Função sexual e aptidão cardiorrespiratória de coronariopatas e hipertensos praticantes de dança

  • Ana Gonzales Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Helena Braga Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Sabrina Sties Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Lourenço Mara Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Gabriela Carvalho Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Ana Souza Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Adriana Guimarães Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Raquel Britto Universidade Federal de Minas Gerais UFMG
  • Almir Schimitt Netto Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Tales Carvalho Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Palavras-chave: Disfunção erétil, Doenças Cardiovasculares, Terapias através da Dança

Resumo

Existe relação entre disfunção sexual e doenças cardiovasculares, sendo o exercício físico eficaz no tratamento de ambos. A dança de salão tem proporcionado efeitos cardiovasculares semelhantes aos exercícios convencionais, sendo também plausível a hipótese beneficiar a função sexual. O objetivo deste estudo foi comparar a função sexual e a aptidão cardiorrespiratória de coronariopatas e hipertensos praticantes de dança de salão e de seus pares participantes de programa convencional de reabilitação cardiovascular e sedentários. Estudo transversal, com 102 indivíduos de ambos os sexos (69 homens e 33 mulheres), avaliados nos grupos: dança de salão (GD; n = 34; 66,47 ± 6,66 anos), reabilitação cardiovascular (GR; n = 34; 66,61 ± 6,3) e sedentários (GS; n = 34; 66,17 ± 6,73). Para avaliar a função sexual foram utilizados o Índice Internacional de Função Erétil (IIEF) e o Índice de Função Sexual Feminina (IFSF). Foi realizado teste cardiopulmonar para determinar a capacidade cardiorrespiratória. Na análise estatística foram utilizados o teste Korgomorov-Smirnov, Mann-Whitney, Kruskal-Wallis e análise de regressão logística com nível de significância de 5%. Homens e mulheres praticantes de dança de salão demonstraram menor possibilidade de apresentar disfunção sexual (OR= 0.352; p = 0.020; OR= 1.05; p = 0.041, respectivamente). GD apresentou VO2pico e VO2 no primeiro limiar ventilatório maior que os outros grupos (<0.001), e VO2pico 16% maior que o GR e 21% maior que o GS. Os resultados demonstraram que coronariopatas e hipertensos praticantes de dança de salão possuem maior capacidade cardiorrespiratória e menor chance de disfunção sexual em comparação a participantes no programa de reabilitação convencional e sedentário.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
06-05-2016
Seção
Artigos Originais