Program EducAtivo: physical activity as a health education strategy

  • Ronailde Braga Guerra University of São Paulo; School of Arts, Sciences and Humanities, São Paulo, São Paulo, Brazil. https://orcid.org/0000-0003-1194-2127
  • Alex Antonio Florindo University of São Paulo; School of Arts, Sciences and Humanities; Group of Epidemiological Studies and Research in Physical Activity and Health, São Paulo, São Paulo, Brazil. https://orcid.org/0000-0002-4429-0826
  • Jaqueline Freitas de Oliveira Neiva University of São Paulo; School of Arts, Sciences and Humanities; School of Physical Education and Sports, São Paulo, São Paulo, Brazil. https://orcid.org/0000-0003-1972-9777
  • Douglas Roque Andrade University of São Paulo; School of Arts, Sciences and Humanities; Group of Epidemiological Studies and Research in Physical Activity and Health, São Paulo, São Paulo, Brazil. https://orcid.org/0000-0001-5135-582X

Resumo

Objetivou-se descrever a transição dos protocolos de intervenção da pesquisa “Ambiente Ativo” à construção do programa de extensão universitária “EducAtivo”. Considerando a complexidade do cenário da promoção da atividade física e a necessidade de compreensão de seus processos, este manuscrito se justifica à medida que vai ao encontro de tal necessidade ao relatar os procedimentos adotados no decurso da implementação do programa de extensão. O resultado dessa transição consiste na atual proposta do EducAtivo, que tem por objetivo criar oportunidades à vivência e reflexão em saúde, lançando mão das atividades físicas/práticas corporais como estratégia de educação em saúde, além de abordar temáticas correlatas, como alimentação saudável. De caráter itinerante, o programa realiza atividades em espaços sociais, aproximando a universidade da comunidade e recebe estudantes de diferentes cursos, fomentando a capacitação para atuação multiprofissional, fundamental no campo da saúde. Busca-se aprimorar e ampliar o programa com a captação de recursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Kohl HW, Craig CL, Lambert EV, Inoue S, Alkandari JR, Leetongin G, et al. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. Lancet. 2012;380(9838):294–305.

Andersen LB, Mota J, Di Pietro L, Lee I, Shiroma E, Lobelo F, et al. Update on the global pandemic of physical inactivity. Lancet. 2016;0(0):219–29.

Ding D, Lawson KD, Kolbe-Alexander TL, Finkelstein EA, Katzmarzyk PT, van Mechelen W, et al. The economic burden of physical inactivity: a global analysis of major non-communicable diseases. Lancet. 2016;388(10051):1311–24.

Organização Mundial da Saúde. Estratégia global em alimentação saudável, atividade física e saúde. Genebra: WHO; 2004;1–23. [citado 2018 jun 11]. Disponível em: http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/ebPortugues.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Promoção da Atividade Física “Agita Brasil”: atividade física e sua contribuição para a qualidade de vida. Rev Saude Publica. 2002;36(2):254-6.

Amorim TC, Knuth AG, Cruz DKA, Malta DC, Reis RS, Hallal PC. Descrição dos programas municipais de promoção da atividade física financiados pelo Ministério da Saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2013;18(1):63–74.

Parra MPH DC, Brownson RC, Heath GW, Parra DC, Sarmiento OL, Bo Andersen L, et al. Evidence-based intervention in physical activity: lessons from around the world. Lancet. 2012;380(380):272–81.

Andrade D, Costa E, Ribeiro E, Salvador E, Garcia L, Florindo A. Do diagnóstico à ação: A experiência da pesquisa Ambiente Ativo na promoção da atividade física em Ermelino Matarazzo, na zona leste de São Paulo, SP. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2012;17(1):235–8.

Ribeiro EHC, Garcia LMT, Salvador EP, Costa EF, Andrade DR, Latorre MRDO, et al. Avaliação da efetividade de intervenções de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde. Rev Saude Publica. 2017;51(56):1–12.

Florindo AA, Salvador EP, Reis RS, Guimaraes VV. Percepção do ambiente e prática de atividade física em adultos residentes em região de baixo nível socioeconômico. Rev Saude Publica. 2011;45(2):302–10.

Salvador EP, Ribeiro EH, Garcia LM, Andrade DR, Guimaraes VM, Aoki MS, et al. Interventions for physical activity promotion applied to the primary healthcare settings for people living in regions of low socioeconomic level: study protocol for a non-randomized controlled trial. Archives of Public Health. 2014;72:8.

Agência Brasil. Por contaminação, USP Leste é interditada a partir desta quinta. Carta Capital. 2014. [citado 2018 jun 18]. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/usp-leste-e-interditada-por-solo-contaminado-8415.html.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Guia Alimentar para a População Brasileira. 2a ed. Brasília: MS; 2014. 156 p. [citado 2015 setembro 17].Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf.

Andrade DR, Garcia LMT, Perez DCP. Colaborações locais para a promoção da atividade física: uma análise de rede. Cad. Saúde Pública. 2018;34(10):e00127517.

Passamai M da PB, Sampaio HADC, Dias AMI, Cabral LA. Letramento funcional em saúde: reflexões e conceitos sobre seu impacto na interação entre usuários, profissionais e sistema de saúde. Interface (Botucatu). 2012;16(41):301–14.

Publicado
26-06-2019
Seção
Do Diagnóstico à Ação: Experiências em Promoção de Atividade Física e Saúde