Atividades físicas de lazer por universitários: inquéritos repetidos nos anos de 2010, 2012 e 2014

  • Thiago Ferreira de Sousa Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Centro de Formação de Professores. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Amargosa, Bahia, Brasil http://orcid.org/0000-0002-9846-9661
  • Dayana Chaves Franco Centro Universitário de Maringá, Maringá, Paraná, Brasil https://orcid.org/0000-0002-5806-4045
  • Gildeene Silva Farias Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2810-2925
  • Gerleison Ribeiro Barros Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5122-8625
Palavras-chave: Atividade motora, Exercício, Estudantes, Estudos transversais

Resumo

O objetivo deste estudo foi comparar as proporções de prática de diferentes tipos de atividades físicas no lazer por universitários entre os anos de 2010, 2012 e 2014. Realizou-se três inquéritos repetidos com amostras de universitários de uma instituição de ensino superior do estado da Bahia. As modalidades foram mensuradas por meio de um questionário validado para aplicação em universitários, tendo sido os seguintes tipos: ciclismo, voleibol, natação, caminhada em esteira, hidroginástica, surfe, caminhada em locais abertos, futebol, basquetebol, handebol, corrida em locais abertos, ginástica aeróbica, lutas, tênis, musculação, corrida em esteira e ginástica em geral com uso de pesos e trampolins. As comparações foram realizadas utilizando o teste qui-quadrado para tendência linear. O nível de significância foi de 5%. Participaram do estudo 1.084, 1.085 e 1.041 universitários, nos anos de 2010, 2012 e 2014, respectivamente. A modalidade mais praticada nos três inquéritos foi a musculação, seguida do futebol. A prática das modalidades de corrida (2010 = 6,9%; 2012 = 8,8%; 2014 = 11,0%) e de lutas (2010 = 4,2%; 2012 = 4,5%; 2014 = 7,6%) aumentaram ao longo dos inquéritos. Houve a diminuição na prática da ginástica com uso de pesos/trampolins (2010 = 3,7%; 2012 = 1,9%; 2014 = 1,4%; p = 0,001). Conclui-se que a tendência de atividade física de lazer ao longo do tempo em universitários foi diferente entre as modalidades e em relação as características sociodemográficas e de vínculo com a universidade, com aumento de praticantes de lutas e corridas, e diminuição dos adeptos da ginástica com pesos/trampolins.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Ferreira de Sousa, Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Centro de Formação de Professores. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Amargosa, Bahia, Brasil

Natural de Itabuna, Bahia. Possui graduação em Licenciatura plena em Educação Física pela Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, Bahia (2007), mestrado (2010) e doutorado (2014) em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, na área de atividade física relacionada à saúde. Atualmente é docente do magistério superior da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.T experiência na área de Educação Física, com ênfase em saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: atividade física, excesso de peso corporal, estudos transversais e universitários.

Referências

World Health Organization. WHO. Global recommendations on physical activity for health. [Internet]. [citado em 2018 set 13]. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/factsheet_recommendations/en/.

Sousa TF. Inatividade física em universitários brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Atenção Saúde. 2011;9(29):47-55.

Santos SFS, Freitas Junior IF, Alvarenga AM, Fonseca SA, Virtuoso Junior JS, Sousa TF. Prevalence and factors associated with leisure-time physical activity: survey repeated in university students. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2016;18(5):577-90.

Haase A, Steptoe A, Sallis JF, Wardle J. Leisure-time physical activity in university students from 23 countries: associations with health beliefs, risk awareness, and national economic development. Prev Med. 2004;39(1):182-90.

Sousa TF. Atividades físicas praticadas no lazer por universitários de uma instituição pública do nordeste do Brasil. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2012;17(2):125-31.

Cruz MS, Bernal RTI, Claro RM. Tendência da prática de atividade física no lazer entre adultos no Brasil (2006-2016). Cad Saúde Pública. 2018;34(10):e00114817.

Morseth B, Jacobsen BJ, Emaus N, Wilsgaard T, Jørgensen L. Secular trends and correlates of physical activity: The Tromsø Study 1979-2008. BMC Public Health. 2016;16(1):1215.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. INEP. Censo da Educação superior. 2017. [Internet]. [citado em 2019 ago 17]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/censo-da-educacao-superior.

Azevedo MR, Araújo CL, Silva MC, Hallal PC. Tracking of physical activity from adolescence to adulthood: a population-based study. Rev Saúde Pública. 2007;41(1): 69-75.

Oliveira CS, Gordia AP, Quadros TMB, Campos W. Atividade física de universitários brasileiros: uma revisão da literatura. Rev Atenção Saúde. 2014;12(42):71-7.

Sousa TF, Santos SFS, José HPM. Barreiras percebidas à prática de atividade física no nordeste do Brasil. Pens Prát. 2010;13(1):1-15.

Franca C, Colares V. Estudo comparativo de condutas de saúde entre universitários no início e no final do curso. Rev Saúde Pública. 2008;42(3):420-7.

Sousa TF, Fonseca SA, José HPM, Nahas MV. Estudo MONISA: características e aspectos metodológicos. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(4):904-7.

Sousa TF, Fonseca SA, José HPM, Nahas MV. Validade e reprodutibilidade do questionário Indicadores de Saúde e Qualidade de Vida de Acadêmicos (Isaq-A). Arq Cien Esp. 2013;1(1):21-30.

Brasil. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. CAPES. Tabela de áreas de conhecimento/avaliação. Brasília: Ministério da Educação. 2018. [citado em 2019 ago 25]. Disponível em: https://www.capes.gov.br/avaliacao/instrumentos-de-apoio/tabela-de-areas-do-conhecimento-avaliacao.

Franco DC, Sousa TF. Atividades físicas praticadas no lazer por universitários: prevalências e fatores associados. Arq Ciên Esp. 2018;6(2):78-81.

Malta DC, Moura EC, Castro AM, Cruz DKA, Neto OLM, Monteiro CA. Padrão de atividade física em adultos brasileiros: resultados de um inquérito por entrevistas telefônicas, 2006. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(1):7-16.

Carvalho CMM, Martelli A, Marchetti PH, Silva JJ, Magalhães RA. Efeito do treinamento de força em mulheres menopausadas portadoras de osteoporose: uma breve revisão. Rev Saúde em Foco. 2017; 4(2):40-56.

Sousa TF, Santos SFS, Rodrigues AS, Papini CB, Silva DAS, Tribess S. Prevalence and factors associated with body image dissatisfaction among university students: repeated surveys analysis. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2019;21:e53036.

Rodrigues JVMS, Araújo FLM, Columá JF, Triani FS. Jiu-Jitsu brasileiro: notas sobre a transposição da arte marcial para o esporte espetáculo. Arq Ciên Esp. 2018;6(1):11-4.

Alleoni BN. A manifestação corporal capoeira: a manifestação corporal capoeira: capoeira: uma cultura nacional brasileira. Rev Mackenzie Educ Fís Esporte. 2010; 9(1):24-31.

Netto JSC, Aptekmann NP. Efeitos do treinamento funcional sobre a composição corporal: um estudo em alunos fisicamente ativos de academia. Rev Bras Fisiologia do Exercício. 2016;15(2):68-76.

Dumith SC, Domingues MR, Gigante DP. Epidemiologia das atividades físicas praticadas no tempo de lazer por adultos do Sul do Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(4):646-58.

Bichescu A. Leisure time sport activities of the students at Resita University. Procedia Soc Behav Sci. 2014;117(9):735-40.

Oliveira CS, Stefane CA, Liziero L, Gabilan JG, Paranhos Filho AC, Guimarães FKO. A prática de atividade física na cidade universitária da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Ciênc Saúde Colet. 2011;16:1489-96.

Mezzaroba C, Pires GL. Breve panorama histórico do voleibol: do seu surgimento à espetacularização esportiva. Ativ Fís, Lazer Qual Vida: Rev Educ Fís. 2011;2(2):3-19.

Bergier J, Bergier B, Tsos A. Variations in physical activity of male and female students from the Ukraine in health-promoting life style. Ann Agric Environ Med. 2017;24(2):217–21.

Del Duca GF, Nahas MV, Hallal PC, Peres KG. Atividades físicas no lazer entre adultos de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil: estudo populacional sobre as características das práticas e de seus praticantes. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(11): 4595-604.

Teixeira IP, Nakamura PM, Kokubun E. Prática de caminhada no lazer e no deslocamento e associação com fatores socioeconômicos e ambiente percebido em adultos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2014;16(3):345-58.

Stattin K, Michaelsson K, Larsson SC, Wolk A, Byberg L. Leisure-time physical activity and risk of fracture: a cohort study of 66,940 men and women. J Bone Miner Res. 2017;32(8):1599-606.

Publicado
19-05-2020
Seção
Artigos Originais