ESTÁGIOS DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO E PERCEPÇÃO DE BARREIRAS PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Autores

  • Patrícia Aparecida Gaion Rigoni
  • José Roberto Andrade do Nascimento Junior
  • Guaracy Nilton Fernandes de Souza Costa
  • Lenamar Fiorese Vieira

DOI:

https://doi.org/10.12820/rbafs.v.17n2p87-92

Palavras-chave:

Atividade motora, Estilo de vida, Estudantes.

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar a associação entre os estágios de mudança de comportamento e percepção de barreiras para a prática de atividade física por universitários. Fizeram parte da amostra 153 acadêmicos do curso de Educação Física, período noturno, de uma universidadedo noroeste do estado do Paraná. Como instrumentos foram utilizados o Algoritmo dos Estágios de Mudança de Comportamento, o Questionário de Percepção de Barreiras, o Questionário da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (ABEP) e uma ficha de dados sociodemográficos.Para a análise dos dados, utilizaram-se a estatística descritiva, o teste do Qui-quadrado e o Exato de Fisher (p<0,05). Grande parte dos acadêmicos era do gênero feminino (57,5%), solteira (90,1%), pertencente às classes econômicas A e B (60,1%), praticante de esportes na infância e adolescência (88%) e eutrófica (80%). Em relação aos estágios de mudança de comportamento, a maioria dos estudantes se encontrava nos estágios considerados fisicamente ativos (manutenção e ação – 56,9%). No entanto, cerca de 40% não apresentou um estilo de vida fisicamente ativo, estando nos estágios de preparação, contemplação e pré-contemplação. As principais barreiras percebidas foram jornada de trabalho extensa (45,1%) e jornada de estudo extensa (37,9%). Houve associaçãosignifi cativa entre estágios de mudança de comportamento e barreiras como jornada de trabalho extensa (p = 0,011), falta de companhia (p = 0,005), falta de energia (p = 0,006) e falta de espaço disponível (p = 0,044), com maiores proporções de acadêmicos nos estágios considerados fi sicamente inativos ou irregularmente ativos entre aqueles que percebiam essas barreiras. Concluiu-se que estudantes que se encontravam nos estágios de pré-contemplação, contemplação e preparação perceberam como barreiras para a atividade física fatores relacionados a compromissos,companhia, ambiente e energia para a prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-09-27

Como Citar

1.
Rigoni PAG, Nascimento Junior JRA do, Costa GNF de S, Vieira LF. ESTÁGIOS DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO E PERCEPÇÃO DE BARREIRAS PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde [Internet]. 27º de setembro de 2012 [citado 16º de junho de 2024];17(2):87-92. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/1223

Edição

Seção

Artigos Originais