Physical Education Professionals in the Unified Health System: an analysis of the brazilian registry of health institutions between 2013 and 2017

  • Paulo Sergio Cardoso da Silva Postgraduate Program in Collective Health, Department of Public Health, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil. https://orcid.org/0000-0002-7271-2782
Palavras-chave: Health personnel, Registries, Physical education and training, Public health, Unified Health, Brazil

Resumo

O objetivo deste estudo foi descrever a distribuição dos profissionais de Educação Física (PEF), registrados no Sistema Único de Saúde (SUS), entre 2013 e 2017. Realizou-se um estudo descritivo, com base nos dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e dados do Censo Demográfico de 2010. Analisou-se a distribuição de acordo com as macrorregiões e estados brasileiros, considerando a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). Foram identificados 6.797 cadastros de PEF, distribuídos em oito CBO, sendo que 89,0% registrados como PEF na saúde (PEFS). Houve um aumento médio de 140,8% no número de PEFS no período analisado. O maior aumento foi na região Sul do país (229,2%). A relação de habitantes por PEFS mais favorável, em 2017, se deu na região Nordeste (24.300 hab/PEFS) e a menos favorável na região Norte (46.100 hab/PEFS). Ao analisar a mesma relação nos estados, Piauí apresentou a relação mais favorável (16.341 hab/PEFS) e o Distrito Federal a menos favorável (303.944 hab/PEFS). Mesmo sendo o PEF o responsável pela orientação adequada da prática de atividade física, e que a mesma é evidentemente benéfica à saúde quando bem orientada, os resultados do estudo apontaram para uma distribuição desigual nas diferentes regiões e estados brasileiros, ainda que observado um aumento absoluto no cadastro de profissionais no período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Sergio Cardoso da Silva, Postgraduate Program in Collective Health, Department of Public Health, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brazil.

Graduado em Educação Física e Administração Pública. Especialista em Fisiologia do Exercício e Gestão em Saúde. MBA em Gestao Estratégica, Mestre e aluno de doutorado em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Santa Catarina. Reponsável pela implementação dos NASF no muncípio de São José-SC.

Referências

Conselho Federal de Educação Física - CONFEF. Resolução CONFEF nº 046, de 18 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre a intervenção do Profissional de Educação Física e respectivas competências e define os seus campos de atuação profissional. Rio de Janeiro: CONFEF/CREFs; 2002. [citado 2019 fev 28]. Disponível em: url: https://www.confef.org.br/confef/resolucoes/82.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 218, de 6 de março de 1997. Brasília: 1997. [citado 2018 ago 15]. Disponível em: url: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/1997/reso218.doc.

Nogueira JAD, Bosi MLM. Saúde Coletiva e Educação Física: distanciamentos e interfaces. Cien Saude Colet. 2017;22(6):1913-22.

Silva JRA, Andrade MLSS, Brito ALS, Hardman CM, Oliveira ESA, Barros MVG. Atividade física e saúde mental: uma experiência na formação inicial em Educação Física. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2014;19(1):133-40.

Xavier AD, Kunth AG. Mapeamento da Educação Física em programas de Residência Multiprofissional em Saúde no sul do Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(6):551-60.

Brasil. Portaria nº 256 de 11 de março de 2013. Estabelece novas regras para o cadastramento das equipes que farão parte dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES). Diário Oficial da União 2013. [citado 2018 ago 22]. Disponível em: url: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=43&data=14/03/2013.

Brasil, Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Sistema de Gerenciamento da Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. [citado 2018 jul 20]. Disponível em: url: http://sigtap.datasus.gov.br/tabela-unificada/app/sec/relatorio/procedimentoCBO/publicados.

Santos SFS, Benedetti TRB. Cenário de implantação do Núcleo de Apoio a Saúde da Família e a inserção do profissional de Educação Física. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2012;17(3):188-94.

Melo VMC, Lemos EC, Marins AM, Silva BCR, Alburquerque MT, Aros LJL, et al. Performance of Physical Education Professionals from the Academia da Cidade Program in Primary Health Care in Recife. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(5):483-93.

Saporetti GM, Miranda PSC, Belisário AS. O profissional de Educação Física e a promoção de saúde em Núcleos de Apoio à Saúde da Família. Trab Educ Saúde. 2016;14(2):523-43.

Soares SETOM, Brainer MGF, Silva CBG, Leonidio ACR, Lemos EC. Contribution and challenges of physical education professionals at the Center for Psychosocial Support. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(5):420-30.

Brasil, Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). CNES – Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2018a. [citado 2018 ago 02]. Disponível em: url: http://datasus.saude.gov.br/sistemas-e-aplicativos/cadastros-nacionais/cnes.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Estimativas da População. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018. [citado 2018 ago 20]. Disponível em: url: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=resultados.

Fernandes AP, Andrade ACS, Costa DAS, Dias MAS, Malta, DC, Caiaffa WT. Programa Academias da Saúde e a promoção da atividade física na cidade: a experiência de Belo Horizonte, MG, Brasil. Cien Saude Colet. 2017;22(12):3903-14.

World Health Organization - WHO. Global action plan on physical activity 2018–2030: more active people for a healthier world. Geneva: World Health Organization; 2018.

Albuquerque MV, Viana ALA, Lima LD, Ferreira MP, Fusaro ER, Iozzi FL. Desigualdades regionais na saúde: mudanças observadas no Brasil de 2000 a 2016. Cien Saude Colet. 2017;22(4):1055-64.

Bagrichevsky M, Santos Júnior VJ, Estevão A, Vasconcellos-Siva PR. Desigualdades sociais em saúde e práticas corporais: um exercício singular de análise. Saúde Soc. 2013;22(2):497-10.

Loch MR, Lemos EC, Siqueira FV, Facchini, LA. A revisão da Política Nacional de Atenção Básica e a Promoção da Atividade Física. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(4):315-18.

Freitas FF, Carvalho YM, Mendes VM. Educação Física e Saúde: Aproximação com a clínica ampliada. Rev Bras Ciênc Esporte. 2013;35(3):639-56.

Skowronski M. Educação Física e Saúde: a mobilização de saberes para atuação nos polos do Programa Academia da Saúde no Brasil. [dissertação de mestrado]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Educação Física, Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano; 2014.

Vaz FF. Análise da distribuição dos profissionais de Educação Física nos serviços de saúde do Estado do Rio Grande do Sul. [trabalho de Conclusão de Curso – graduação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física; 2014.

Cascaes AM, Dotto L, Bomfim RA. Tendências da força de trabalho de cirurgiões-dentistas no Brasil, no período de 2007 e 2014: estudo de séries temporais com dados do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Epidemiol Serv Saude. 2018;27(1):1-10.

Santos TR, Penm J, Baldoni AO, Ayres LR, Moles R, Sanches C. Hospital pharmacy workforce im Brazil. Hum Resour Health. 2018;16(1):1.

Tavares LRC, Costa JLR, Oishi J, Driusso P. Inserção da fisioterapia na atenção primária à saúde: análise do cadastro nacional de estabelecimentos de saúde em 2010. Fisioter Pesqui. 2018;25(1):9-19.

Santos JAP, Arce VAR, Magno LD, Ferrite S. Oferta da Fonoaudiologia na rede pública municipal de saúde nas capitais do Nordeste do Brasil. Audiol. Commun. Res. 2017;22:e1665.

Publicado
23-05-2019
Seção
Artigos Originais