types of evidence produced on the Academia da Cidade Program: a scoping review. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24:e0076.

Feitosa WMN, Guarda FRB, Konrad LM, Gonçalves WSF, Martelli PJL, Araújo Júnior JLAC. Users’ perception of actions, improvement in quality of life and satisfaction with the Academia da Cidade Program. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(5):461–69.

Silva KL, Sena RR, Matos JAV, Lima KMSV, Silva PM. Acesso e utilização da Academia da Cidade de Belo Horizonte: perspectiva de usuários e monitores. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19(6):700-10.

Guarda FRB, Silva RN, Feitosa WMN, Farias JM, Santos Neto PM, Araújo Júnior JLAC. Self-perception of the objective, object and work products of Physical Education Professionals belonging to the Academia da Saúde Program. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(5):400–9.

Ivo MAS, Malta DC, Freitas MIF. Modos de pensar dos profissionais do Programa Academia da Saúde sobre saúde e doença e suas implicações nas ações de promoção de saúde. Physis (Rio J.). 2019;29(1):1–20.

Silva RN, Guarda FRB, Hallal PC, Martelli PJL. Avaliabilidade do programa academia da saúde no município do Recife, Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2017;33(4): e00159415.

Melo VMC, Lemos EC, Marins AM, Silva BCR, Albuquerque AEMT, Aros LJL, et al. Performance of physical education professionals from the Academia da Cidade Program in primary health care in Recife. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(5):483–93.

Lemos EC, Bastos LLAG, Silva GB, Luna CF, Gouveia GC. Factors associated with adherence to the Academia da Cidade Program in Recife. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(5):470–82.

Charmaz K. Constructing grounded theory: a practical guide through qualitative analysis. London: Sage Publications, 2006.

Stenhouse L. The conduct, analysis and reporting of case study in educational research and evaluation. In: Mccormick R. et al. (Eds.). Calling education to account. London: Heinemann Educational Books, 1982. p. 261–73.

Rink J. Teaching Physical Education for learning. New York: McGraw-Hill Education, 2020.

Kolb SM. Grounded theory and the constant comparative method: Valid research strategies for educators. J. Emerging Trends Educ. Res. Policy Studies.2012;3(1):83-6.

Antonovsky A. Health, stress and coping. London: Jossey-Bass, 1979.

Antonovsky A. Unravelling the mystery of health: how people manage stress and stay well. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1987.

Antonovsky A. The salutogenic model as a theory to guide health promotion. Health Promot. Int. 1996;11(1):11–8.

Mccuaig L, Quennerstedt M. Health by stealth: exploring the sociocultural dimensions of salutogenesis for sport, health and physical education research. Sport Educ Soc. 2018;23(2):111–22.

Romeiro C, Nogueira J, Tinoco S, Carvalho K. O modelo lógico como ferramenta de planejamento, implantação e avaliação do programa de Promoção da saúde na estratégia de saúde da família do Distrito Federal. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(1):132-42.

Mcevoy L, Duffy A. Holistic practice:a concept analysis. Nurse Educ. Pract. 2008;8(6):412–9.

Pettigrew S, Burton E, Farrier K, Hill AM, Bainbridge L, Airey P, et al. Encouraging older people to engage in resistance training: a multi-stakeholder perspective. Ageing Soc. 2019;39(8):1806-25.

Rai R, Jongenelis MI, Jackson B, Newton RU, Pettigrew S. Factors influencing physical activity participation among older people with low activity levels. Ageing soc. 2019:1-21.

Ericson H, Quennerstedt M, Skoog T, Johansson M. Health resources, ageing and physical activity: a study of physically active women aged 69–75 years. Qual. Res. Sport Exerc. Health. 2018;10(2):206–22.

Paiva Neto FT, Mazo GZ, Sandreschi PF, Petreça DR, Rech CR. Barriers to implementation of Academia da Saúde program in Santa Catarina. J. Phys. Educ. (Maringá). 2019;30(1):1–10.

Publicado
21-11-2020
Seção
Artigos Originais