Health- and skill-related physical fitness profile of Brazilian children and adolescents: a systematic review

  • Augusto Pedretti Projeto Esporte Brasil. Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Universidade Regional do Cariri, Departamento de Educação Física, Crato, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3003-7560
  • Júlio Brugnara Mello Projeto Esporte Brasil. Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Faculdade Sogipa, Departamento de Educação Física, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3013-1760
  • Anelise Reis Gaya Projeto Esporte Brasil. Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8335-6947
  • Alessandro Pedretti Escola Municipal Newton Tavares, Boa Vista, Roraima, Brasil.
  • Adroaldo Cezar Araujo Gaya Projeto Esporte Brasil. Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação Física, Fisioterapia e Dança, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5941-5089

Resumo

O Projeto Esporte Brasil (PROESP-Br) propõe, desde 1994, uma bateria de medidas e testes para avaliação de escolares entre seis e 17 anos com o objetivo de delinear o perfil de crianças e jovens brasileiros no que se refere a aptidão física relacionada à saúde e ao desempenho motor. O objetivo deste estudo foi delinear o perfil da aptidão física de crianças e jovens brasileiros a partir de uma revisão sistemática da literatura sobre artigos que utilizaram da proposta do PROESP-Br. A busca foi realizada na PubMed, ScienceDirect, Lilacs, SciELO e Google Acadêmico. Estudos originais publicados entre 1994 e 2017 acerca da aptidão física (saúde e/ou desempenho motor) de escolares (crianças e/ou adolescentes) que utilizaram a bateria de testes do PROESP-Br foram incluídos. Um total de 13.582 sujeitos foram avaliados quanto a saúde e 276 quanto ao desempenho motor nos 18 estudos incluídos. A qualidade metodológica foi avaliada uma versão adaptada da Newcastle-Ottawa quality assessment scale. Os resultados evidenciam que 27-30% dos jovens estão na “zona de risco” à saúde para o Índice de Massa Corporal (IMC), 70% para a aptidão cardiorrespiratória (ApC) e 50 e 65% para flexibilidade e força muscular localizada (FML), respectivamente. Os dados sobre o desempenho motor são inconsistentes nesta revisão de literatura. Em síntese, os resultados indicam baixos níveis de saúde cardiovascular (IMC/ApC), principalmente quanto à ApC, assim como baixos níveis de saúde musculoesquelética (flexibilidade/FML) dos jovens. Ressalta-se a escassez de estudos quanto ao desempenho motor impossibilitando delinear o perfil dos componentes deste construto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gaya A. Mas afinal, o que é Educação Física? Movimento (UFRGS ONLINE). 1994;1(1):29-34.

Brasil. Pesquisa nacional de saúde do escolar: 2015. 1th ed. Rio de Janeiro: IBGE; 2016. [citado em 2020 abr 29]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv97870.pdf.

Brasil. Relatório de desenvolvimento humano nacional - movimento é vida: atividades físicas e esportivas para todas as pessoas: 2017. 1th ed. Brasília: PNUD; 2017. [citado em 2020 abr 29]. Disponível em: http://movimentoevida.org/wp-content/uploads/2017/09/PNUD_RNDH_completo.pdf.

U.S. Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion and Division of Adolescent and School Health Strategies to Improve the Quality of Physical Education: United States 2010 [citado em 2020 abr 29] Disponível em: https://wwwcdcgov/healthyschools/pecat/quality_pe.pdf.

Lloyd RS, Oliver JL. The youth physical development model: A new approach to long-term athletic development. Strength Cond J. 2012;34(3):61-72.

Lloyd RS, Oliver JL, Radnor JM, Rhodes BC, Faigenbaum AD, Myer GD. Relationships between functional movement screen scores, maturation and physical performance in young soccer players. J Sports Sci. 2015;33(1):11-9.

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health: Switzerland. 2010. [citado em 2020 abr 29]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44399/9789241599979_eng.pdf?sequence=1.

Janssen I, LeBlanc AG. Systematic review of the health benefits of physical activity and fitness in school-aged children and youth. Int J Behav Nutr Phy. 2010;7:40.

García-Hermoso A, Ramírez-Campillo R, Izquierdo M. Is muscular fitness associated with future health benefits in children and adolescents? A systematic review and meta-analysis of longitudinal studies. Sports Med. 2020;174:6.

PROESP-Br. Manual de testes e avaliação: 2016. 5th ed. Porto Alegre: PROESP-Br; 2016. [citado em 2020 abr 28]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/proesp/arquivos/manual-proesp-br-2016.pdf

Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG, Group P. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. PLoS Med. 2009;6:7.

Ottawa Hospital Research Institute. The Newcastle-Ottawa Scale (NOS) for assessing the quality of nonrandomised studies in meta-analyses: Canada. 2014. [citado em 2020 abr 29]. Disponível em: http://www.ohri.ca/programs/clinical_epidemiology/oxford.asp.

Moreira CD, Sperandio BB, de Almeida TF, Ferreira EF, Soares LA, de Oliveira RAR. Nível de aptidão física para o desempenho esportivo em participantes adolescentes do projeto esporte em ação. Rev Bras Prescrição Fisiol Exerc. 2017;11(64):74-82.

Souza-Bezerra E, Machado JCBP, Benarros M, Rossato M. Diferenças entre capacidades físicas de crianças praticantes de futsal e da Educação Física. Lect Educ Fís. 2013;18:183.

Silva LVM, Packe C, Tkac C, Braga RK, Urbinati KS. Associação entre variáveis de composição corporal e aptidão física em adolescentes. Rev Atenção Saúde. 2014;12(41):363-6.

Bergmann GG, Gaya A, Halpern R, Bergmann ML, Rech RR, Constanzi CB, et al. Circunferência da cintura como instrumento de triagem de fatores de risco para doenças cardiovasculares em escolares. J Pediatr. 2010;86(5):411-6.

Bergmann GG, Gaya A, Halpern R, Bergmann M, Rech RR, Constanzi CB, et al. Índice de massa corporal para triagem de fatores de risco para doenças cardiovasculares na infância. Arch Endocrinol Metab. 2011;55(2):114-20.

Bergmann GG, Gaya ACA, Halpern R, de Araújo Bergmann ML, Rech RR, Constanzi CB, et al. Pontos de corte para a aptidão cardiorrespiratória e a triagem de fatores de risco para doenças cardiovasculares na infância Cardiorespiratory fitness cut offs points and cardiovascular risk factors screening at infancy. Rev Bras Med Esporte. 2010;16(5):339-43.

Dorneles RCG, Oliveira HLR, Bergmann MLA, Bergmann GG. Flexibility and muscle strength/resistance indicators and screening of low back pain in adolescents. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2016;18(1):93-102.

Abbasi F, Blasey C, Reaven GM. Cardiometabolic risk factors and obesity: does it matter whether BMI or waist circumference is the index of obesity? Am J Clin Nutr. 2013;98(3):637-40.

Savva SC, Lamnisos D, Kafatos AG. Predicting cardiometabolic risk: waist-to-height ratio or BMI. A meta-analysis. Diabetes Metab Syndr Obes. 2013;6:403-19.

Ahrens W, Pigeot I, Pohlabeln H, De Henauw S, Lissner L, Molnár D, et al. Prevalence of overweight and obesity in European children below the age of 10. Int J Obes. 2014;38(suppl2):99-107.

Ogden CL, Carroll MD, Lawman HG, Fryar CD, Kruszon-Moran D, Kit BK, et al. Trends in obesity prevalence among children and adolescents in the United States, 1988-1994 through 2013-2014. JAMA. 2016;315(21):2292-9.

Gaya AR, Dias AF, Lemes VB, Goncalves JC, Marques PA, Guedes G, et al. Aggregation of risk indicators to cardiometabolic and musculoskeletal health in Brazilian adolescents in the periods 2008/09 and 2013/14. J Pediatr. 2018;94(2):177-83.

Ortega FB, Tresaco B, Ruiz JR, Moreno LA, Martin‐Matillas M, Mesa JL, et al. Cardiorespiratory fitness and sedentary activities are associated with adiposity in adolescents. Obesity. 2007;15(6):1589-99.

Lee D, Artero EG, Sui X, Blair SN. Mortality trends in the general population: the importance of cardiorespiratory fitness. J Psychopharmacol. 2010;24(suppl4):27-35.

Mintjens S, Menting MD, Daams JG, van Poppel MN, Roseboom TJ, Gemke RJ. Cardiorespiratory fitness in childhood and adolescence affects future cardiovascular risk factors: a systematic review of longitudinal studies. Sports Med. 2018;48(11):2577-605.

Ebbeling CB, Pawlak DB, Ludwig DS. Childhood obesity: public-health crisis, common sense cure. Lancet. 2002;360(9331):473-82.

Gasibat Q, Simbak NB, Aziz A, Petridis L, Tróznai Z. Stretching exercises to prevent work-related musculoskeletal disorders: A review article. AJSSM. 2017;5(2):27-37.

Daniels SR, Jacobson MS, McCrindle BW, Eckel RH, Sanner BM. American Heart Association Childhood Obesity Research Summit Executive Summary. Circulation. 2009;119(15):2114-23.

Pereira J, Mateus C. Custos indirectos associados à obesidade em Portugal. Rev Port Saúde Pública. 2003;22(3):65-80.

Andersen LB, Lauersen JB, Brønd JC, Anderssen SA, Sardinha LB, Steene-Johannessen J, et al. A new approach to define and diagnose cardiometabolic disorder in children. J Diabetes Res. 2015;2015:539835.

Oliveira L, Braga F, Lemes V, Dias A, Brand C, Mello J, et al. Effect of an intervention in Physical Education classes on health related levels of physical fitness in youth. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(1):46-53.

Commonwealth of Australia. Independent Sports Panel - The Future of Sport in Australia: Australia. 2009. [citado em 2020 abr 29]. Disponível em: https://www.sportdevelopment.org.uk/index.php/subjects/59-international-documents/790-crawford-report.

Dumith SC, Ramires VV, Souza MJA, Moraes DS, Petry FG, Oliveira ES, et al. Aptidão física relacionada ao desempenho motor em escolares de sete a 15 anos. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2010;24(1):5-14.

Mello JB, da Silva Hernandez M, Farias VM, dos Santos Pinheiro E, Bergmann GG. Aptidão Física relacionada ao desempenho motor de adolescentes de Uruguaiana, Rio Grande do Sul. Rev Bras Ciênc Mov. 2015;23(4):72-9.

Mello JB, Nagorny GAK, Haiachi MDC, Gaya AR, Gaya ACA. Projeto Esporte Brasil: physical fitness profile related to sport performance of children and adolescents. Braz J Kinathrop Hum Perform. 2016;18(6):658-66.

Eime RM, Young JA, Harvey JT, Charity MJ, Payne WR. A systematic review of the psychological and social benefits of participation in sport for children and adolescents: informing development of a conceptual model of health through sport. Int J Behav Nutr Phy. 2013;10:98.

Gaya A, Gonçalves da Silva G, Cardoso M, Torres L. Talento esportivo: estudo de indicadores somato-motores na seleção para o desporto de excelência. Perfil. 2002;6(6):86-96.

Barbosa T, Zica M, Quaresma F, Sonati J, Maciel E. Relação entre composição corporal e aptidão física em grupo de escolares do ensino médio no Brasil. Revista da UIIPS. 2016;4(2):273-84.

Borges FMR, Marchesan M, de Rosso Krug R, Rossato VM. Relação da Educação Física com a Aptidão Física e com Desempenho Escolar de Alunos do Ensino Médio. Biomotriz. 2016;10(2):112-28.

Contreira AR, Pizzo GC, da Rocha FF, Lazier-Leão TR, Caruzzo AM, Copetti F, et al. Perfil de Aptidão Física Relacionada à Saúde em Adolescentes. Saúde e Pesquisa. 2016;9(2):309-15.

Dumith C, Azevedo Júnior MR, Rombaldi AJ. Aptidão física relacionada à saúde de alunos do ensino fundamental do município de Rio Grande, RS, Brasil. Rev Bras Med Esporte. 2008;14(5):454-9.

Henkes CM, Borfe L, Muradás R, Tornquist L, Burgos MS. Aptidão física relacionada ao desempenho de escolares: estudo comparativo dos hemisférios norte-sul-leste–oeste da zona rural de Santa Cruz do Sul-RS. Cinergis. 2013;14(4):206-9.

Miodutzki A, de Souza WC, Grzelczak MT, Mascarenhas LPG. Antropometria e aptidão física: comparação entre praticantes e não praticantes de escolinhas esportivas. Arch Health Invest. 2016;5(4):192-6.

Montoro APPN, Leite CR, Espíndola JA, Alexandre JM, da Silva Reis M, Capistrano R, et al. Aptidão física relacionada à saúde de escolares com idade de 7 a 10 anos. ABCS Health Sciences. 2016;41(1):29-33.

Nogueira JAD, Pereira CH. Aptidão física relacionada à saúde de adolescentes participantes de programa esportivo. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2014;28(1):31-40.

Pelegrini A, Silva DAS, Petroski EL, Glaner MF. Health-related physical fitness in Brasilian schoolchildren: data from the Brazil sport program. Rev Bras Med Esporte. 2011;17(2):92-6.

Pelicer FR, Nagamine KK, Faria MA, de Lima Freitas V, Neiva CM, Pessôa Filho DM, et al. Heath-Related Physical Fitness in School Children and Adolescents. Int J Sports Sci. 2016;6(1):19-24.

Pereira TA, Bergmann MLdA, Bergmann GG. Factors associeted with low physical fitness in adolescents. Rev Bras Med Esporte. 2016;22(3):176-81.

Petry K, Fachineto S. Aptidão física relacionada à saúde e condição econômica de alunos do ensino médio de uma escola estadual de Florianópolis, SC. Lect Educ Fís. 2012;165:16.

Reuter CP, Doern R, da Silva CF, Marques KC, Welser L, da Silva R, et al. Health-related physical fitness and sociodemographic factors: a study with schoolchildren from Santa Cruz do Sul-RS. Cinergis. 2016;17(2):43-7.

Schubert A, Januário RSB, Casonatto J, Sonoo CN. Aptidão Física relacionada à Prática Esportiva em Crianças e Adolescentes. Rev Bras Med Esporte. 2016;22(2):142-6.

Publicado
27-10-2020
Seção
Artigos de Revisão