Length of stay in a behavior change program in Primary Health Care: “VAMOS” Program

Palavras-chave: Behavior, Motor activity, Healthy diet, Public health

Resumo

O estudo tem como objetivo analisar a permanência de adultos e idosos no Programa Vida Ativa Melhorando a Saúde (VAMOS), implantado na Atenção Primária à Saúde de Florianópolis, Santa Catarina. Foram acompanhados 106 usuários (87,7% mulheres), com idade média de 55,42 anos (± 12,22) durante 12 semanas, em quatro Unidades Básicas de Saúde. A permanência foi analisada considerando as variáveis sociodemográficas (sexo, idade, estado civil, escolaridade, ocupação atual e renda familiar mensal) e os marcadores de efetividade do VAMOS (nível de atividade física e consumo alimentar). Foi utilizada estatística descritiva, teste de Qui-Quadrado, análise de sobrevida pelo método de Kaplan-Meier e análise multivariada de regressão de COX. O nível de significância adotado foi 5%, em todas as análises. A taxa de permanência foi de 51,9% (n = 55). Estado civil foi associado com maior permanência (p < 0,05) no programa. O fato de ter companheiro (OR = 2,11; IC95%: 1,16 - 3,81) aumentou a chance de permanecer no programa. Concluiu-se que mais da metade dos adultos e idosos permaneceram no Programa VAMOS e a permanência foi maior entre aqueles com companheiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lisandra Maria Konrad, Federal University of Santa Catarina, Postgraduate Program in Physical Education. Florianópolis, Santa Catarina, Brazil.

Possui graduação em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (1998), Especialização em Educação Física na Área da Atividade Física Relacionada a Saúde pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000), Especialização Multiprofissional em Saúde da Família na Atenção Básica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013) e Mestrado em Educação Física na Área da Atividade Física Relacionada a Saúde pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005). Atualmente Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Física da UFSC; Membro da Diretoria da Associação Brasileira de Ensino para Educação Física para a Saúde (ABENEFS) e do Núcleo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde (NuPAF). Tem experiência na área da atividade física relacionada à saúde, atuando principalmente com os seguintes temas: saúde pública, promoção da saúde, programas e promoção da atividade física no SUS.

Referências

World Health Organization. WHO. Noncommunicable diseases progress monitor 2017 [Internet]. [citado em 2018 Jun 20]. Disponível em: http://www.who.int/nmh/publications/en/.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: 2015. [Internet]. [citado em 2018 Jun 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnps_revisao_portaria_687.pdf.

Malta DC, Silva MMA, Albuquerque GM, Lima CM, Cavalcante T, Jaime PC, et al. A implementação das prioridades da Política Nacional de Promoção da Saúde, um balanço, 2006 a 2014. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(11):4301-11.

Monteiro GR, Silva RGS. The length of stay in community physical activity program does not exceed two years. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2014;16(6):608-17.

Florindo AA, Nakamura PM, Farias Júnior JC, Siqueira FV, Reis RS, Cruz DKA. Promoção da atividade física e da alimentação saudável e a saúde da família em municípios com academia da saúde. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2016;30(4):913-24.

Coelho-Ravagnani CF, Ravagnani FCP, Spiri WC, Ribeiro TC, Silva CHF, Duarte SJH, et al. Efeito de programa para mudança do estilo de vida sobre a percepção da saúde em adultos. Rev Eletro Gest Saúde. 2011;2(2):415-26.

Peixoto IS, Liberali R. Aderência e permanência em um programa de atividade física no município de Amargosa, Bahia. RBONE. 2012;6(34):197-203.

Guimarães NZ, Dutra ES, Ito MK, Carvalho KMB. Adesão a um programa de aconselhamento nutricional para adultos com excesso de peso e comorbidades. Rev Nutr. 2010;23(3):323-33.

Vannuchi RO, Carreira CM, Pegoraro LGO, Gvozd R. Impacto da intervenção multiprofissional em grupo no perfil nutricional e hábitos de vida de mulheres com sobrepeso e obesidade. Rev Saúde Pública Paraná. 2016;17(2):189-98.

Santos CKA, Monteiro GR, Couto JO, Silva RJS. Permanência de idosos em um programa comunitário de atividade física e fatores associados. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2017;19(2):139-49.

Becker LA, Gonçalves PB, Reis RS. Programas de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2016;21(2):110-22.

Konrad LM, Tomicki C, Silva MC, Almeida FA, Benedetti TRB. Avaliação de programas de mudança de comportamento usando a ferramenta RE-AIM: um estudo de revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(5):439-4.

Ribeiro EHC, Garcia LMT, Salvador EP, Costa EF, Andrade DR, Latorre MRDO, et al. Avaliação da efetividade de intervenções de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública. 2017;51(26):51-6.

Benedetti TRB, Schwingel A, Gomez LSR, Chodzko-Zajko W. Programa “VAMOS” (Vida Ativa Melhorando a Saúde): da concepção aos primeiros resultados. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2012;14(6):723-37.

Benedetti TRB, Manta SW, Gomez LSR, Rech CR. Logical model of a behavior change program for community intervention – Active Life Improving Health – VAMOS. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(3):309-13

Bandura A. Social foundations of thought and action: A social cognitive theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1986.

Guimarães NZ, Dutra ES, Ito MK, Carvalho KMB. Adesão a um programa de aconselhamento nutricional para adultos com excesso de peso e comorbidades. Rev Nutr. 2010;23(3):323-33.

Costa BV, Bottcher LB, Kokubun E. Aderência a um programa de atividade física e fatores associados. Motriz. 2009;15(1):25-36.

Vivas EA, Plaza BL, Weber TK, López LB, Milla SP, Catalán AL et al. Variables predictoras de baja adherencia para el tratamiento del exceso de peso en atención primaria. Nutr Hosp. 2013;28(5):1530-5.

Laurenzano MJ, Loch MR. Motivos referidos para o abandono de programas de exercício físico ofertados por academias privadas de Presidente Prudente, São Paulo. Arq Ciênc Esporte. 2013;1(1):7-13.

Ribeiro LB, Rogatto GP, Machado AA, Valim-Rogatto PC. Motivos de adesão e de desistência de idosos a prática de atividade física. Rev Bras Promoc Saude. 2013;26(4):581-9.

Hauser E, Gonçalves AK, Martins VF, Blessmann EJ. Motivos de desistência em um programa de atividades física para idosos. Rev Kairós Gerontol. 2014;17(2):43-56.

Bandura A. health promotion by social cognitive means. Health Educ Behav. 2004;31(2):143-64.

Picorelli AM, Pereira LS, Pereira DS, Felício D, Sherrington C. Adherence to exercise programs for older people is influenced by program characteristics and personal factors: a systematic review. J Physiother. 2014;60(3):151-6.

Tonosaki LMD, Rech CR, Mazo GZ, Antunes GA, Benedetti, TRB. Barreiras e facilitadores em um programa de mudança de comportamento: análise de grupos focais. Rev Bras Ciên Esporte. 2018;40(2):138-45.

Meurer ST, Lopes ACS, Almeida FA, Mendonça RD, Benedetti TRB. Effectiveness of the VAMOS strategy for increasing physical activity and healthy dietary habits: a randomized controlled community trial. Health Educ Behav. 2019;46(3):406-16.

Gerage AM, Benedetti TRB, Ritti-Dias RM, Santos ACO, Souza BCC, Almeida FA. Effectiveness of a behavior change program on physical activity and eating habits in patients with hypertension: a randomized controlled trial. J Phys Act Health. 2017;14(12):943-52.

Publicado
23-12-2019
Como Citar
1.
Konrad LM, Tomicki C, Ribeiro CG, Bezerra JB, Maciel EC, Rech CR, Pitanga FJG, Benedetti TRB. Length of stay in a behavior change program in Primary Health Care: “VAMOS” Program . Rev Bras Ativ Fís Saúde [Internet]. 23º de dezembro de 2019 [citado 14º de julho de 2020];240:1-. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14023
Seção
Artigos Originais