Prevalência de barreiras para a prática de atividade física no tempo livre em pacientes com hipertensão arterial

  • Felipe Oliveira Fontanella Universidade Estadual do Centro-Oeste, Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Guarapuava, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0034-384X
  • Danilo Fernandes da Silva University of Ottawa, Faculty of Health Sciences, School of Human Kinetics, Ottawa, Ontario, Canadá. https://orcid.org/0000-0002-4170-1079
  • Caryna Eurich Mazur Universidade Estadual do Centro-Oeste, Departamento de Nutrição, Guarapuava, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1278-5963
  • Matheus Federizzi Universidade Estadual do Centro-Oeste, Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Guarapuava, Paraná, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9741-3068
  • Gabriela Datsch Bennemann Universidade Estadual do Centro-Oeste, Departamento de Nutrição, Guarapuava, Paraná, Brasil.
Palavras-chave: Doenças crônicas, Políticas públicas, Envelhecimento, Estudo transversal, Comportamento, Hipertensão, Atividade motora

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar as barreiras e o estágio de mudança de comportamento para a prática de atividade física no tempo livre em uma amostra de pacientes com hipertensão arterial. Estudo transversal realizado com 55 pacientes (69,1% de mulheres, idade entre 31-89 anos) que frequentavam o Modelo de Atenção as Condições Crônicas de uma Unidade Básica de Saúde de Guarapuava, Paraná. As barreiras para prática de atividades físicas foram determinadas por instrumento padronizado e validado. Dezenove barreiras foram classificadas em “barreira percebida” (sempre e quase sempre) e “barreira não-percebida” (às vezes, raramente e nunca). As barreiras foram categorizadas nas dimensões ambientais, sociais, fisiológicas/físicas e psicológicas/comportamentais. Os estágios de prontidão foram usados para classificar os pacientes em “ativos” (estágios ação e manutenção) e “não ativos” (estágios pré-contemplação, contemplação e preparação). A frequência (%) de barreiras percebidas foi associada à prontidão para prática de atividades físicas por meio do teste Qui-quadrado e Exato de Fisher. As três barreiras mais prevalentes foram: “falta de energia ou cansaço” (54,5%), “falta de clima adequado” (47,3%) e “limitações físicas” (42,6%). Foram identificadas 10 barreiras mais frequentes em pacientes não ativos comparados aos ativos, sendo quatro fisiológicas/físicas, três psicológicas/comportamentais, duas ambientais e uma social. Pacientes obesos apresentaram maior quantidade de barreiras fisiológicas/físicas que os não-obesos. Considerando os fatores limitantes na incorporação de uma vida mais ativa em pacientes hipertensos, o presente estudo pode auxiliar a estabelecer estratégias específicas no contexto da atenção básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gomes MA, Duarte MFS. Efetividade de uma intervenção de atividade física em adultos atendidos pela estratégia saúde da família: Programa Ação e Saúde Floripa – Brasil, 2008. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2008;13(1):44-56.

Coelho CF, Burini RC. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Rev Nutr Campinas. 2009;22(6):937-46.

Malta DC, Andrade SSCA, Stopa SR, Pereira CA, Szwarcwald CL, Silva Júnior JB, et al. Estilos de vida da população brasileira: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saude. 2015;24(2):217-26.

World Health Organization. Preventing chronic diseases: a vital investment. Geneva Switzerland; 2005.

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7th Brazilian Guideline of Arterial Hypertension: Chapter 6 – Non-pharmacological treatment. Arq Bras Cardiol. 2016;107(3 Suppl 3):30-4.

Brasil. Vigitel Brasil 2018: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Rezende LFM, Garcia LMT, Mielke GI, Lee DH, Giovannucci E, Eluf-Neto J. Physical activity and preventable premature deaths from non-communicable diseases in Brazil. J Public Health. 2019;41(3):e253-e260.

Bielemann RM, da Silva BGC, Coll CVN, Xavier MO, da Silva SG. Burden of physical inactivity and hospitalization costs due to chronic diseases. Rev Saúde Pública. 2015;49:75.

Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Ministério da Saúde; 2011.

Brasil. Portaria GM nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Ministério da Saúde; 2008.

Brasil. Portaria nº 2.681, de 7 de novembro de 2013. Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde; 2013.

Forechi L, Mill JG, Griep RH, Santos I, Pitanga F, Molina MCB. Adherence to physical activity in adults with chronic diseases: ELSA-Brasil. Rev Saúde Pública. 2018;52:31.

Quiroz-Mora CA, Serrato-Ramírez DM, Bergonzoli-Peláez G. Factores sociados con la adherencia a la actividad física en pacientes con enfermedades crónicas no transmisibles. Rev Salud Pública. 2018;20(4):460-4.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão – Indicadores Sociais Mínimos: Cidades. Acesso em 10 de out. 2018.

Carvalho MFC, Leiber, NRS, Mendes GB, Secoli SR, Ribeiro E, Lebrão ML, et al. Polifarmácia entre idosos do município de São Paulo - Estudo SABE. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(4):817-27.

World Health Organization. Physical status the use and interpretation of anthropometrics. Report of a World Health Organization. Expert Committee. Who. Tech Rep Ser;1995.

Martins MO, Petroski EL. Mensuração da percepção de barreiras para a prática de atividades físicas: uma proposta de instrumento. Rev Bras Cineantropom Desemp Hum. 2000;2(1):58-65.

Boscatto EC, Duarte MFS, Gomes MA. Estágios de mudança de comportamento e barreiras para a atividade física em obesos mórbidos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2011;13(5):329-34.

Pinto AA, Claumann GS, Cordeiro PC, Felden EPG, Pelegrini A. Barreiras percebidas para a prática de atividade física entre universitários de Educação Física. Rev Bras Ativ Fís Saude. 2017;22(1):66-75.

Matoso GP, Portela BS. Level of physical activity and perceived barriers to its practice in adults with visual impairment. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24:e0094.

Rigoni PAG, Nascimento Junior JRA, Costa GNFS, Vieira LF. Estágios de mudança de comportamento e percepção de barreiras para a prática de atividade física em universitários do curso de Educação Física. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2012;17(2):87-92.

Queiroga MR, Ferreira SA, Boneti MD, Tartaruga MP, Coutinho SS, Cavazzoto TG. Caracterização do ambiente físico e prática de atividades físicas em unidades básicas de saúde de Guarapuava, Paraná, 2011-2012. Epidemiol Serv Saúde. 2016; 25(4):827-36.

Salvador EP, Florindo AA, Reis RS, Costa EF. Perception of the environment and leisure-time physical activity in the elderly. Rev Saude Publica. 2009;43(6):972-80.

Eiras SB, da Silva WHA, de Souza DL, Vendruscolo R. Fatores de adesão e manutenção da prática de atividade física por parte de idosos. Rev Bras Cien Esporte. 2010; 31(2):75-89.

Morley JE, Baumgartner RN, Roubenoff R, Mayer J, Nair, KS. Sarcopenia. J Lab Clin Med. 2001;137: 231–243.

Bowden Davies KA, Sprung VS, Norman JA, Thompson A, Mitchell KL, Halford JCG, Harrold JA, Wilding JPH, Kemp GJ, Cuthbertson DJ. Short-term decreased physical activity with increased sedentary behaviour causes metabolic derangements and altered body composition: effects in individuals with and without a first-degree relative with type 2 diabetes. Diabetologia. 2018;61(6):1282-94.

Lavie CJ, Carbone S, Kachur S, O’Keefe EL, Elagizi A. Effects of Physical Activity, Exercise, and Fitness on Obesity-Related Morbidity and Mortality. Curr Sports Med Rep. 2019;18(8):292-8.

Nardo Junior N, Bianchini JAA, da Silva DF, Ferraro ZM, Lopera CA, Antonini VDS. Building a response criterion for pediatric multidisciplinary obesity intervention success based on combined benefits. Eur J Pediatr. 2018;117(6):1-12.

Silva PLN, Xavier AG, De Souza DA, Vaz MDT. Atenção farmacêutica e os potenciais riscos da polifarmácia em idosos usuários de uma farmácia-escola de Minas Gerais: aspectos socioeconômicos, clínico e terapêutico. J. Health Biol Sci. 2017;5(3):247-52.

Souza JH, Dias DF, Loch MR. Barreiras para a prática de atividade física no tempo livre em pessoas com doença de Alzheimer. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2017; 22(4): 343-353.

Micali PN, Carmo EG, Fusaro Junior G, Pereira JR, Sarriés LV, Sarriés G A, et al. Impacto das principais barreiras percebidas à prática de atividade física por aposentados de um município paulista. Rev Kairós. 2017;20(2):413-29.

Publicado
07-08-2019
Seção
Artigos Originais