Efetividade de duas intervenções com diferentes volumes de exercícios físicos na qualidade de vida em mulheres usuárias da Atenção Básica de Saúde

  • Debora Bernardo da Silva Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Núcleo de Estudos em Atividade Física e Saúde, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4351-8929
  • Camila Bosquiero Papini Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Núcleo de Estudos em Atividade Física e Saúde, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade e Núcleo de Atividade Física, Esporte e Saúde, Rio Claro, São Paulo, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-1163-5576
  • Priscila Missaki Nakamura Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade e Núcleo de Atividade Física, Esporte e Saúde, Rio Claro, São Paulo, Brasil. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais, Muzambinho, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4993-4317
  • Grace Angélica de Oliveira Gomes Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Gerontologia, São Carlos, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0600-2093
  • Eduardo Kokubun Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade e Núcleo de Atividade Física, Esporte e Saúde, Rio Claro, São Paulo, Brasil. Universidade Estadual de São Paulo, Departamento de Educação Física, Rio Claro, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9404-3444
Palavras-chave: Qualidade de vida, Saúde pública, Exercício físico, ntervenção

Resumo

O objetivo do estudo foi comparar o efeito de duas intervenções oferecidas na Atenção Básica à Saúde com diferentes volumes de exercício físico na qualidade de vida de mulheres. O estudo foi realizado em três Unidades de Saúde da Atenção Básica de Saúde da cidade de Rio Claro-SP. Participaram 50 mulheres (56,36 ± 10,26 anos), divididas em dois grupos, de acordo com a abrangência de território das Unidades de Saúde: G1 - 25 mulheres e duas sessões por semana de exercícios físicos com duração de 60 minutos cada (120 min/sem) e; G2 - composto por 25 mulheres e três sessões por semana de exercícios físicos com duração de 90 minutos cada (270 min/sem). As intervenções tiveram duração de 12 meses. A qualidade de vida foi avaliada por meio do questionário WHOQOL-BREF em dois momentos (pré e pós intervenção). Os efeitos do tempo, da intervenção e da interação (tempo x intervenção) foram analisadas pelo teste Two-way mixed ANOVA, tendo-se realizado as comparações post-hoc com o teste de Bonferroni. Na comparação intra-grupos os escores dos domínios psicológico, social, qualidade de vida geral foram superiores após as intervenções para ambos os grupos (p < 0,05). Houve melhora no domínio ambiente somente para o G2 (p < 0,001). Não houve efeito na interação entre os grupos. As intervenções oferecidas, independente do volume não modificaram os escores do domínio físico. As intervenções de exercícios físicos foram efetivas em melhorar aspectos da qualidade de vida geral dos usuários do Sistema Único de Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Bosquiero Papini, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Núcleo de Estudos em Atividade Física e Saúde, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade e Núcleo de Atividade Física, Esporte e Saúde, Rio Claro, São Paulo, Brasil.

Graduada (2006) no curso de Licenciatura em Educação Física, Mestre (2009) e Doutora (2015) em Ciências da Motricidade, na área de Biodinâmica da Motricidade Humana pela Universidade Estadual Paulista (UNESP)- Câmpus Rio Claro. Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), no Instituto de Ciências da Saúde. Tem experiência na área de Educação Física com ênfase em Saúde e Epidemiologia, atuando principalmente nos seguintes temas: atividade física e comportamento sedentário, políticas públicas, intervenção de exercício físico na atenção básica e saúde coletiva.

Referências

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health [online]; 2010; Genebra. [citado em 2019 jan 24]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44399/9789241599979_eng.pdf;jsessionid=E58009F29C913D8DC7A45A94D6999D54?sequence=1.

Costa LSV, Sousa NM, Alves AG, Alves FAVB, Araújo RF, Nogueira MS. Análise comparativa de qualidade de vida, equilíbrio e força muscular em idosos praticantes de exercício físico e sedentários. Rev Eletrônica FMB. 2015;8(3):1-18.

The WHOQOL Group. World Health Organization. WHOQOL: measuring quality of life. Geneva: WHO; 1997. [citado em 2019 jan 24]. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/media/68.pdf.

Pate RR, Pratt M, Blair SN, Haskell WL, Macera CA, Bouchard C, et al. Physical activity and public health. A recommendation from the Centers for Disease Control and Prevention and the American College of Sports Medicine. JAMA. 1995;273(5):402-7.

Haskell WL, Lee IM, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and American Heart Association. Med Sci Sports Exerc. 2007;39(8):1423-34.

Garber CE, Blissmer B, Deschenes MR, Franklin BA, Lamonte MJ, Lee IM, et al. Quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal, and neuromotor fitness in apparently healthy adults: guidance for prescribing exercise. Med Sci Sports Exerc. 2011;43(7):1334-59.

Physical Activity Guidelines Advisory Committee. 2018 Physical Activity Guidelines Advisory Committee Scientific Report. Washington, DC: U.S. Department of Health and Human Services, 2018. [citado em 2019 jan 22]. Disponível em: https://health.gov/paguidelines/second-edition/report/pdf/pag_advisory_committee_report.pdf.

Sampaio AR, Myers J, Oliveira RB. Relação dose-resposta entre nível de atividade física e desfechos em saúde. Rev. Hupe. 2013;12(4):111-23.

Pucci GC, Rech CR, Fermino RC, Reis RS. Association between physical activity and quality of life in adults. Rev Saúde Públ. 2012;46(1):166–79.

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). Utilização do Sistema Público de Saúde por Beneficiários da Saúde Suplementar. Diretoria de Desenvolvimento Setorial. [citado em 2019 jan 22]. Disponível em: http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Materiais_por_assunto/benefciarios_sus_2014.pdf.

Teixeira MB, Casanova A, Oliveira CCM, Ensgtrom EM, Bodstein RCA. Evaluation of health promotion practices: a look from the participating teams of the National Program for Access and Quality Improvement in Primary Care. Rev Saúde Debate. 2014;38:52-68.

Nakamura PM, Papini CB, Chiyoda A, Gomes GAO, Netto AV, Teixeira IP, et al. Programa de intervenção para a prática de atividade física: Saúde Ativa Rio Claro. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2010;15(2):128–32.

Baba CT, Oliveira IM, Silva AEF, Vieira LM, Cerri NC, Florindo A, et al. Evaluating the impact of a walking program in a disadvantaged area: using the RE-AIM framework by mixed methods. BMC Public Health. 2017;17(1):2-11.

Ribeiro EHC, Garcia LMT, Salvador EP, Costa EF, Andrade DR, Latorre MRDO, et al. Assessment of the effectiveness of physical activity interventions in the Brazilian Unified Health System. Rev Saúde Públ. 2017;51:1-12.

Becker L, Gonçalves P, Reis R. Programas de promoção da atividade física no sistema de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2016;21(2):110-22.

Gomes GAO, Kokubun E, Mieke GI, Ramos LR, Pratt M, Simões E, et al. Characteristics of physical activity programs in the Brazilian primary health care system. Cad Saúde Pública. 2014;30(10):2155–68.

The WHOQOL Group. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Social Science and Medicine [online]. 1995;41(10):1403-09.

Krabbe S, Vargas AC. Qualidade de vida percebida por mulheres em diferentes tipos de exercício físico. Rev. Kairós: Gerontologia. 2014;17(2):193–204.

Santos DM, Pozzobon A, Périco E. Efeito de um programa de exercício físico na qualidade de vida, perfil lipídico e glicêmico de mulheres com risco de doenças cardiovasculares. Rev Cad Pedagógico. 2012;9(2):173-84.

Aguiar B, Moraes H, Silveira H, Oliveira N, Deslandes A, Laks J. Efeito do treinamento físico na qualidade de vida em idosos com depressão maior. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2014;19(2):205-14.

Guedes JM, Sebben V, Biason DF, Tourinho Filho H. Efeito do exercício físico sobre a qualidade de vida em idosas. Perspectiva. 2013;37(137):25-33.

Ferreira JS, Diettrich SHC, Pedro DA. Influência da prática de atividade física sobre a qualidade de vida de usuários do SUS. Saúde Debate. 2015;39(106):792-801.

Publicado
19-06-2019
Seção
Artigos Originais