Efeitos do treinamento em meio aquático no consumo de oxigênio máximo de idosos: revisão sistemática com metanálise de ensaios clínicos randomizados

  • Maira Schoenell Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Roberta Bgeginski Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Luiz Kruel Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Exercício, Consumo de oxigênio, Envelhecimento

Resumo

O objetivo do presente estudo foi conduzir uma revisão sistemática com metanálise de ensaios clínicos randomizados para avaliar o efeito do treinamento em meio aquático no consumo de oxigênio máximo (VO2máx) de idosos. Os estudos elegíveis foram identificados a partir das bases de dados MEDLINE, PEDro, Biblioteca Virtual da Saúde (BVS), Scopus e SportDiscus até o dia 23 de agosto de 2016. Os dados foram extraídos de estudos randomizados que incluíram idosos (maior ou igual a 60 anos) e que compararam treinamento no meio aquático, na posição vertical, com o grupo controle que não realizou treinamento ou realizou treinamento em meio terrestre. A metanálise foi conduzida utilizando as diferenças entre as médias dos valores pós-intervenção dos grupos controle e experimental com o modelo de efeitos randômicos e a heterogeneidade estatística foi avaliada pelo teste Q de Cochran e inconsistência (I2). De um total de 2200 artigos, sete ensaios clínicos randomizados foram incluídos com 227 sujeitos. Os resultados do desfecho principal indicaram um efeito significativo do VO2máx a favor do exercício no meio aquático em comparação ao grupo controle (95%IC: 7,04 (3,29; 10,79); I2 98%; p<0,05). A partir destes resultados, conclui-se que a hidroginástica é um exercício efetivo para a melhora do condicionamento cardiorrespiratório e pode ser indicada como uma forma de melhorar a capacidade aeróbia de idosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maira Schoenell, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Ciências do Movimento Humano
Roberta Bgeginski, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Pós-doutoranda no Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde: Ginecologia e Obstetrícia, Faculdade de Medicina
Luiz Kruel, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professor doutor da UFRGS, coordenador do Grupo de Pesquisa em Atividades Aquáticas e Terrestres
Publicado
25-01-2017
Seção
Artigos de Revisão