Comparação das estimativas de atividade física e comportamento sedentário em adultos brasileiros no VIGITEL e PNS, Brasil, 2013

  • Graciele Ferreira de Ferreira Mendes Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6991-1572
  • Vítor Häfele Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6812-2002
  • Cauane Blumenberg Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia, Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Epidemiologia, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4580-3849
  • André Oliveira Werneck Departamento de Educação Física, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Presidente Prudente, São Paulo, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9166-4376
  • Marcelo Rocha Radicchi Colegiado de Educação Física. Universidade Federal do Amazonas, Campus de Parintins, Amazonas, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2829-1439
  • Carolina de Vargas Nunes Coll Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia, Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Epidemiologia, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0808-8230
  • Renata Moraes Bielemann Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia, Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Epidemiologia, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Alimentos. Universidade Federal de Pelotas. Faculdade de Nutrição, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Universidade Federal de Pelotas. Escola Superior de Educação Física, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0202-3735
Palavras-chave: Exercício, Estilo de vida sedentário, Adulto, Estilo de vida saudável, Inquéritos epidemiológicos

Resumo

O objetivo do presente estudo foi comparar as estimativas de atividade física e comportamento sedentário obtidas pelos inquéritos nacionais VIGITEL e PNS. Foram utilizados dados do VIGITEL 2013 e PNS 2013, conduzidos entre adultos (≥ 18 anos). Os desfechos foram: atividade física no lazer, deslocamento ativo para o trabalho, inatividade física no lazer e tempo de televisão. Sexo, idade, escolaridade e índice de massa corporal foram as variáveis independentes. Para a estatística, utilizou-se proporções (IC95%) e Coefciente de Correlação de Concordância de Lin (CCC). As estimativas de deslocamento ativo para o trabalho e de tempo de TV apresentaram concordância moderada entre os inquéritos (CCC = 0,515; CCC = 0,478, respectivamente), enquanto as estimativas de atividade física no lazer e inatividade no lazer apresentaram concordância baixa (CCC = 0,060; CCC = 0,054, respectivamente). As estimativas obtidas entre os inquéritos PNS e VIGITEL sobre desfechos relacionados à atividade física e comportamento sedentário foram de concordância moderada a baixa, não sendo os resultados obtidos comparáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT, et al. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: An analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet. 2012;380(9838):219-29.

Mielke GI, Hallal PC, Rodrigues GBA, Szwarcwald CL, Santos FV, Malta DC. Prática de atividade física e hábito de assistir à televisão entre adultos no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saude. 2015;24(2):277-86.

Tremblay MS, Aubert S, Barnes JD, Saunders TJ, Carson V, Latimer-Cheung AE, et al. Sedentary behavior research network (SBRN) – Terminology consensus project process and outcome. Int J Behav Nutr Phys Act. 2017;14:75.

Matthews CE, Keadle SK, Troiano RP, Kahle L, Koster A, Brychta R, et al. Accelerometer-measured dose-response for physical activity, sedentary time, and mortality in US adults. Am J Clin Nutr. 2016:1-9.

Ekelund U, Steene-Johannessen J, Brown WJ, Fagerland MW, Owen N, Powell KE, et al. Does physical activity attenuate, or even eliminate, the detrimental association of sitting time with mortality? A harmonized meta-analysis of data from more than 1 million men and women. Lancet. 2016;388(10051):1302-10.

Rezende LFM, Sá TH, Mielke GI, Viscondi JYK, Rey-López JP, Garcia LMT. All-cause mortality attributable to sitting time: analysis of 54 countries worldwide. Am J Prev Med. 2016;51(2):253-63.

Atkin AJ, Gorely T, Clemes SA, Yates T, Edwardson C, Brage S, et al. Methods of measurement in epidemiology: Sedentary behaviour. Int J Epidemiol. 2012;41:1460-71.

Keadle SK, Moore SC, Sampson JN, Xiao Q, Albanes D, Matthews CE. Causes of Death Associated With Prolonged TV Viewing. Am J Prev Med. 2015;49(6):811-21.

van de Ploeg HP, Chey T, Korda RJ, Banks E, Bauman A. Sitting time and all-cause mortality risk in 222 497 Australian adults. Arch Intern Med. 2012;172(6):494-500.

Barros MBA. Inquéritos domiciliares de saúde: potencialidades e desafios. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(1):6-19.

Francisco PMSB, Barros MBDA, Segri NJ, Alves MCGP. Comparison of estimates of population-based surveys. Rev Saude Publica. 2013;47(1):60-8.

Malta DC, Iser BPM, Santos MAS, Andrade SSA, Stopa SR, Bernal RTI, et al. Estilos de vida nas capitais brasileiras segundo a Pesquisa Nacional de Saúde e o Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas Não Transmissíveis por Inquérito Telefônico (Vigitel), 2013. Rev Bras Epidemiol. 2015;18:68-82.

Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no brasil 2011-2022.; 2011. [citado em 2019 mai 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde 2013. 2014. 181 p. [citado em 2017 jan 20]. Disponível em: htp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. [citado em 2019 mai 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2013.pdf.

Groves RM. Three eras of survey research. Public Opin Q. 2011;75(5 SPEC. ISSUE):861-71.

Bernal RT, Malta DC, Morais Neto OL, Claro RM, Mendonça BCA, Oliveira ACC, et al. Vigitel – Aracaju, Sergipe, 2008: efeitos da pós-estratificação na correção de vícios decorrentes da baixa cobertura de domicílios com telefone fixo. Rev Bras Epidemiol. 2014;17:163-74.

Malta DC, Andrade SSCA, Stopa SR, Pereira CA, Szwarcwald CL, Júnior S, et al. Brazilian lifestyles: National Health Survey results, 2013. Epidemiol Serv Saude. 2015;24(2):217–26.

Souza-Júnior PRB, Freitas MPS, Antonaci GA, Szwarcwald CL. Desenho da amostra da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol e Serviços Saúde. 2015;24(2):207-16.

World Health Organization - W.H.O. Obesity: Preventing and Managing the Global Epidemic. 2000:6-8.

Lin LI. A concordance correlation coefficient to evaluate reproducibility. Biometrics. 1989;45(1):255-68.

Lima-Costa MF, Matos DL, Camargos VP, Macinko J. Tendências em dez anos das condições de saúde de idosos brasileiros: evidências da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1998, 2003, 2008). Cien Saude Colet. 2011;16(9):3689-96.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Censo Demográfico 2010. [citado em: 2016 out]. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2009: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Szwarcwald CL, Malta DC, Pereira CA, et al. Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil: concepção e metodologia de aplicação. Cien Saude Colet. 2014;19(2):333-42.

Moura EC, Morais Neto OL, Malta DC, Moura L, Silva NN, Bernal R, et al. Vigilância de Fatores de Risco para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal (2006). Rev Bras Epidemiol. 2008;11:20-37.

Silva SG, Del Duca GF, Silva KS, Oliveira ESA, Nahas MV. Commuting to and from work and factors associated among industrial workers from Southern Brazil. Rev Saude Publica. 2012;46(1):180-4.

Hallal PC, Knuth AG, Reis RS, Rombaldi AJ, Malta DC, Iser BPM, et al. Time trends of physical activity in Brazil (2006-2009). Rev Bras Epidemiol. 2011;14 Suppl1:53-60.

Mielke GI, Hallal PC, Malta DC, Lee IM. Time trends of physical activity and television viewing time in Brazil: 2006-2012. Int J Behav Nutr Phys Act. 2014;11:101.

Publicado
15-07-2019
Seção
Artigos Originais