Prevalence of osteoporosis and its associated factors in older adult’s users of the Primary Health Care

Resumo

Este estudo analisou os fatores associados a prevalência de osteoporose em idosos usuários da Atenção Primária à Saúde. Estudo transversal, realizado com 654 idosos (56% mulheres) da Atenção Primária à Saúde de Maringá, Paraná, Brasil. Os instrumentos utilizados foram o questionário sociodemográfico e o Questionário internacional de atividade física (IPAQ), versão curta. A análise dos dados foi realizada por meio do teste Qui-quadrado e Regressão Logística Binária (p < 0,05). Os resultados mostraram uma prevalência de 15,6% de idosos que relataram a presença de osteoporose. Houve maior prevalência de mulheres com osteoporose (p = 0,001) e, por outro lado, houve maior proporção de idosos casados (p = 0,003) e idosos com renda acima de três salários mínimos (p = 0,020) com ausência de osteoporose. Os resultados mostraram que as mulheres (OR = 4,45; IC95%: 2,47-8,01) e os idosos que tomam mais de dois medicamentos (OR = 1,67; IC95%: 1,15-2,42) foram mais propensos a apresentar osteoporose. Concluiu-se que o sexo, a quantidade de medicamentos e a história de quedas estão associados à prevalência de osteoporose em idosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Vicentini de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas, Departamento de Pós-graduação em Gerontologia, Campinas, São Paulo, Brasil.

Graduado em Educação física, Graduado em Fisioterapia, Especialista em Anatomia Funcional, Especialista em Gerontologia, Mestre em Promoção da saúde, Doutorando em Gerontologia. Possui graduação em Educação Física (2008) e Fisioterapia (2011) pelo Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR). Título de especialista em Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG - 2017). Especialização em Anatomia Funcional (2010 - UNICESUMAR), em Gerontologia pela Universidade Estadual Norte do Paraná (UENP - 2012), em Saúde Pública pela Universidade Cândido Mendes (UCAM - 2017) e em Psicogerontologia pela Faculdade Unyleya (2018). Mestrado em Promoção da Saúde na linha de pesquisa Envelhecimento ativo (2014 - UNICESUMAR). Doutorado em Gerontologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente (T-40) no Centro Universitário Metropolitano de Maringá (UNIFAMMA) no Departamento de Educação física (bacharelado), Fisioterapia, Odontologia e Psicologia. Tutor e coordenador de cursos de especialização a distância da Faculdade Unyleya. Membro do Grupo de pesquisa Atividade física e envelhecimento (UNICESUMAR/CNPq), do Grupo de estudos e pesquisa sobre o envelhecimento humano e atividade física (GEPEHAF), da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e do Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e do Exercício (GEPEEX/CNPq) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Possui experiência na área de Gerontologia, Ciências morfológicas, Educação física e Fisioterapia, com ênfase em morfologia do aparelho locomotor, Educação física e fisioterapia em gerontologia, Promoção da saúde no envelhecimento, Epidemiologia e saúde coletiva, Funcionalidade no envelhecimento. Membro da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), da Sociedade Brasileira de Anatomia (SBA), Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) e da Associação Brasileira de Fisioterapia em Gerontologia (ABRAFIGE)

Referências

Zamboni M, Rossi AP, Fantin F, Zamboni G, Chirumbolo S, Zoico E, et al. Adipose tissue, diet and aging. Mech Ageing Dev. 2014;136(137):129-37.

Manini TM, Clark BC. Dynapenia and aging: an update. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2012;67(1):28-40.

Janssen I, Heymsfield SB, Ross R. Low relative skeletal muscle mass (sarcopenia) in older persons is associated with functional impairment and physical disability. J Am Geriatr Soc. 2012;50(5):889-96.

Fernandez AL, Muñoz-García D, Touche RL. The level of physical activity affects the health of older adults despite being active. J Exerc Rehabil. 2016;12(3):194-201.

Cruz-Jentoft AJ, Baeyens JP, Bauer JM, Boirie Y, Cederholm T, Landi F, et al. Sarcopenia: European consensus on definition and diagnosis: Report of the European Working Group on Sarcopenia in Older People. Age Ageing. 2010;39(4):412-23.

Manini T. Development of physical disability in older adults. Curr Aging Sci. 2013;4(3):184-91.

Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. “Mini-mental state” A practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatr. 1975;2(3):189-98.

Brucki SMD, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PHF, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(3B):777-81.

Matsudo S, Araújo T, Marsudo V, Andrade D, Andrade E, Braggion G. Questinário internacional de atividade f1sica (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6(2):5-18.

Mazo, GZ, Benedeti TRB. Adaptação do questionário internacional de atividade física para idosos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010;12(6):480-4.

Raichlen DA, Alexander GE. Adaptive Capacity: An Evolutionary Neuroscience Model Linking Exercise, Cognition, and Brain Health. Trends Neurosci. 2017;40(7):408-21.

Petersen RC. Mild cognitive impairment as a clinical entity and treatment target. Arch Neurol. 2004;62(7):1160-3.

Winblad B, Palmer K, Kivipelto M, Jelic V, Fratiglioni L. Mild cognitive impairment – beyond controversies, towards a consensus : report of the International Working Group on Mild Cognitive Impairment. J Intern Med. 2004;9:240-6.

Gligoroska J, Manchevska S. The Effect of Physical Activity on Cognition - Physiological Mechanisms. Mater Socio Medica. 2012;24(3):198–202.

Ribeiro AS, Avelar A, Schoenfeld BJ, Ritti Dias RM, Altimari LR, Cyrino ES. Resistance training promotes increase in intracellular hydration in men and women. Eur J Sport Sci. 2014;14(6):578-85.

Lee I-M, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT. Impact of Physical Inactivity on the World’s Major Non-Communicable Diseases. Lancet. 2012;380(9838):219-29.

Nagamatsu LS, Handy TC, Hsu CL, Voss M, Liu-Ambrose T. Resistance training promotes cognitive and functional brain plasticity in seniors with probable mild cognitive impairment. Arch Intern Med. 2012;172(8):666-8.

Nascimento CMC, Pereira JR, Pires de Andrade L, Garuffi M, Ayan C, Kerr DS, et al. Physical exercise improves peripheral BDNF levels and cognitive functions in mild cognitive impairment elderly with different bdnf Val66Met genotypes. J Alzheimers Dis. 2015;43(1):81-91.

Coelho FM, Pereira DS, Lustosa LP, Silva JP, Dias JM, Dias RC, et al. Physical therapy intervention (PTI) increases plasma brain-derived neurotrophic factor (BDNF) levels in non-frail and pre-frail elderly women. Arch Gerontol Geriatr. 2012;54(3):415-20.

Bamidis PD, Fissler P, Papageorgiou SG, Zilidou V, Konstantinidis EI, Billis AS, et al. Gains in cognition through combined cognitive and physical training: The role of training dosage and severity of neurocognitive disorder. Front Aging Neurosci. 2015;7(152):1-15.

Hillman CH, Erickson KI, Kramer AF. Be smart, exercise your heart: exercise effects on brain and cognition. Nat Rev Neurosci. 2008;9(1):58-65.

Erickson KI, Weinstein AM, Lopez OL. Physical activity, brain plasticity, and Alzheimer’s disease. Arch Med Res. 2012;43(8):615-21.

Publicado
12-06-2019
Seção
Artigos Originais