Efeito de dois ritmos de dança de salão na resposta da pressão arterial pós-exercício: uma comparação entre o samba e o bolero

  • Nuno Sousa
  • Daiane Ferreira
  • Ana Silveira
  • Grazieli Sarmento
  • Danilo Bertucci Universidade Estadual Paulista
  • Ramires Tibana
  • Jonato Prestes
Palavras-chave: Exercício físico, Pressão arterial, Trabalho cardíaco

Resumo

A dança de salão pode representar uma alternativa de exercício físico para controle da pressão arterial (PA), tanto de forma crônica como aguda. O objetivo foi avaliar e comparar a resposta da PA após uma sessão de samba da gafieira e após uma sessão de bolero. Dezenove mulheres não hipertensas (21,9 ± 3,4 anos e IMC de 21,5 ± 2,5 kg/m2) praticantes da dança de salão avançada foram submetidas a duas sessões experimentais de dança de salão com dois ritmos, bolero e samba de gafieira, sendo avaliada a frequência cardíaca (FC) e a pressão arterial (PA) de repouso, durante as sessões (apenas FC) e a cada 10 min durante 60 min após as sessões. Durante as sessões, a FCmédia atingida no bolero foi 145 ± 15 bpm (78 ± 8 %FCmax) e no samba foi 178 ± 13 bpm (92 ± 6 %FCmax), representando intensidade moderada e vigorosa, respectivamente. No ritmo bolero, após 10 min do final da sessão, a pressão arterial sistólica (PAS) já apresentou valores semelhantes (p > 0,05) ao repouso (112,0 ± 12,9 mmHg), sendo mantidos até 60 min após a dança. No samba, a PAS entre os 30 a 60 min foi menor (p < 0,05) que em repouso (114,0 ± 13,0 mmHg), evidenciando hipotensão pós-exercício. Não foram observadas reduções da pressão arterial diastólica após as danças. O ritmo mais intenso, representado pelo samba, induziu hipotensão pós-exercício, o que não ocorreu com o ritmo bolero, que apresentou apenas uma diminuição do trabalho do miocárdio.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
01-03-2017
Seção
Artigos Originais